Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

As autoridades de ocupação israelitas causaram a destruição de 100 000 zaragatoas de teste do coronavírus destinados aos territórios palestinos ocupados, declarou hoje a Ministra da Saúde Mai Alkaila em declarações à Voz da Palestina.

A ministra confirmou que as autoridades israelitas obstruíram a entrada de 100 000 zaragatoas oriundas da Jordânia, há alguns dias, causando a sua destruição, não obstante a entrada das zaragatoas ter sido coordenada com as Nações Unidas.

Como resultado, existe agora uma escassez de zaragatoas na Palestina, uma vez as reservas existentes seriam suficientes para realizar testes durante apenas três dias. Isto vai obrigar a condicionar a realização de testes, restringindo-os aos contactos próximos de doentes confirmados ou prováveis de COVID-19.

Hoje, em Jenin um dentista palestino morreu de ataque cardíaco na sequência de disparos pelas forças de segurança israelitas. Hoje, em Belém dois irmãos foram barbaramente agredidos por colonos judeus. Hoje, em Kafr Qaddum, vários palestinos foram feridos por balas revestidas de borracha do exército israelita. Hoje, não aconteceu nada de novo na Cisjordânia ocupada.

Nedal Mohammad Jabarin, dentista, 54 anos, morreu de ataque cardíaco após as forças de ocupação israelitas terem disparado granadas atordoantes contra civis palestinos perto do posto de controlo de Barta'a, a sudoeste de Jenin. Foi levado de urgência para o Hospital Khalil Sulaiman, na sua cidade natal de Jenin, no Norte da Cisjordânia ocupada, onde foi declarado morto alguns minutos mais tarde.

Horas depois de o colono judeu Amiram Ben Uliel ter sido condenado, na passada segunda-feira, a três penas de prisão perpétua mais 20 anos pelo triplo assassinato de uma família palestina, Yair Netanyahu, o filho do primeiro-ministro de Israel, criticou violentamente a condenação e endossou a ligação para uma página de financiamento do apoio jurídico a Ben Uliel.

Ben Uliel matou três membros da família Dawabsha na aldeia palestina de Duma, perto de Nablus, pegando fogo à casa da família, na noite de 30 de Julho de 2015. O ataque incendiário matou imediatamente o bebé Ali Dawabsheh, de 18 meses de idade. A sua mãe, Riham, e o seu pai, Saad, morreram mais tarde em consequência dos ferimentos. O outro filho do casal, Ahmad, de quatro anos, sobreviveu com terríveis queimaduras e cicatrizes.

Duas casas de palestinos foram demolidas, em Jerusalém Oriental (ilegalmente ocupada por Israel desde 1967), na passada semana, juntando-se a outras 17 que já tinham sido demolidas desde o início do mês de Agosto, deixando mais de uma centena de pessoas sem abrigo.

Segundo um responsável palestino de Jerusalém Oriental, 18 000 habitações palestinas estão em risco de demolição e já terão sido emitidas neste ano de 2020, 650 ordens de demolição que podem ser executadas a qualquer momento.

O surto de Covid-19 não deteve as autoridades israelitas, que avançam com as demolições sem qualquer contemplação para com a segurança das populações afectadas.

Especialmente visados são os habitantes de Jerusalém Oriental e as comunidades beduínas e, em geral, tudo o que esteja no caminho da expansão dos colonatos ilegais instalados na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Pela décima noite consecutiva Israel sujeitou a Faixa de Gaza a bombardeamentos pela artilharia e pela aviação. Embora haja vários feridos, não se registaram, até ao momento, vítimas mortais. No entanto, foram causados avultados danos materiais e há um pânico generalizado na população.

Israel argumenta que está a retaliar ao envio de balões incendiários, a partir da Gaza, para povoações israelitas vizinhas e alega que só está a atacar alvos do Hamas. No entanto, estão documentados danos em habitações e até numa escola da UNRWA.

