Cultura Palestina

A convite do Shotcutz Lisboa, o MPPM apresentou a curta-metragem “Trying to Survive”, do realizador palestino Bashar Albelbisy, na sessão de terça-feira, 11 de Junho. Este documentário foi filmado numa Gaza em ruínas pelos artistas do grupo Alfoursan Arts e o realizador gravou uma mensagem especialmente para esta sessão.

O grupo apresenta-se assim: «Somos o grupo artístico Alfoursan Arts de Gaza. Acreditamos firmemente que a arte tem o poder de criar um impacto positivo na sociedade e promover as normas e valores de uma comunidade unida. Através do teatro e da dança folclórica palestina (o dabke), esforçamo-nos por fortalecer a identidade cultural palestina. Seja no dabke, no teatro ou na música, o nosso variado e diversificado grupo de cinquenta artistas tem uma coisa em comum: todos acreditamos na mudança social e defendemos a importância da responsabilidade social.»

No Jardim da Praça Marquês de Pombal, no Porto, na tarde desta segunda-feira 3 de Junho, houve intervenção política, poesia, música e pintura num evento promovido pelo CPPC, pela USP/CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído-Associação Juvenil, a que se chamou «Mãos pela Paz!».

Com apresentação e moderação de Joana Machado, do Projecto Ruído, intervieram José António Gomes, pelo MPPM, e Ilda Figueiredo, pelo CPPC. Cessar-fogo e abertura total à ajuda humanitária em Gaza, com o fim do genocídio, exigência do reconhecimento do Estado da Palestina pelo governo português, apelo à continuação da solidariedade com a resistência do povo palestino, e apelo à Paz generalizada – foram os pontos dominantes das intervenções.

Leram poemas de sua autoria os escritores Augusto Baptista, Eugénia Soares Lopes e J. J. Silva Garcia. Foram lidos ainda poemas de poetas palestinos pelo poeta José Efe e pelo jornalista e escritor Froufe Andrade.

O MPPM está a promover, em Lisboa, uma Mostra de Cinema Palestino com a colaboração do realizador palestino Salim Abu Jabal e da activista palestina Haneen Abo Soad.

A Mostra teve início no dia 15 de Maio à tarde com uma sessão para alunos da Escola Secundária de Camões que encheram o auditório da escola. Foram exibidos os filmes «Entre Duas Fronteiras», de Yasser Murtaja e Rushdi Sarraj, e «Tentando Sobreviver», de Bashar Al Belbisy.

Nos dias 16 e 17 de Maio a Mostra esteve na Padaria do Povo, onde foram exibidos os filmes «Tentando Sobreviver», «Roshmia», de Salim Abu Jabal, «Shujayya», de Mohammed Al Mughanni, «Palestina 87», de Bilal Khatib, e «Entre Duas Fronteiras».

Todas as sessões foram seguidas de debate, com a participação de Haneen Abo Soad e de dirigentes do MPPM.

Este Ciclo da Primavera da Mostra conclui no dia 22 de Junho, às 21 horas, na B.O.T.A., com a apresentação dos filmes «Shujayya» e «Roshmia».

O MPPM foi uma das entidades que respondeu ao convite de uma equipa dinamizada por Marta Amorim para se associar ao evento que teve lugar nesta quinta-feira, 28 de Março, desde o fim da tarde até alta noite, na Casa do Comum, em Lisboa, com o objectivo de angariar fundos para duas instituições de apoio aos Palestinos: a UNRWA e o Crescente Vermelho Palestino.

O evento contou com diferentes actividades: cinema, música, gastronomia palestina, poesia, exposição e um leilão de arte composto por peças doadas por vários artistas.

O MPPM estreou a sua nova exposição «A Questão Palestina: O Essencial» que pode ser vista no local até ao próximo dia 7 de Abril, entre as 12 e as 24 horas. O espaço encerra à segunda e terça-feira.

Esta iniciativa contou com apoio, além do MPPM, da Plataforma Unitária de Solidariedade com a Palestina, do Colectivo para a Libertação da Palestina, da Traça Editora e de Judeus pela Paz e Justiça.
 

No Rossio, em Lisboa, a tarde de domingo, 24 de Março, foi animada com o ritmo do grupo Baque Mulher. Com apresentação de Domingos Pereira, do Projecto Ruído, houve ainda poesia palestina dita por Fernando Rebelo e intervenção política por Mariana Silva, do CENA-STE, em representação da CGTP-IN, e por José Oliveira, do MPPM.

