Cisjordânia

Segundo um relatório do OCHA (Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários), desde o início deste ano, as forças de ocupação israelitas mataram 50 palestinos, incluindo 11 crianças, na Cisjordânia ocupada.

Durante o mesmo período, na Cisjordânia ocupada, pelo menos 11 232 outros palestinos foram feridos incluindo 584 crianças.

A estes números há que somar os 260 mortos e 2200 feridos palestinos durante a agressão israelita contra Gaza em Maio passado.

O relatório cobre em detalhe o período entre 8 e 28 de Julho, no qual as forças de ocupação israelitas mataram quatro palestinos, incluindo duas crianças, e feriram 1090 outros, incluindo 141 crianças.

Um dos mais recentes pontos de atrito é o novo colonato ilegal israelita conhecido como Evyatar, localizado perto da aldeia de Beita, no distrito de Nablus, na Cisjordânia.

Um jovem palestino, Shawkat Khalid Awad, de 20 anos, faleceu ontem no hospital horas depois de ter sido baleado na cabeça e no estômago por soldados israelitas em Beit Ummar, na Cisjordânia ocupada.

Awad participava no cortejo fúnebre de Mohammed al-Allami, também ele morto pelo exército israelita, quando os soldados responderam com gás lacrimogénio e fogo vivo às manifestações de protesto de centenas de palestinos indignados com a sua presença.

Shawkat Awad foi o 78º menor palestino a ser assassinado pelas forças israelitas em 2021 e o quarto a morrer no espaço de uma semana.

Na passada quarta-feira, Mohammed Al-Allami, um rapaz palestino de 12 anos, foi baleado no peito por um soldado que abriu fogo contra o carro conduzido pelo seu pai à entrada de Beit Ummar.

Um rapaz palestino de 15 anos, Mohammad Said Hamayel, foi ontem morto a tiro pelas forças de ocupação israelitas em Beita, a sul de Nablus, na Cisjordânia ocupada, durante um protesto público contra a construção de um posto avançado israelita, perto da aldeia.

O comício não violento foi convocado depois de um grupo de colonos israelitas ter instalado mais de 20 casas móveis ou caravanas no topo do Monte Sabih, como prelúdio para tomar conta de todo o monte e estabelecer um posto avançado colonial, ameaçando a subsistência de pelo menos 17 famílias palestinas que dependem da colheita das suas azeitonas nas terras que possuem há gerações.

Segundo o Crescente Vermelho Palestino as forças israelitas, além de atingirem mortalmente Mohammad, feriram pelo menos 11 participantes com munições reais e outros 16 com balas revestidas de borracha, enquanto várias dezenas foram sufocados por gás lacrimogéneo.

A Amnistia Internacional condenou, nesta quarta-feira, a decisão das autoridades de ocupação israelitas de encerrar os Comités de Trabalho em Saúde (HWC) considerando que isso terá consequências catastróficas para as necessidades sanitárias dos palestinos nos Territórios Palestinos Ocupados (TPO).

Na madrugada do dia 9 de Junho, as forças de ocupação israelitas invadiram a sede dos HWC em al-Bireh, Ramala. A Directora-Geral, Shatha Odeh, relatou que soldados israelitas fortemente armados derrubaram a porta principal da sede e irromperam no seu interior, adulterando e danificando a maior parte do seu conteúdo e apreendendo quatro computadores, tendo afixado uma ordem militar para fechar o edifício durante seis meses, renováveis.

As autoridades israelitas entregaram hoje vários avisos de confisco de centenas de hectares de terras agrícolas pertencentes a palestinos, na província de Salfit, para construir uma conduta de água que irá servir dois colonatos ilegais.

A agência WAFA, que veicula a notícia, diz que a conduta de água, com 15 quilómetros de comprimento, irá atravessar cinco cidades e aldeias, danificando substancialmente as terras.

O estabelecimento de colonatos na Cisjordânia viola o direito humanitário internacional, que estabelece os princípios aplicáveis durante a guerra e a ocupação. Os colonatos estão também na origem de sistemáticas violações dos direitos humanos, por parte dos colonos.

