Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

O antigo barco de pesca Handala, que faz parte da Flotilha da Liberdade, saiu no dia 1 de Maio de Oslo (Noruega) e parou em portos europeus na Noruega, Suécia, Dinamarca, Alemanha e Países Baixos e está a atravessar a Europa a caminho de quebrar o bloqueio ilegal de Gaza, onde deverá chegar em meados de Agosto. Nas escalas as comunidades locais organizam eventos educativos e de solidariedade para divulgar a Flotilha e a situação na Palestina.

Noruega | Oslo (1 de Maio)

O Handala zarpou de Langkaia, em Oslo, no dia 1 de Maio, na sua viagem de solidariedade rumo a Gaza. Centenas de pessoas compareceram à despedida. A chegada do Handala a Gaza está prevista para meados de Agosto e será um presente para os pescadores de Gaza como contributo para a reconstrução da sua frota de pesca.

A exposição «A Questão Palestina: O Essencial», concebida e produzida pelo MPPM, esteve presente ao público em Lisboa, na B.O.T.A. (Base Organizada da Toca das Artes), entre 13 e 22 de Maio.
 
A Exposição procura transmitir algo do essencial sobre a Questão Palestina, despertando no visitante o interesse por querer saber mais sobre um drama que pesa fortemente na consciência da comunidade internacional.
 
Nos 12 painéis que compõem a exposição, são abrangidos temas como a ocupação do território, a Nakba e os refugiados, o apartheid israelita, o Muro e os colonatos, Gaza e Jerusalém, os presos palestinos, a resistência e a solidariedade internacional.
 

O MPPM participou na Vigília pela Palestina convocada pela PUSP – Plataforma Unitária de Solidariedade com a Palestina – para assinalar o 76º aniversário da Nakba, a catástrofe que, em 1948, deu início à limpeza étnica dos palestinos e à ocupação das suas terras por parte de Israel.

O evento teve lugar no Jardim Amélia Carvalheira, na Avenida Marquês de Tomar, em Lisboa, no passado dia 15 de Maio, e a localização foi escolhida pela proximidade da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa para expressar também apoio aos estudantes que ocupavam a faculdade em solidariedade com a Palestina.

Carlos Almeida interveio em representação do MPPM.

Ao assinalar o 76º aniversário da Nakba de 1948, e enquanto decorre uma nova Nakba almejando completar a limpeza étnica iniciada há mais de três quartos de século, o MPPM exige que se ponha fim à barbárie israelita e se salde a dívida internacional para com o povo palestino.

Todos os anos assinala-se a 15 de Maio o Dia da Nakba, da Catástrofe, da limpeza étnica do povo palestino que, seguindo um plano que começou a ser concretizado antes ainda dessa data, se intensificou a partir da criação, em 1948, do Estado de Israel. Nas semanas e meses seguintes, o terror sionista expulsou cerca de 800 000 palestinos das suas casas, das suas aldeias, dos seus bairros e das suas terras.

A FENPROF – Federação Nacional dos Professores – divulgou uma carta aberta dirigida aos Reitores das Universidades e Presidentes dos Institutos Politécnicos em que apela a «um embargo urgente às relações das instituições por [eles] tuteladas com firmas e instituições israelitas, bem como à implementação de programas de apoio a académicos palestinianos que cheguem a Portugal na condição de refugiados».

Começando por referir que a «situação humanitária que se vive atualmente na Faixa de Gaza é catastrófica, não parando ainda assim de se agudizar diariamente», a FENPROF considera que a situação «exige o envolvimento de todos os agentes, mesmo os que são testemunhas distantes como as instituições de ensino superior portuguesas».

Na tarde de sábado, 11 de Maio, à semelhança do que vem acontecendo em várias cidades do país, por iniciativa do CPPC, da CGTP-IN, do MPPM e do Projecto Ruído, realizou-se em Torres Novas uma acção pela Paz no Mundo, por uma Palestina Livre, dizendo Não à Guerra!