Paralelamente, prosseguiu a pintura da bandeira da Palestina com aposição de impressões digitais que tinha sido iniciada no sábado 16 na Rua Augusta em Lisboa e que desperta sempre grande interesse.

Esta foi mais uma iniciativa da CGTP/IN, do CPPC, do MPPM e do Projecto Ruído pela Paz no Médio Oriente, pelo Fim do Genocídio, por uma Palestina Independente.

Neste ano em que uma cruel guerra colonial dizima o povo palestino, neste ano em que Portugal festeja o fim de uma guerra colonial imposta à população portuguesa durante 13 longos anos, neste dia 8 de Março de 2024, Dia Internacional da Mulher, por onde andarão os direitos humanos na martirizada Palestina ocupada e, em particular, os direitos das mulheres palestinas?

Em Gaza, desde 7 de outubro de 2023, mais de 30 000 palestinos morreram, há mais de 70 000 feridos, há quase oito milhares de desaparecidos. Estima-se que 70% das vítimas mortais são mulheres e crianças. Entre os detidos palestinos sob custódia, 27 morreram nos últimos dias.

Nestes quase cinco meses - 154 dias - de massacres e de destruições, de privação de água, de alimentos, de cuidados de saúde, as transferências forçadas atingiram 75% da população de Gaza, onde, actualmente, se morre de fome...

O Instituto de Estudos Árabes e Islâmicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - FLUL, em colaboração com o Nucivo, Núcleo de Cinema e Vídeo da FLUL, a Associação de Estudantes da FLUL e o MPPM — Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, apresentaram, nos dias 21 e 23 de Novembro, o ciclo de cinema Vozes e Cores da Palestina.

Este ciclo teve como objectivo promover, na comunidade académica da Universidade de Lisboa e no público português em geral, um conhecimento mais profundo e humanizado da realidade histórica, política e cultural do povo palestino – um conhecimento mediado pelo testemunho original dos criadores e artistas palestinos.

O MPPM esteve na Escola Secundária de Camões, em Lisboa, no passado dia 13 de Novembro, com uma sessão à tarde, para os alunos da escola, e uma sessão à noite, para o público em geral, com a exibição do filme «A Terra Fala Árabe». Ambas as sessões foram seguidas de debate.

Na sessão da tarde, os estudantes que encheram por completo o Auditório assistiram muito interessados à projecção do documentário «Como foi colonizada a Palestina», de Abby Martin, e três filmes curtos da Aljazeera. Seguiu-se um período de perguntas e repostas animado por Jorge Cadima, do MPPM.

À noite, para o público em geral, e inserida na parceria da ES Camões com o ABC Cineclube de Lisboa, foi exibido o filme «A Terra Fala Árabe», de Marise Gargour. O debate subsequente, muito participado, foi moderado por Carlos Almeida, do MPPM.

Nós ensinamos a vida, senhores.
Nós, palestinos, ensinamos a vida desde que eles ocuparam o céu derradeiro.
Nós ensinamos a vida desde que eles construíram os colonatos, os muros do apartheid, depois do último céu.
Nós ensinamos a vida, senhores.

Nós ensinamos a vida, senhores.
Nós, palestinos, acordamos todas as manhãs para ensinar vida ao resto do mundo, senhores.

É por aqui que quero começar, caras e caros amigos, pelas palavras da poeta palestina Rafeef Ziahad.

Intervenção de Carlos Almeida no Acto Público no Martim Moniz em 11Out23
Intervenção de Carlos Almeida no Acto Público no Martim Moniz em 11Out23

A Place of Many Beginnings: Three Paths into the History of Palestine (Um Lugar de Muitos Começos: Três Caminhos para a História da Palestina) é um projecto interactivo de história da Palestina desenvolvido por Visualizing Palestine que foi apresentado no passado fim-de-semana no Festival de Literatura Palestine Writes, na Universidade da Pensilvânia e está disponível para o público interessado.

A história da Palestina... tem múltiplos 'começos' e a ideia da Palestina evoluiu ao longo do tempo a partir destes múltiplos 'começos' para um conceito geopolítico e uma política territorial distinta
Nur Masalha, Palestine: A Four Thousand Year History (pág. 8)

A Place of Many Beginnings foi apresentado no sábado, 23 de Setembro, durante um painel com os académicos palestinos Nur Masalha e Salman Abu Sitta, moderado pela autora e activista palestina Susan Abulhawa.

Páginas

Subscreva Cultura Palestina