Assistimos a cenas de barbárie na terra martirizada da Palestina, duma violência inaceitável que é imperioso travar e que é da inteira responsabilidade de Israel e dos seus protectores.

Os bombardeamentos de Israel sobre a população sitiada da Faixa de Gaza já provocaram quase uma centena e meia de mortos – entre os quais 40 crianças – e perto de um milhar de feridos. Torres de apartamentos residenciais são demolidas, deixando numerosas famílias sem abrigo.

Em Israel há linchagens de palestinos, a destruição das suas lojas e a invasão das suas casas por bandos de extremistas israelitas, em «pogroms» transmitidos em directo pela televisão pública de Israel. O perigo duma escalada da violência é bem real.

Esta violência não é «da responsabilidade das duas partes». Tem causas próximas indesmentíveis:

O filme The Present (O Presente), da realizadora britânico-palestina Farah Nabulsi, ganhou o prémio 2021 da BAFTA (Academia Britânica de Artes Cinematográficas e Televisivas) para melhor curta-metragem e está nomeado para os Óscares 2021 na categoria de melhor curta-metragem de acção ao vivo.

The Present é um filme de 20 minutos, inteiramente rodado na Cisjordânia, sobre um homem palestino, Yusef, que quer comprar uma prenda de aniversário para a mulher. A sua ida às compras, acompanhado da filha Yasmine, seria banal se não tivesse que lidar com os postos de controlo da ocupação israelita.

No seu discurso de aceitação, Farah Nabulsi disse: «Qualquer pessoa que tenha visto este filme... saberá por que dedico este prémio ao povo da Palestina, para quem a liberdade e a igualdade são há muito, muito, necessárias.»

Arik Ascherman, antigo presidente da organização Rabis pelos Direitos Humanos, foi ontem violentamente agredido com um taco de madeira por colonos judeus extremistas, perto do posto avançado de Maale Ahuvia.

Segundo o Jerusalem Post, Ascherman chegou à zona para pedir aos pastores judeus que desviassem o seu rebanho dos campos lavrados próximos pertencentes aos palestinos. Após o ataque, Ascherman disse que as forças de ocupação israelitas assistiram ao espancamento sem intervir.

«Este ataque brutal aconteceu porque as forças de segurança israelitas permitiram a reconstrução de Ma'aleh Ahuvia depois de o terem evacuado ontem», explicou ele, «e não impediram os rebanhos de entrar nas terras de Dir Jarir para comerem o que aí está a crescer.»

[Veja aqui o vídeo da agressão: https://twitter.com/AGvaryahu/status/1379871616478367756]

Mais de meio milhar de académicos de mais de 20 países europeus, incluindo Portugal, e de Israel, subscreveram uma carta aberta em que denunciam a legitimação pela União Europeia da política de ocupação de Israel ao financiar, com fundos europeus, projectos envolvendo instituições académicas sediadas nos colonatos israelitas ilegais.

Os signatários evidenciam a contradição entre, por um lado, a reiterada afirmação pela UE de respeito pelos princípios éticos e legislações nacionais e comunitárias e do não reconhecimento da soberania de Israel sobre os territórios palestinos ocupados e, por outro lado, a falta de escrutínio ao aceitar permitir situações como a da participação da Universidade de Ariel nos projectos europeus BOUNCE e GEO-CRADLE.

As autoridades israelitas aprovaram um plano para confiscar grandes extensões de terras de propriedade palestina na província de Belém, na Cisjordânia ocupada, noticia a agência Wafa.

As terras a serem confiscadas localizam-se na vizinhança do colonato ilegal de Bitar Illit e serão utilizadas para a abertura de estradas reservadas a colonos e para a construção de novas unidades habitacionais para a população dos colonatos judaicos.

A organização israelita de direitos humanos B'Tselem revela os complexos mecanismos jurídicos e administrativos que Israel utiliza para assumir o controlo de mais terras palestinas na Cisjordânia.

Páginas

Subscreva Cisjordânia