Solidariedade Internacional

Em 18 de Dezembro de 2021 - Dia Internacional dos Migrantes, enquanto movimentos e organizações que lutam por um Mundo Sem Muros, emitimos a nossa segunda Carta Urgente para denunciar declarações ocas de preocupação e exigir repensares e acções radicais.

86 redes, movimentos e organizações de todo o mundo aderiram ao apelo.

Exigimos para as pessoas o direito de ficar com dignidade e justiça nos seus países de origem, o direito de mudar, sempre que a isso são forçadas, para países de acolhimento, protegidas e respeitadas, e o direito de regressar ao local de onde tiveram de fugir.

Hisham Abu Hawash está em risco de vida após 117 dias consecutivos em greve de fome como protesto contra a sua detenção prolongada e sem acusação pela autoridade militar israelita. Encontra-se na clínica prisional de Ramle e a ocupação recusa-se a transferi-lo para um hospital, sob pretexto de que a sua saúde é demasiado frágil.

O advogado da Associação de Prisioneiros Palestinos, Jawad Boulus, apresentou uma petição ao tribunal de recurso militar israelita para libertar Abu Hawwash, mas o tribunal continua a adiar uma decisão, apesar da rápida deterioração do seu estado de saúde.

Respondendo a um apelo de vinte organizações, com o MPPM, o CPPC e a CGTP-IN como primeiros promotores, centenas de pessoas reuniram-se na Praça Luís de Camões, em Lisboa, para assinalar o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino.

Agitando bandeiras da Palestina ou empunhando cartazes reclamando o Fim do Muro do Apartheid, o Fim da Ocupação, Liberdade para os Presos Palestinos ou o Direito ao Retorno dos Refugiados, os manifestantes gritavam a sua certeza de que a Palestina Vencerá!

Não faltou uma componente internacional, com cartazes como “Where Are You, EU?”, “It Is Not About Being Anti-Semitic, It Is About Being Pro-Human Rights” ou “Free Palestine, End Apartheid”.

Registaram-se intervenções de Eduardo Lima, pelo CPPC, João Coelho, pela CGTP-IN, e Carlos Almeida, pelo MPPM.

Este é o texto da intervenção de Carlos Almeida:

Caras amigas

Caros amigos,

Numa iniciativa conjunta do CPPC, CGTP-IN e MPPM, a que aderiram outras organizações, muitas dezenas de pessoas concentraram-se na Praça da Palestina, no Porto, para assinalar o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino.

Foram ouvidas comunicações de Maria Spínola, Cristina Nogueira (CGTP-IN), José António Gomes (MPPM) e Ilda Figueiredo (CPPC).

As intervenções sublinharam a urgência de dizer não à agressão, à ocupação e à humilhação por parte de Israel que continua a desrespeitar o direito Internacional e os direitos do Povo Palestino, e exigiram ao Governo português e a todos os governos, que cumpram o que proclamam e prometem, pondo fim à conivência.

Considerou-se que o governo português tem a obrigação de reconhecer o Estado da Palestina e condenar os crimes de Israel, com a certeza de que a Palestina Vencerá!
 

Dezoito ambulâncias entraram ontem na Faixa de Gaza através do posto fronteiriço de Rafah, enquanto outras nove aguardam aprovação egípcia para atravessar a fronteira, constituindo no seu conjunto um dos maiores comboios humanitários de novas ambulâncias a romper o duro bloqueio de Gaza, que dura há 14 anos.

As 27 ambulâncias novas, totalmente equipadas, foram adquiridas graças ao patrocínio de organizações da sociedade civil de dezenas de países de todo o mundo e fazem parte de uma missão de solidariedade internacional para ajudar a reerguer os serviços de saúde do enclave sitiado, devastado pelo cerco de Israel e pelos recorrentes e brutais bombardeamentos.

O coordenador dos comboios de solidariedade Miles of Smiles, Dr. Essam Yousef, disse: «Em meu nome e no dos meus colegas dos comboios Miles of Smiles gostaria de estender a todos a nossa sincera gratidão pela solidariedade que têm dado ao nosso povo da Palestina».

Enquanto os governos se reúnem na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas COP26 em Glasgow - Escócia, fazemos eco das pessoas e movimentos em todo o mundo que exigem soluções reais e urgentes, com base no entendimento de que a crise climática não pode ser enfrentada sem justiça climática, social e económica.

A crise climática é o resultado de séculos de conquista colonial e da exploração capitalista dos povos e do planeta que permitiu às nações desenvolvidas e às empresas transnacionais acumular riqueza, influência e um nível desastroso de emissões de gases com efeito de estufa.

Em vez de corrigir estes erros, procuram fugir à responsabilidade, promovendo "falsas soluções" que perpetuam um mundo de desigualdades, opressão, destruição e, em última análise, morte. Enquanto movimentos que se juntaram na iniciativa por um Mundo sem Muros, denunciamos estas falsas soluções.

A Federação Mundial dos Trabalhadores Científicos (FMTC) tornou pública uma declaração em que exprime «emoção e preocupação» com os recentes acontecimentos na Palestina e em Israel.

É o seguinte o teor da declaração divulgada pela Organização de Trabalhadores Científicos, um dos membros portugueses da FMTC:

O drama palestino: justiça, paz verdadeira e direito internacional

Os recentes acontecimentos na Palestina e em Israel suscitaram emoção e preocupação muito para lá da região onde ocorreram. Embora a FMTC seja uma organização mundial dedicada ao papel da ciência e à responsabilidade social dos cientistas, não pode ficar indiferente ao que aconteceu nem às tragédias futuras se nada for melhorado.

Silas Cerqueira com Yasser Arafat na Conferência  Mundial de Solidariedade com o Povo Árabe e a sua Causa Central: a Palestina, Lisboa, 2 a 6 de Novembro de 1979

Silas Cerqueira faleceu em 22 de Agosto de 2016, mas a sua obra, o seu exemplo, e a sua firme determinação estão vivos nos activistas e nas organizações que, em Portugal, continuam a pugnar pela causa da Paz, em geral, e pelos direitos do Povo Palestino, em particular.

Na data, o MPPM assinalou o falecimento de Silas Cerqueira com um Comunicado em que recordava a sua militância pelas causas da paz e da solidariedade com os povos em luta pela sua emancipação.

Cento e sessenta investigadores de 21 países, entre os quais Portugal, exortam a União Europeia a excluir dos seus programas de investigação, financiados pelos contribuintes europeus, todas as instituições académicas israelitas que sejam cúmplices das graves violações do direito internacional e dos direitos humanos palestinos por parte de Israel.

Os académicos são beneficiários passados e presentes de alguns dos mais prestigiados programas de financiamento de investigação da União Europeia, incluindo o Conselho Europeu de Investigação e o Marie Skłodowska Curie Fellowship.

A Ben & Jerry's anunciou ontem, segunda-feira, que deixará de vender os seus gelados no Território Palestino Ocupado, no que é considerado outra grande vitória para o movimento do Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS).

A empresa divulgou um comunicado em que afirma: «Acreditamos que é inconsistente com os nossos valores a venda de gelados Ben & Jerry's no Território Palestino Ocupado (OPT). Também ouvimos e reconhecemos as preocupações partilhadas connosco pelos nossos fãs e parceiros de confiança.»

Por razões contratuais, a medida só terá efeito no final do próximo ano: «Temos uma parceria de longa data com o nosso licenciado, que fabrica os gelados Ben & Jerry's em Israel e os distribui na região. (…) Informámos o nosso licenciado que não renovaremos o acordo de licença quando este expirar no final do próximo ano.»

Páginas

Subscreva Solidariedade Internacional