Numa concentração no Jardim das Rosas, exigiu-se o fim do genocídio do povo palestino e um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza. Defendeu-se uma Palestina livre e independente, condenou-se a corrida aos armamentos e apelou-se ao prosseguimento da luta pela Paz no Mundo.

Nesta concentração, os participantes afixaram bandeiras pela Paz no Mundo e na Palestina, e, para além das intervenções em representação das organizações promotoras, houve ainda um testemunho da familiar de um cidadão palestino.

Em Coimbra, ao final da tarde desta quarta-feira dia 8 de Maio, algumas centenas de pessoas manifestaram-se pela Paz no Mundo, por uma Palestina Livre e por um rotundo Não à Guerra!

Convocados pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), pelo Movimento Pelos Direitos do Povo Palestino e Pela Paz no Médio Oriente (MPPM), pela União dos Sindicatos de Coimbra/CGTP-IN e pelo Projecto Ruído - Associação Juvenil, foram na sua maioria jovens que desfilaram desde a margem esquerda da Ponte de Santa Clara atravessaram a Praça da Portagem e seguiram pela ruas Ferreira Borges e Visconde da Luz até à Praça 8 de Maio.

Transportaram panos do Núcleo de Coimbra do CPPC e do Núcleo de Coimbra do MPPM, assim como dezenas de bandeiras de ambas as organizações, bem como imensas pancartas de apoio ao Povo Palestino e de protesto contra a agressão do Estado de Israel.

No dia 6 de Maio, na Biblioteca Municipal de Gaia, procedeu-se ao lançamento do livro «Encontro pela Paz: Nos 50 anos do 25 de Abril, pela Paz todos não somos demais», edição do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC). A obra colige todas as intervenções feitas no extraordinário Encontro pela Paz de 28 de Outubro de 2023 que reuniu mais de 800 pessoas no Pavilhão Municipal de Oliveira do Douro e que, para a sua concretização, contou com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

Presentes na Biblioteca representantes de várias associações e movimentos co-organizadores deste histórico Encontro. Na mesa, Ilda Figueiredo, Presidente da Direcção Nacional do CPPC, a vereadora da cultura da C.M. de V. N. de Gaia, Paula Carvalhal, e José António Gomes, membro da Direcção Nacional do MPPM.

Na Escola Superior de Educação (a ESE) do Politécnico do Porto, foi inaugurada no passado dia 22 de Abril, ficando patente até 20 de Maio, a exposição de cartazes «Ilustração e resistência. Ilustradores pelo cessar-fogo em Gaza e pela Paz», representativa do trabalho artístico solidário de alguns dos melhores ilustradores portugueses da actualidade. 

A apresentação no local esteve a cargo da ilustradora Ana Biscaia e da professora Ana Cristina Macedo e foi feita em inglês, no auditório da ESE, para um público de investigadores em educação e de professores de diferentes países europeus, participantes na InterNet Working Conference, que teve lugar na ESE.

A exposição surgiu igualmente integrada no programa de comemorações «Abril na ESE», que decorreu até 30 de Abril e ficará aberta ao público, no átrio da ESE do Porto (Rua Dr. Roberto Frias, 602 4200-465 Porto, Pólo Universitário da Asprela, estação do metro mais próxima: Hospital de S. João).

1. O genocídio israelita na Palestina prossegue de forma implacável. Violando a Resolução 2728 do Conselho de Segurança da ONU, de 25 de Março, Israel não acatou o cessar-fogo, nem permitiu a livre entrada de ajuda humanitária em Gaza. Pelo contrário, Israel prossegue com bombardeamentos em todo o território da Faixa de Gaza, e ameaça lançar uma ofensiva terrestre sobre a cidade de Rafah, onde se concentra hoje a maioria da população desalojada da Faixa de Gaza que, segundo números da ONU, totaliza um milhão e setecentas mil pessoas.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas