Actualidade

As autoridades de ocupação israelitas vão demolir toda uma aldeia palestina, no norte da Cisjordânia, deslocando mais de 200 pessoas.

Mahmoud Amarneh, chefe do conselho da aldeia de Farasin, a oeste de Jenin, disse à agência noticiosa Wafa que as forças de ocupação israelitas invadiram a aldeia na manhã desta quarta-feira e entregaram 36 ordens de demolição para todas as estruturas e poços de água da aldeia onde vivem 200 pessoas.

Os militares disseram aos residentes que a demolição terá lugar dentro de poucos dias. O governo de ocupação israelita quer tomar conta da aldeia a fim de expandir os colonatos ilegais construídos naquela área.

A aldeia tem um poço com 200 anos e vários edifícios antigos, disse Amarneh, exortando a intervenção internacional para evitar que Israel cometa um massacre na aldeia.

Mais de 60 animais morreram esta manhã envenenados por colonos israelitas extremistas na cidade de Al-Auja, a norte de Jericó, no Vale do Jordão.

Segundo a agência Wafa, um grupo de habitantes do colonato de Seima pulverizou veneno nos terrenos onde o gado pastava. Sessenta animais já morreram, mas um responsável do município de Al-Auja disse que era altamente provável que o número aumentasse, uma vez que parte do gado restante ainda se encontrava em estado crítico.

A violência dos colonos contra os palestinos e os seus bens é rotineira na Cisjordânia e raramente é sancionada pelas autoridades israelitas.

A violência dos colonos inclui, além de agressões pessoais, fogo posto em prédios e mesquitas, lançamento de pedras, destruição de culturas e oliveiras, ataques a habitações e automóveis, entre outros.

Colonos israelitas incendiaram esta manhã cedo uma mesquita na cidade de al-Bireh, próximo de Ramala, e pintaram graffiti racistas nas suas paredes, segundo noticia a agência Wafa.

Os vândalos, vindos do vizinho colonato ilegal de Psagot, entraram furtivamente na cidade durante a noite, cobriram as paredes da mesquita com inscrições racistas e incendiaram-na.

«Condenamos veementemente o ataque incendiário à mesquita cometido esta manhã por um grupo de colonos israelitas. Os colonos, que vieram de um colonato israelita ilegal próximo, invadiram a cidade palestina de Al-Bireh durante o amanhecer e atearam fogo à Mesquita Al-Bir Wal-Ihsan e escreveram calúnias racistas e odiosas», declarou Hanan Ashrawi, membro do Comité Executivo da OLP, num comunicado de imprensa.

A proposito do assassinato pela polícia israelita do jovem Lyad Hallak, e recordando ourtros atentados contra a vida de palestinos portadores de deficiência, a Associação Portuguesa de Deficientes apela às Nações Unidas e ao Governo de Portugal para que forcem Isarel a respeitar os direitos humanos e, em particular, os direitos das pessoas com deficiência.

É este o teor da carta:

Apelo às Nações Unidas e ao Governo Português

No sábado de manhã, dia 30 de Março, em Jerusalém, o jovem palestino Lyad Hallak foi mortalmente atingido pelas balas disparadas por oficiais israelitas da polícia de fronteira. Lyad era autista e dirigia-se ao Centro Elwyn, centro especializado em cuidados a pessoas com deficiência.

A polícia e agentes dos serviços secretos israelitas invadiram ontem dois centros culturais palestinos em Jerusalém Oriental ocupada, apreendendo registos e documentos e detendo funcionários, informou a agência noticiosa oficial palestina Wafa.

O Centro Cultural Yabous e o Conservatório Nacional de Música Edward Said (CNMES), também conhecido como o Instituto Edward Said, estão no centro da cena musical e cultural em Jerusalém Oriental.

A residência de Suhail Khoury, o director do CNMES, e Rania Elias, a directora do Yabous, foi invadida pelas forças israelitas, que os escoltaram até às instalçaões de ambas as instituições para a busca e apreensão de documentos. Ambos foram detidos pela polícia israelita.

Também a residência de Daoud al-Ghoul, o director da Rede de Arte de Jerusalém (Shafaq), foi invadida e saqueada.

Os colonatos israelitas na Cisjordânia ocupada são ilegais à luz do direito internacional, inviabilizam a construção de um Estado Palestino contíguo e viável e são um obstáculo para a paz na região. Alteram significativamente a demografia da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental e são um forte entrave à mobilidade da população palestina. Apropriam-se de bens e recursos naturais e são focos de poluição das terras e fontes de água dos palestinos. Os colonos exercem recorrentemente violência sobre as populações palestinas e destroem as suas propriedades e culturas.

Para melhor compreender o que são os colonatos israelitas, como evoluíram, que impacte têm na vida dos palestinos, qual a sua legalidade e como comprometem uma solução pacífica para a Palestina, o MPPM preparou este pequeno filme, o primeiro de uma série em que o nos propomos abordar os aspectos essenciais da questão palestina.

O Essencial sobre a Questão Palestina: Os Colonatos
O Essencial sobre a Questão Palestina: Os Colonatos

Soldados israelitas destruíram ontem um posto de controlo anti-coronavírus criado pelas autoridades palestinas à entrada da cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia, a fim de conter a propagação da doença.

A agência Wafa noticiou que os soldados invadiram a cidade e o seu campo de refugiados para prender activistas quando eclodiram confrontos com residentes. Os soldados abriram fogo sobre os palestinos ferindo um na perna antes de deixarem a área depois de deterem duas pessoas e destruírem o posto de controlo sanitário.

Com toda a impunidade, Israel tem alienado as obrigações que o direito humanitário internacional lhe impõe, enquanto potência ocupante, no que respeita à saúde e bem-estar dos habitantes dos territórios ocupados. Mas, indo mais além que a omissão de socorro, Israel empenha-se em minar os esforços palestinos para combater a pandemia.

A Junta de Freguesia de Quinta do Anjo, na sua reunião de 15 de Julho, aprovou por unanimidade uma moção de solidariedade com o povo palestino e de condenação da anunciada anexação por Israel de território da Cisjordânia palestina. O executivo da Junta de Freguesia de Quinta do Anjo é composto por três eleitos da CDU e dois do PS.

Este é o texto da moção aprovada:

Moção

Contra a anexação da Cisjordânia por Israel

Causa perplexidade a notícia da reunião entre os Ministros da Ciência e Tecnologia de Portugal e de Israel, recentemente divulgada [1] , apontando para um estreitamento das relações entre as agências espaciais dos dois países, que culminaria na assinatura de um acordo de cooperação.

Entende-se que Israel, sujeito a uma generalizada condenação da comunidade internacional devido ao seu sistemático desrespeito do direito internacional e à anunciada anexação de vastas partes da Cisjordânia ocupada, acolha entusiasticamente todas as manifestações de «normalização» por parte de outros países.

Já custa a entender que, a confirmar-se a notícia, Portugal se preste a esse papel. Tratar-se-ia duma iniciativa grave por parte de um governo que até hoje não tomou uma posição formal de condenação dos planos do governo de Israel relativos à anexação de quase um terço da Cisjordânia.

Ministros dos Negócios Estrangeiros de vários países árabes advertiram ontem, durante uma reunião virtual organizada pela Jordânia, que a anexação por Israel do Vale do Jordão e dos colonatos ilegais na Cisjordânia ocupada iria incendiar o conflito e alimentar o extremismo, segundo noticia a agência Wafa.

«Rejeitamos a anexação de qualquer parte dos territórios palestinos ocupados, e alertamos para o perigo da anexação, que constitui uma violação do direito internacional e mina a solução de dois Estados, os fundamentos do processo de paz, bem como os esforços no sentido de uma paz justa e abrangente», lê-se na declaração conjunta.

Páginas

Subscreva Actualidade