Vida Associativa

O MPPM tomou conhecimento, com pesar, do falecimento de Francisco Braz, que entre 1989 e 2015 foi Presidente do STAL, Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional e que actualmente presidia à Mesa da Assembleia Geral, e que foi membro do Conselho Nacional da CGTP-IN e da sua Comissão Executiva, entre 1989 e 2012.

No longo e intenso percurso de intervenção cívica de Francisco Braz conta-se também a solidariedade activa com a causa do Povo Palestino e com o movimento de solidariedade que em Portugal a defende e promove.

Uma solidariedade concreta e permanente que o MPPM conheceu de perto e que muito estima e valoriza.

Neste momento de tristeza e dor, o MPPM exprime à família e amigos de Francisco Braz, bem como ao STAL e à CGTP-IN, o seu profundo pesar.

Há 10 anos o povo palestino perdeu, em José Saramago, um amigo e defensor incondicional dos seus direitos.  Militante de longa data da causa palestina, esteve na génese da criação do MPPM e presidiu à Mesa da Assembleia Geral até ao seu falecimento. São conhecidas as suas posições públicas sobre a questão palestina e a forma desassombrada como as expressava, sem se inibir de denunciar quem considerava que era responsável pela situação do povo palestino ou que lhe estava a faltar com a solidariedade que lhe seria devida.

Evocamos hoje a memória de José Saramago, divulgando a mensagem que enviou à assembleia fundadora do MPPM, em 23 de Fevereiro de 2008. Reconhece-se neste texto o seu estilo empenhado e lúcido. Não se nota que foi escrito há 12 anos.

A actriz Maria do Céu Guerra, presidente do MPPM, foi galardoada com o prémio «Actress of Europe — 2019» pelo Festival Internacional de Teatro.

Maria do Céu Guerra receberá o prémio no sábado, na abertura do festival, que decorrerá no Lago de Prespa, nos Balcãs, na fronteira entre a Macedónia, a Albânia e a Grécia.

O prémio de honra «Actress of Europe» é atribuído desde 2003 para reconhecer o percurso artístico de uma personalidade do teatro e o contributo criativo para a memória colectiva da civilização europeia, lê-se na página oficial do festival.

Trata-se de um justíssimo reconhecimento da sua luta incansável pela dignificação do teatro — e da cultura — em Portugal, quer enquanto actriz quer como autora, encenadora ou gestora, e isto sem nunca trair os princípios que sempre a orientaram.

Maria Vitória Vaz Pato, aderente do MPPM, sócia e ex-aluna da Sociedade Nacional de Belas Artes, dedicou a sua quarta Exposição de Pintura Solidária à causa da Palestina.

A exposição esteve patente ao público no átrio do edifício principal do Hospital Júlio de Matos entre 22 de Fevereiro e 8 de Março. Tanto a inauguração como o encerramento foram pretexto para se conviver e falar da questão palestina.

A artista esteve agora reunida com a Direcção Nacional do MPPM a quem fez a entrega do proveito da exposição e ainda a oferta de uma das telas expostas intitulada «Faixa de Gaza».

Em nome do MPPM, o vice-presidente Carlos Almeida agradeceu, não só a generosa contribuição para a actividade da nossa associação, como o ter proporcionado um espaço em que foi possível criar sensibilidade para a causa do povo palestino. 

A grande actriz e encenadora Maria do Céu Guerra foi distinguida com o Prémio Vasco Graça Moura — Cidadania Cultural.

O júri revelou que a galardoada foi escolhida «por se ter destacado, ao longo da vida, numa prática de cidadania cultural, enquanto actriz, que levou à cena e por diferentes modos divulgou os grandes textos da literatura portuguesa e, nessa intervenção, que manteve em A Barraca como núcleo de irradiação cultural».

O MPPM felicita calorosamente Maria do Céu Guerra por mais este importante reconhecimento do seu trabalho, congratula-se por ter como presidente uma figura tão destacada e unanimemente reconhecida da cultura em Portugal e saúda a sua voz livre que durante décadas tanto se tem empenhado na defesa da liberdade do povo palestino.

Parabéns, Maria do Céu!

A Direcção Nacional do MPPM cumpre o doloroso dever de dar conhecimento público do falecimento, hoje, de um dos seus membros, Vitor Pedro da Glória Silva. Militante antifascista, dirigente sindical, dirigente associativo, activista e dirigente do movimento da paz, activista do movimento pela defesa da água pública, Vítor Silva nasceu a 6 de Maio de 1937 e deixa um legado pleno de lutador incansável entregue à causa da liberdade, da solidariedade e da emancipação dos povos vítimas de injustiças e opressão.

O Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM) constituiu-se como associação sem fins lucrativos em 9 de Agosto de 2007 e teve os seus primeiros órgãos sociais eleitos em Assembleia Geral realizada em 23 de Fevereiro de 2008. José Saramago, Prémio Nobel de Literatura, foi o primeiro presidente da Assembleia Geral. Após o seu falecimento, foram sucessivamente eleitos para o cargo José Neves e Carlos Araújo Sequeira. A primeira Direcção Nacional foi co-presidida por Isabel Allegro Magalhães e Mário Ruivo. Maria do Céu Guerra é a presidente do MPPM desde 2010. Na presidência do Conselho Fiscal está Frederico Gama Carvalho, desde o início.

Indissociavelmente ligado à constituição do MPPM e à sua actividade nos anos subsequentes esteve Silas Cerqueira, figura incontornável do Movimento da Paz em Portugal, militante, dirigente e académico prestigiado internacionalmente, defensor activo da causa do povo palestino.

O MPPM recebe com pesar a notícia do falecimento de Mário Ruivo, cientista de renome internacional, lutador antifascista e defensor da causa palestina.
 
Mário Ruivo esteve associado à criação do MPPM, integrou a sua Comissão Promotora e foi o primeiro co-Presidente da Direcção Nacional (com Isabel Allegro Magalhães), no biénio 2008-2010.
 
Silas Cerqueira
No dia 29 de Novembro, a anteceder a sessão comemorativa do Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, realizada na Casa do Alentejo, em Lisboa, o MPPM prestou uma singela mas merecida homenagem a Silas Cerqueira. Figura incontornável do Movimento da Paz em Portugal, militante, dirigente e académico prestigiado internacionalmente, Silas Cerqueira foi um defensor activo da causa do povo palestino, estando na génese da constituição do MPPM.
O vídeo que foi apresentado nessa sessão, e que aqui divulgamos, traça uma síntese, necessariamente breve, do que foi a actividade de Silas Cerqueira, das grandes iniciativas que dinamizou e do papel influente que teve na acção do MPPM. O perfil de Silas Cerqueira é esboçado por cinco individualidades que com ele conviveram, cujos testemunhos podem ser lidos na íntegra mais adiante. A lucidez e pertinência do pensamento de Silas Cerqueira são ilustrados com extractos de intervenções suas.
Silas Cerqueira - Vida e Obra
Silas Cerqueira - Vida e Obra
No dia 29 de Novembro de 2016, a anteceder a sessão comemorativa do Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, realizada na casa do Alentejo, em Lisboa, o MPPM prestou uma singela mas merecida homenagem a Silas Cerqueira, recentemente falecido. 
Figura incontornável do Movimento da Paz em Portugal, militante, dirigente e académico prestigiado internacionalmente, Silas Cerqueira foi um defensor activo da causa do povo palestino, estando na génese da constituição do MPPM.
Silas Cerqueira (1929-2016) - Vida e Obra
Silas Cerqueira (1929-2016) - Vida e Obra

Páginas

Subscreva Vida Associativa