Cisjordânia

A organização de direitos humanos Euro-Mediterranean Monitor, sedeada em Genebra, apelou à comunidade internacional para forçar as forças armadas israelitas a pôr termo às incursões em cidades e vilas palestinas por representarem uma ameaçam para as medidas preventivas tomadas pela Autoridade Palestina para controlar o surto de coronavírus. Pediu também para investigar e responsabilizar o comportamento suspeito de vários soldados e colonos israelitas no que parece ser uma tentativa de espalhar a infecção.

Ontem, soldados israelitas, fortemente armados e acompanhados de cães, lançaram gás lacrimogénio e granadas atordoantes, invadiram casas e procederam a detenções na cidade de Ramala. Na sequência da incursão o município de Ramallah mandou esterilizar as ruas, locais públicos e prédios invadidos pelos soldados israelitas, segundo declarou à agência noticiosa WAFA o presidente da câmara municipal, Moussa Hadid.

Na manhã de ontem, segundo informação da B’Tselem - organização israelita de direitos humanos -, funcionários israelitas escoltados por militares, deslocaram-se à comunidade palestina de Khirbet Ibziq, no norte do Vale do Jordão, onde confiscaram diversos materiais e equipamentos destinados à montagem de tendas para uma clínica de campanha e para alojamento de emergência dos residentes evacuados de suas casas.

Enquanto por todo o mundo inteiro se luta contra uma crise sanitária sem precedentes, as forças armadas israelitas dedicam tempo e recursos a perseguir as comunidades palestinas mais vulneráveis da Cisjordânia, comunidades de pastores e agricultores que vivem na designada Área C (sob controlo civil e militar de Israel) e que Israel tenta, por todos os meios, que abandonem as suas terras, tornando-lhes a vida intolerável, para poder concluir o processo de anexação de facto do território ocupado.

A decisão do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, de aprovar a construção de 5200 novas casas nos colonatos ilegais de Givat Hamatos e Har Homa, a sul de Jerusalém, foi condenada por Nabil Abu Rudeineh, porta-voz do presidente da Autoridade Palestina.

O anúncio das novas construções em Givat Hamatos e Har Homa vem somar-se à preparação de um plano director para a construção de 9000 novas casas para colonos no antigo aeroporto de Qalandia, a norte de Jerusalém.

O colonato de Har Homa foi criado nos anos 90 — depois e em oposição aos Acordos de Oslo — em Jerusalém Oriental ocupada, em terras confiscadas aos habitantes palestinos de Umm Tuba.

O ministro da Defesa de Israel, o ultra-sionista Naftali Bennett, anunciou nesta quarta-feira a transformação de sete áreas da Cisjordânia em «reservas naturais» israelitas, como parte de sua política para reforçar a colonização do território.

É a primeira vez desde os Acordos de Oslo de 1994 que são anunciadas novas reservas naturais nesta zona. Além disso, serão ampliadas outras doze já existentes.

Bennett declarou na semana passada que na próxima década Israel quer duplicar a população dos seus colonatos na Cisjordânia, atingindo um milhão de colonos em território palestino, e defendeu que a chamada «zona C» pertence a Israel.

As forças de ocupação israelitas notificaram nesta sexta-feira as famílias de três alegados atacantes palestinos da intenção de demolir as suas casas na Cisjordânia ocupada.

A Sociedade dos Presos Palestinos (PPS), citada pela agência WAFA, confirmou que as forças israelitas invadiram a casa da família de Mohammad Walid Hanatsheh, no centro da cidade de Ramala, e entregaram à família uma ordem militar de demolição da casa.

Também a família de Yazan Mghamas recebeu uma ordem militar de demolição da sua casa, entregue durante uma incursão das forças de ocupação em Birzeit, cidade vizinha de Ramala.

Mohammad Hanatsheh e Yazan Mghamas estão actualmente presos por Israel, porque em Agosto de 2019 alegadamente colaboraram, juntamente com Samer Arbid, na morte de um colono israelita perto do colonato ilegal de Dolev, perto da aldeia palestina de Ras Karkar.

Israel aprovou esta segunda-feira a construção de 1936 novas unidades habitacionais nos colonatos ilegais na Cisjordânia ocupada.

Segundo o Canal Sete da televisão israelita, citado pela QudsN, o Conselho Superior de Planeamento da Administração Civil, organismo do governo militar israelita que administra a Cisjordânia ocupada, anunciou a aprovação da construção de 1936 casas em colonatos em diferentes áreas do território palestino ocupado.

De acordo com o canal israelita, 258 unidades serão construídas no colonato ilegal de Halamish, 180 unidades em Mitzpeh Dani, 147  em Mitzpeh Yericho, 107  em Elon Moreh, 100 em Neve Tzuf e 40 em Peduel.

Israel ocupou a Cisjordânia e Jerusalém Oriental na Guerra dos Seis Dias de 1967 — o que nunca foi reconhecido pela comunidade internacional —, começando de imediato a instalação de colonatos.

Durante 2019 as forças de ocupação israelitas mataram 149 palestinos, incluindo 33 menores, nos territórios palestinos ocupados, informa a  organização Encontro Nacional das Famílias dos Mártires Palestinos.

À Faixa de Gaza correspondem 112 palestinos vitimados pelas forças repressivas, enquanto 37 foram mortos na Cisjordânia ocupada.

Segundo declarações de Mohamed Sobehat, secretário-geral da organização, citado pela Quds Press, o número anual de mortos palestinos durante os últimos cinco anos foi em média de 161.

Os 33 menores mortos em 2019 pelas forças de ocupação representam um aumento de 23% relativamente ao ano anterior.

Um presépio diante do Muro, perfurado por um obus, é o último trabalho de Banksy, revelado poucos antes do Natal na simbólica cidade de Belém, na Cisjordânia ocupada.

A obra intitula-se A Cicatriz de Belém, um jogo de palavras entre Star (estrela) e Scar (cicatriz), e está em exposição no Walled-Off Hotel, que foi inaugurado por Banksy em 2017 na cidade palestina. Os quartos do hotel têm vista para o Muro de oito metros de altura construído pelo Estado sionista.

Blocos em miniatura do Muro, com grafitos apelando à paz e ao amor, servem de pano de fundo ao presépio. O impacto de um obus no Muro lembra uma estrela por cima das figuras de Maria, José e Jesus, rodeados por uma vaca e um burro.

Com este trabalho, Banksy contribui «à sua maneira» para as festividades de Natal em Belém, a cidade onde Jesus nasceu, segundo a tradição cristã.

No decorrer de 2019, registaram-se na Cisjordânia ocupada 256 actos de violência dirigidos contra palestinos por civis israelitas, informa o diário Haaretz. Aumentou a gravidade da violência e da audácia dos responsáveis, embora haja uma diminuição do número de incidentes violentos relativamente 2018, afirmam fontes oficiais israelitas.

Verifica-se um ascenso contínuo dos chamados ataques de «price tag» («etiqueta de preço»), que consistem em vandalizar bens de palestinos ou pintar graffiti com inscrições de ódio.

Fontes citadas pelo Haaretz dizem que este aumento, juntamente com a ousadia dos agressores, faz lembrar a atmosfera que precedeu o fogo posto de consequências fatais na aldeia de Duma, na Cisjordânia ocupada, em 2015, de que resultou a morte de Saad e Riham Dawabsheh e do seu bebé de 18 meses, Ali; o único membro da família que sobreviveu foi o pequeno Ahmed, de quatro anos.

Os palestinos de Hebron, na Cisjordânia ocupada, realizaram esta segunda-feira uma greve geral de protesto contra os planos de Israel de construir um novo colonato ilegal na cidade.

A greve, realizada por apelo da Fatah, movimento predominante da Autoridade Palestina, presidida por Mahmoud Abbas, foi acompanhada por protestos, que as forças israelitas reprimiram com gás lacrimogéneo.

A greve surge na sequência da aprovação em 1 de Dezembro por Naftali Bennett, o ministro da Defesa israelita — a Cisjordânia ocupada está sob administração militar isarelita desde 1967 —, de um novo colonato, com a construção de 70 apartamentos que poderiam duplicar a população de colonos israelitas em Hebron.

Páginas

Subscreva Cisjordânia