Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

Dezenas de palestinos da Faixa de Gaza foram feridos na tarde de sexta-feira pelas forças de ocupação israelitas, que abriram fogo contra os manifestantes que participavam na Grande Marcha do Retorno.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que 15 palestinos foram feridos por munições reais e bombas de gás lacrimogéneo disparadas pelas forças israelitas. Entre os feridos encontravam-se sete jornalistas e paramédicos palestinos.

Milhares de palestinos manifestaram-se pela 41.ª semana consecutiva junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza. As manifestações da Grande Marcha do Retorno iniciaram-se em 30 de Março de 2018 para exigir o direito de retorno dos refugiados e o fim do bloqueio à Faixa de Gaza. Desde o início dos protestos, o exército de ocupação israelita matou 256 palestinos e feriu mais de 25 000.

O ministro da Segurança Pública de Israel, Gilad Erdan, apresentou hoje, quarta-feira, planos para piorar as condições dos presos políticos palestinos nas prisões israelitas. Entre as medidas anunciadas contam-se o racionamento da água, incluindo a limitação dos duches, a limitação do acesso de presos à televisão, o bloqueio das verbas provenientes da Autoridade Palestina, a redução da autonomia dos presos e o fim da separação entre presos do Hamas e da Fatah, movimentos políticos rivais, e a redução do número de visitas familiares. Erdan declarou que as visitas familiares já haviam sido interrompidas para os presos pertencentes ao Hamas.

Um total de 295 palestinos foram mortos e mais de 29 000 foram feridos em 2018 pelas forças israelitas, informa o OCHA (Escritório das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários) num relatório divulgado no final da semana passada.

Trata-se do maior número de mortos num único ano desde a agressão israelita à Faixa de Gaza em 2014 (a chamada «Operação Margem Protectora») e o maior número de feridos registados desde que em 2005 o OCHA começou a documentar as baixas nos territórios palestinos ocupados (TPO).

Cerca de 61% das mortes (180 pessoas) e 79% dos ferimentos (mais de 23.000) ocorreram no contexto das manifestações da Grande Marcha do Retorno (iniciada em 30 de Março), junto à vedação com que Israel encerra a Faixa de Gaza. No conjunto dos TPO, 57 dos palestinos mortos e cerca de 7000 dos feridos eram menores de 18 anos.

Forças israelitas mataram ontem um palestino com deficiência mental durante uma manifestação da Grande Marcha do Retorno na Faixa de Gaza, já na 40.a semana consecutiva.

O Ministério da Saúde de Gaza identificou o morto como Karam Mohammed Fayyad, de 26 anos. Observadores no local do Palestinian Center for Human Rights (PCHR) informaram que Fayyad foi atingido com uma bala na cabeça quando se encontrava a cerca de 150 metros da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza.

Segundo o Centro Al Mezan de Direitos Humanos, as forças israelitas feriram outros 46 manifestantes, incluindo quatro crianças, duas mulheres, um jornalista e dois paramédicos.

Os soldados do exército sionista dispararam balas reais, balas de aço revestidas de borracha, além de bombas de gás de alta velocidade e granadas atordoantes, informa o Crescente Vermelho Palestino.

Israel aprovou a construção de 1451 novas casas em colonatos ilegais na Cisjordânia ocupada, informou o jornal israelita Haaretz. Foram apresentados planos para construir outras 837 unidades habitacionais para colonos, algumas em colonatos relativamente isolados.

A decisão foi tomada pelo Conselho Supremo de Planeamento da Administração Civil israelita, o órgão do Ministério da Defesa de Israel que governa a Cisjordânia ocupada (sob administração militar israelita desde 1967), planeia e organiza os seus colonatos e coordena com a Autoridade Palestina em questões de segurança.

Foi dada a aprovação final para construir 30 das 1451 unidades nos colonatos.

As unidades aprovadas serão construídas em 11 colonatos ilegais na Cisjordânia ocupada, adjacentes a Jerusalém Oriental e à Faixa de Gaza.

Em 27 de Dezembro de 2008, há dez anos, Israel lançou contra a população palestina indefesa da Faixa de Gaza a chamada operação «Chumbo Fundido».

Durante vinte e três dias o exército israelita — o mais poderoso do Médio Oriente — fustigou impiedosamente os palestinos da Faixa da Gaza. Quando a operação terminou, em 18 de Janeiro de 2009 — dois dias antes da tomada de posse de Barack Obama —, tinham-se registado mais de 1400 mortos palestinos – entre os quais 138 crianças – e enormes destruições. Um saldo sangrento que não pode ser classificado senão como prática de crimes de guerra e crimes contra a humanidade.

Três palestinos, incluindo um adolescente, foram hoje mortos por forças israelitas durante manifestações na Faixa de Gaza.

Os soldados do exército de ocupação dispararam balas reais e balas de aço revestidas de borracha, bem como granadas de gás lacrimogéneo, contra os manifestantes que participavam na 39.a sexta-feira consecutiva dos protestos da Grande Marcha do Retorno, junto à vedação com que Israel isola o território palestino.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que os mortos são Mohammed al-Jahjouh, de 16 anos, Abdulaziz Abu Shree'a, de 28, e Maher Yassin, de 40.

Foram também feridos 47 manifestantes palestinos, incluindo quatro paramédicos e dois jornalistas. Num dos acampamentos da Grande Marcha do Retorno, uma ambulância foi atingida directamente por uma granada de gás lacrimogéneo israelita, sufocando os paramédicos que se encontravam no seu interior.

O Knesset (parlamento de Israel) aprovou ontem, em primeira leitura, um projecto de lei para desterrar as famílias de palestinos suspeitos de ataques a israelitas. Nesta primeira das três votações necessárias para se converter em lei, o projecto teve 69 votos a favor e 38 contra.

Se o projecto se converter em lei, o Comando Central do Exército israelita, responsável pelas unidades militares que asseguram a ocupação da Cisjordânia, poderá expulsar os familiares de palestinos acusados de executar ou estar implicados em ataques contra israelitas. Esses familiares seriam desterrados das suas localidades de residência para outras zonas da Cisjordânia, no prazo de uma semana após o ataque.

Dezenas de alunos de Hebron, na Cisjordânia ocupada, sofreram os efeitos da inalação de gás lacrimogéneo disparado por soldados israelitas no passado domingo, 16 de Dezembro.

O repugnante acto de brutalidade não provocada do exército de ocupação é relatado e está registado em vídeo pelo International Solidarity Movement. Rachel Corrie, morta em 2003 por um buldózer do exército israelita quando tentava impedir a demolição da casa de um palestino na Faixa de Gaza, pertencia a este grupo não violento de activistas pró-palestinos.

No domingo (um dia útil na Palestina), quatro soldados do exército de ocupação israelita entraram no bairro de Salaymeh, em Hebron, às 13h. Activistas do ISM estavam presentes no local desde as 12h30 e não testemunharam nenhum lançamento de pedras nem qualquer tipo de provocação.

Escolas de Hebron atacadas com gás lacrimogéneo. 16 Dezembro 2018
Escolas de Hebron atacadas com gás lacrimogéneo. 16 Dezembro 2018
Soldados do exército de ocupação disparam granadas atordoantes e gás lacrimogéneo contra escolas, Hebron, 16 Dezembro 2018
Soldados do exército de ocupação disparam granadas atordoantes e gás lacrimogéneo contra escolas, Hebron, 16 Dezembro 2018

O exército israelita demoliu uma residência familiar em retaliação pela morte de um sargento israelita. Trata-se de uma cruel e vergonhosa forma de punição colectiva.

Israel acusa Islam Abu Hmeid de ter atirado do telhado um bloco de mármore de 18 quilos que provocou a morte de um sargento israelita das forças especiais, durante uma incursão em Maio para efectuar detenções. O edifício de quatro pisos é propriedade de Latifa Abu Hmeid, mãe de Islam, e está localizado no campo de refugiados de Amari, perto da cidade de Ramala, na Cisjordânia ocupada.

Setecentos soldados israelitas invadiram o campo de Amari na madrugada de sábado, 15 de Dezembro, cercaram a casa e expulsaram do seu interior dezenas de jornalistas e activistas solidários que tentavam impedir a destruição. A casa foi depois demolida com uma explosão.

Destruição da casa da família Abu Hmeid, no campo de refugiados de Amari
Destruição da casa da família Abu Hmeid, no campo de refugiados de Amari

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas