Cultura Palestina

O colectivo (un)common ground organiza, entre 7 de Janeiro e 26 de Fevereiro, em Lisboa, duas exposições sobre as consequências da ocupação israelita da Palestina.

Passado Presente – Perspectivas de paisagens em desaparecimento mostra a persistente presença da Nakba na memória palestina. Com curadoria de Debby Farber é apresentado «um conjunto heterogéneo de obras e de artistas [que] continuam a animar a memória e o espírito de resistência, oferecendo imagens alternativas que descrevem paisagens em desaparecimento ao mesmo tempo que exprimem o que não se pode rasurar nem esquecer.»

Mahmoud al-Saadi, um estudante do ensino secundário palestino, de 17 anos, foi morto a tiro enquanto se encontrava a caminho da escola, durante uma rusga das forças israelitas à cidade ocupada de Jenin, no norte da Cisjordânia, na madrugada da passada segunda-feira.

Mahmoud al-Saadi era um dos melhores alunos da Escola Secundária Farhat Hashad em Jenin e foi morto perto do local onde a jornalista Shireen Abu Akleh da Al Jazeera foi assassinada a tiro a 11 de Maio enquanto cobria uma rusga do exército israelita no campo de refugiados de Jenin.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros palestino descreveu o assassinato como uma "execução no terreno" e um "crime hediondo", acrescentando que faz «parte da série diária de assassinatos contra o nosso povo, com cobertura e aprovação a nível político israelita».

A partir de 13 de Novembro, a Palestina e, em particular a Faixa de Gaza, vai estar em foco numa exposição de pintura, em dois filmes e em dois debates, em Lisboa e em Sintra. A sociedade civil portuguesa está cada vez mais empenhada na promoção da causa do povo palestino, em flagrante contrate com a indiferença das instâncias oficiais.


Exposição | Arte entre Ruínas: Sublimação Artística na Faixa de Gaza - Malak Mattar

Vernissage Domingo, 13 de Novembro
Patente até Domingo, 29 de Janeiro de 2023
MU.SA - Museu das Artes de Sintra

Neste dia 8 de Julho, há 50 anos, a Mossad (serviços secretos israelitas) assassinou, em Beirute, num atentado à bomba, o patriota palestino Ghassan Kanafani, então com apenas 36 anos.

Destacado jornalista, professor, escritor e revolucionário palestino, membro e porta-voz da Frente Popular para a Libertação da Palestina, Kanafani continua a ser hoje uma das grandes referências da cultura e da resistência palestina.

Kanafani e a família foram expulsos de sua casa pelas forças israelitas em 1948, tendo-se refugiado no Líbano e posteriormente na Síria.

Kanafani foi o precursor da Literatura de Resistência Palestina, tendo produzido obras como Men in the Sun (Rijal fi-a-shams), All That's Left to You (Ma Tabaqqah Lakum) ou o ensaio Palestinian Literature of Resistance Under Occupation.

Mais uma vez, a Esplanada das Mesquitas em Jerusalém, violentamente invadida pelas forças israelitas nos últimos dias do Ramadão 2022, encontra-se no coração do conflito israelo-palestino. A história do lugar é complexa, como mostram os seus diferentes nomes. Para os judeus, é o Monte do Templo (Har haBayit em hebraico). Para os muçulmanos, é o Haram Al-Sharif, o «Santuário Nobre» onde se situam a Cúpula da Rocha, com o seu zimbório dourado, e a Mesquita Al-Aqsa («a longínqua»). A expressão «Esplanada das Mesquitas», aparentemente, apenas é utilizada em França.

Numa organização conjunta da Escola Secundária de Camões e do ABC Cineclube de Lisboa, o MPPM promoveu, na segunda-feira 9 de Maio, a estreia em Portugal do filme Yallah! Yallah!, a primeira co-produção argentino-palestina.

Realizado por Cristian Pirovano e Fernando Romanazzo, o filme acompanha o quotidiano de sete pessoas ligadas ao futebol e as suas lutas diárias para superar as dificuldades de viver hoje na Palestina. Os detalhes da sua vida, das suas relações e convivência, aproximam-nos de uma história de futebol, paixão e luta.

O Auditório Camões acolheu duas sessões que contaram com a presença de Cristian Pirovano, um dos realizadores, e de Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM. As boas-vindas foram dadas pelo director da E.S. Camões, João Jaime Pires e Fernando Jorge Saraiva, que na escola rege a disciplina de Ciência Política, fez a apresentação do filme.

Durante a sua reunião anual realizada em Paris, o Comité Intergovernamental da UNESCO para a Salvaguarda do Património Cultural Intangível aceitou a inscrição de «A arte de bordar na Palestina, práticas, aptidões, conhecimentos e rituais» na Lista Representativa do Património Cultural Intangível.

A arte dos bordados tradicionais é generalizada na Palestina. Originalmente feita e usada nas zonas rurais, a prática é agora comum em toda a Palestina e entre os membros da diáspora.

Na Palestina, a roupa da aldeia feminina consiste geralmente num vestido comprido, calças, casaco, touca e um véu. Cada peça de vestuário é bordada com uma variedade de símbolos, incluindo pássaros, árvores e flores. O bordado é cosido com fio de seda em lã, linho ou algodão, e a escolha de cores e desenhos indica a identidade regional da mulher e o seu estatuto matrimonial e económico.

A Netflix lançou, na semana passada, uma colecção de «Histórias Palestinas», exibindo filmes de cineastas palestinos ou sobre histórias palestinas. A colecção iniciou-se com 32 filmes, com mais a serem adicionados nas próximas semanas, e a maioria dos títulos será transmitida globalmente, assegura a Netflix.

«Apresentando as obras de realizadores prolíficos e aclamados pela crítica como Annemarie Jacir, Mai Masri, Mahdi Fleifel, Susan Youssef, May Odeh, Farah Nabulsi e muitos mais, a colecção é um tributo à criatividade e paixão da indústria cinematográfica árabe, uma vez que a Netflix continua a investir em histórias do mundo árabe», diz a Netflix no seu comunicado.

Em 19 de Abril de 2021 o helicóptero Ingenuity da NASA fez o seu primeiro voo em Marte. Este feito histórico é o resultado de sete anos de trabalho árduo de uma equipa que inclui um engenheiro palestino que cresceu na Faixa de Gaza e estudou na escola da UNRWA.

«Loay Elbasyouni era um rapaz de 10 anos de idade que crescera na Faixa de Gaza sitiada quando construiu a sua primeira antena de televisão a partir de utensílios de cozinha e folha de alumínio. Mas ter a oportunidade de trabalhar para uma empresa que ajudou a NASA a desenvolver a primeira aeronave da história a fazer um voo a motor controlado noutro planeta, ia muito para além da sua jovem e fértil imaginação», escreve Holly Hinson na página da J. B. Speed School of Engineering (Universidade de Louisville, Kentucky), a faculdade onde Loay concluiu o seu mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores em 2005.

O elenco de Let There Be Morning, um filme realizado pelo israelita Eran Kolirin, está a boicotar o Festival de Cinema de Cannes, onde o filme deve estrear hoje. Os actores, que são cidadãos palestinos de Israel, explicaram numa declaração nas redes sociais que vão estar ausentes em protesto contra o apagamento cultural dos palestinos por parte de Israel.

«Não podemos ignorar a contradição da entrada do filme em Cannes sob o rótulo de "filme israelita", quando Israel continua a levar a cabo a sua campanha colonial de décadas de limpeza étnica, expulsão e apartheid contra nós - o povo palestino», disse o elenco numa declaração.

A equipa de produção explicou ainda o prejuízo que é causado aos palestinos quando o seu trabalho é categorizado como "israelita" nos meios de comunicação social.

Páginas

Subscreva Cultura Palestina