Israel e os Emirados Árabes Unidos concordaram, na passada quinta-feira, em normalizar as suas relações num acordo mediado pelo Presidente dos EUA. O acordo surgiu após uma conferência telefónica entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o Primeiro Ministro israelita, Benjamin Netanyahu e o Xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi.

Os Emirados Árabes Unidos tornaram-se o primeiro país do Golfo Arábico a alcançar um acordo sobre a normalização das relações com Israel, culminando anos de contactos discretos entre os dois países no comércio e na tecnologia.

Aviões de guerra e artilharia israelita atacaram alvos na Faixa de Gaza esta manhã cedo, enquanto os direitos de pesca dos habitantes de Gaza foram drasticamente reduzidos, informou a agência noticiosa palestina WAFA.

Um avião de guerra israelita disparou dois mísseis contra um local a leste da cidade de Gaza, na Faixa de Gaza setentrional, causando pesados danos no local e nos edifícios vizinhos, mas sem danos corporais.

Outro avião de combate disparou dois mísseis em terras agrícolas a leste de Beit Hanoun, também a norte, causando um buraco profundo no solo, e dois outros mísseis num local a leste de Rafah, na Faixa de Gaza meridional, causando danos materiais.

A artilharia israelita também bombardeou um local a leste de Deir al-Balah, na Faixa de Gaza central, causando pesados danos ao local e às propriedades vizinhas.

As autoridades de ocupação israelitas vão demolir toda uma aldeia palestina, no norte da Cisjordânia, deslocando mais de 200 pessoas.

Mahmoud Amarneh, chefe do conselho da aldeia de Farasin, a oeste de Jenin, disse à agência noticiosa Wafa que as forças de ocupação israelitas invadiram a aldeia na manhã desta quarta-feira e entregaram 36 ordens de demolição para todas as estruturas e poços de água da aldeia onde vivem 200 pessoas.

Os militares disseram aos residentes que a demolição terá lugar dentro de poucos dias. O governo de ocupação israelita quer tomar conta da aldeia a fim de expandir os colonatos ilegais construídos naquela área.

A aldeia tem um poço com 200 anos e vários edifícios antigos, disse Amarneh, exortando a intervenção internacional para evitar que Israel cometa um massacre na aldeia.

Mais de 60 animais morreram esta manhã envenenados por colonos israelitas extremistas na cidade de Al-Auja, a norte de Jericó, no Vale do Jordão.

Segundo a agência Wafa, um grupo de habitantes do colonato de Seima pulverizou veneno nos terrenos onde o gado pastava. Sessenta animais já morreram, mas um responsável do município de Al-Auja disse que era altamente provável que o número aumentasse, uma vez que parte do gado restante ainda se encontrava em estado crítico.

A violência dos colonos contra os palestinos e os seus bens é rotineira na Cisjordânia e raramente é sancionada pelas autoridades israelitas.

A violência dos colonos inclui, além de agressões pessoais, fogo posto em prédios e mesquitas, lançamento de pedras, destruição de culturas e oliveiras, ataques a habitações e automóveis, entre outros.

Colonos israelitas incendiaram esta manhã cedo uma mesquita na cidade de al-Bireh, próximo de Ramala, e pintaram graffiti racistas nas suas paredes, segundo noticia a agência Wafa.

Os vândalos, vindos do vizinho colonato ilegal de Psagot, entraram furtivamente na cidade durante a noite, cobriram as paredes da mesquita com inscrições racistas e incendiaram-na.

«Condenamos veementemente o ataque incendiário à mesquita cometido esta manhã por um grupo de colonos israelitas. Os colonos, que vieram de um colonato israelita ilegal próximo, invadiram a cidade palestina de Al-Bireh durante o amanhecer e atearam fogo à Mesquita Al-Bir Wal-Ihsan e escreveram calúnias racistas e odiosas», declarou Hanan Ashrawi, membro do Comité Executivo da OLP, num comunicado de imprensa.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas