Solidariedade Internacional

O antigo barco de pesca Handala, que faz parte da Flotilha da Liberdade, saiu no dia 1 de Maio de Oslo (Noruega) e parou em portos europeus na Noruega, Suécia, Dinamarca, Alemanha e Países Baixos e está a atravessar a Europa a caminho de quebrar o bloqueio ilegal de Gaza, onde deverá chegar em meados de Agosto. Nas escalas as comunidades locais organizam eventos educativos e de solidariedade para divulgar a Flotilha e a situação na Palestina.

Noruega | Oslo (1 de Maio)

O Handala zarpou de Langkaia, em Oslo, no dia 1 de Maio, na sua viagem de solidariedade rumo a Gaza. Centenas de pessoas compareceram à despedida. A chegada do Handala a Gaza está prevista para meados de Agosto e será um presente para os pescadores de Gaza como contributo para a reconstrução da sua frota de pesca.

A exposição «A Questão Palestina: O Essencial», concebida e produzida pelo MPPM, esteve presente ao público em Lisboa, na B.O.T.A. (Base Organizada da Toca das Artes), entre 13 e 22 de Maio.
 
A Exposição procura transmitir algo do essencial sobre a Questão Palestina, despertando no visitante o interesse por querer saber mais sobre um drama que pesa fortemente na consciência da comunidade internacional.
 
Nos 12 painéis que compõem a exposição, são abrangidos temas como a ocupação do território, a Nakba e os refugiados, o apartheid israelita, o Muro e os colonatos, Gaza e Jerusalém, os presos palestinos, a resistência e a solidariedade internacional.
 

O MPPM associou-se ao acto público de solidariedade com a Palestina que a comunidade brasileira em Portugal organizou no Largo do Intendente, em Lisboa, na tarde de sábado 18 de Maio.

A iniciativa pela Paz, em defesa do povo palestino, contra o genocídio em Gaza e por um cessar-fogo imediato, partiu do impulso de diversos Núcleos do PT (Partido dos Trabalhadores) no exterior a que aderiram várias organizações, movimentos e partidos brasileiros, incluindo PT, PCdoB, PSOL, FEPAL, CEBRAPAZ, MST, CUT Brasil, FIBRA, Comités Populares de Luta e Comités pela Palestina.

Carlos Almeida interveio em representação do MPPM.

1. O genocídio israelita na Palestina prossegue de forma implacável. Violando a Resolução 2728 do Conselho de Segurança da ONU, de 25 de Março, Israel não acatou o cessar-fogo, nem permitiu a livre entrada de ajuda humanitária em Gaza. Pelo contrário, Israel prossegue com bombardeamentos em todo o território da Faixa de Gaza, e ameaça lançar uma ofensiva terrestre sobre a cidade de Rafah, onde se concentra hoje a maioria da população desalojada da Faixa de Gaza que, segundo números da ONU, totaliza um milhão e setecentas mil pessoas.

É difícil mantermos a nossa bússola moral quando a sociedade a que pertencemos — tanto os líderes como os meios de comunicação social — assume uma posição de superioridade moral e espera que partilhemos com ela a mesma fúria virtuosa com que reagiu aos acontecimentos do passado sábado, 7 de Outubro.

Só há uma maneira de resistir à tentação de aderir a essa narrativa: ter compreendido, em algum momento da nossa vida — mesmo como cidadãos judeus de Israel —, a natureza colonial do sionismo e ter ficado horrorizado com as suas políticas contra o povo autóctone da Palestina.

Uma iniciativa internacional pôs pessoas de todo o mundo a nadar com as crianças de Gaza neste sábado, 26 de Agosto. Em Portugal, a iniciativa teve lugar nesse dia na Praia de Carcavelos, dando sequencia a outro evento promovido pelo MPPM na Praia de Melides em 22 de Julho.

Desde 2007 que os habitantes de Gaza estão presos num férreo bloqueio. Não têm parques, nem montanhas, nem vales, mas têm a praia, o seu único espaço livre para lazer. Por isso, todos os anos, no final de Setembro, realizam um festival de natação na praia de Gaza.

Este ano, o Carnaval de Natação de Gaza realizou-se mais cedo, a 26 de Agosto, para coincidir com uma grande iniciativa internacional. A ideia foi do Paul O’Brian, da Palestine Solidarity Campaign, que convidou pessoas e organizações em todo o mundo a solidarizarem-se com as crianças palestinas, nesse dia, dando um mergulho no mar, num rio ou numa piscina e partilhando com elas os seus vídeos ou fotografias.

Solidariedade com as crianças de Gaza na Praia de Carcavelos
Solidariedade com as crianças de Gaza na Praia de Carcavelos
Reportagem da Al Jazeera sobre a campanha Swim With Gaza
Reportagem da Al Jazeera sobre a campanha Swim With Gaza

Handala, a embarcação da Freedom Flotilla Coalition (Coligação Flotilha da Liberdade) que no próximo ano vai navegar até Gaza, completou a sua digressão de mais de dois meses pelo Norte da Europa para sensibilizar as populações para a sua missão.

Depois de deixar Roterdão em 29 de Julho, em 1 de Agosto estava em Hamburgo (Alemanha). A tripulação recebeu muitos visitantes a bordo, incluindo cinco senhoras palestinas que levaram comida palestina. No dia seguinte a tripulação esteve na universidade, onde a sua apresentação da missão foi muito bem acolhida.

Na sexta-feira 4 de Agosto o Handala saiu de Hamburgo para Copenhaga (Dinamarca), onde chegou dois dias depois.

A Freedom Flotilla Coalition / Coligação Flotilha da Liberdade (FFC) é composta por iniciativas e organizações da sociedade civil de vários países e tem vindo a desafiar o bloqueio ilegal e desumano que Israel exerce sobre Gaza com viagens sucessivas desde 2010. Em 2023 a FFC navega no Norte da Europa preparando-se para, em 2024, navegar até Gaza.

Onze organizações de direitos humanos de Israel escreveram ao Secretário-Geral das Nações Unidas apelando a que não promova a definição de anti-semitismo da IHRA, associando-se assim a centenas de pessoas e organizações que têm denunciado aquela definição e os os seus exemplos práticos como uma arma para criminalizar as críticas a Israel.

Este é o texto da carta das onze organizações:

«Como organizações de direitos humanos sediadas em Israel, que se esforçam para promover e proteger os direitos de todas as pessoas em Israel e no Território Palestino Ocupado, lamentamos e rejeitamos a crescente pressão sobre as Nações Unidas para adoptar e aplicar a Definição de Trabalho de Anti-semitismo da IHRA.

Falando na sessão de Alto Nível com que a ONU assinalou o 75º aniversário da Nakba, o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, instou a organização mundial a suspender Israel a menos que este ponha termo à sua agressão contra os palestinos e aplique as resoluções da Assembleia Geral que estabelecem Estados israelitas e palestinos separados, bem como o regresso dos refugiados palestinos.

Páginas

Subscreva Solidariedade Internacional