Solidariedade Internacional

Do Muro do Apartheid de Israel em território palestino até ao muro da vergonha dos EUA em território indígena na fronteira com o México — os muros são monumentos de expulsão, exclusão, opressão, discriminação e exploração. Nós, como pessoas afectadas por estes muros e como movimentos que apresentam a justiça, a liberdade e a igualdade como as nossas ferramentas para resolver os problemas deste planeta, juntamo-nos ao apelo do dia 9 de Novembro como Dia de Acção Global por um Mundo Sem Muros.
«Não existe palavra para muro na nossa língua. Nós perguntámos aos nossos pais. Nós procurámos. Não existe palavra para muro porque não deveria haver muros.»
Verlon M. José, vice-presidente da tribo Tohono O’odham.
(A terra do povo Tohono O’odham está dividida pela fronteira EUA-México)
Milhares de manifestantes desfilaram ontem, 4 de Novembro, em Londres condenando a celebração pelo governo britânico do centenário da Declaração Balfour, que em 1917, em violação dos direitos nacionais da população autóctone, prometeu aos sionistas um «lar nacional» na Palestina, abrindo o caminho à formação do Estado de Israel, que significou
décadas de repressão e exílio, de usurpação de terras, de silenciamento e esmagamento da identidade cultural do povo palestino.
Os manifestantes protestaram também contra as declarações da primeira-ministra Theresa May, que afirmou que era com «grande prazer» que acolhia o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, para comemorar os 100 anos da Declaração Balfour. Theresa May disse ainda que o Reino Unido estava «orgulhoso» do papel que desempenhou na criação do Estado de Israel.
Bucareste terá em breve uma estátua do poeta palestino Mahmud Darwich, segundo notícia da agência Wafa, que cita a embaixada palestina na capital romena.
O embaixador da Palestina na Roménia, Fouad Kokaly, teve um encontro com Daniel Tudorache, presidente da câmara do Distrito Um de Bucareste, em que o embaixador palestino solicitou que fosse erigida na cidade uma estátua de Darwich. Tudorache acolheu favoravelmente o pedido, acrescentando que a estátua do famoso poeta palestino constituirá um motivo de orgulho.
A Youth Development Association, uma organização palestina baseada em Nablus, na Margem Ocidental, promove, entre 22 de Julho e 2 de Agosto, a segunda edição do Motherland Work Camp. Estão previstos oito dias de actividades, que incluem trabalho agrícola, apoio a crianças e serviço social. São, ainda, reservados dois dias para visitas a algumas cidades palestinas. O campo está situado na localidade de Zababdeh, próximo da cidade de Jenin.
A greve da fome de cerca de 1500 presos políticos palestinos completa hoje 32 dias.
Iniciada a 17 de Abril por presos políticos de todas as tendências políticas, a greve da fome está já a ter efeitos muito sérios sobre o estado de saúde dos presos. A situação dos presos e das suas famílias está a tornar-se insuportável, afirmam observadores citados pela agência palestina Ma'an.
Todos os presos em greve da fome foram transferidos para prisões israelitas providas de clínicas, o que aumenta o alarme quanto à possibilidade de as autoridades prisionais recorrerem à alimentação forçada, considerada tortura pelo direito internacional.
Os presos foram transportados em veículos com bancos de metal, algemados, em viagens de várias horas, muito penosas no seu estado de saúde enfraquecido.
Dezenas de pessoas ficaram hoje feridas em resultado de confrontos entre palestinos e forças militares israelitas na Margem Ocidental ocupada, informa a Press TV. Os manifestantes demonstravam a sua solidariedade, no quadro do «Dia de Raiva» convocado pelo movimento Fatah, com os 1500 presos nas cadeias israelitas que se encontram em greve da fome por tempo indeterminado.
Segundo o jornal israelita Haaretz, houve protestos e confrontos em cerca de 15 cidades e campos de refugiados, incluindo Tuqu, Yatta, Al-Arroub e Qalandiyah, onde os manifestantes queimaram pneus. Soldados israelitas usaram gás lacrimogéneo e dispararam balas reais e revestidas de borracha.
O Crescente Vermelho palestino referiu que pelo menos 60 pessoas foram feridas por balas reais ou revestidas de borracha ou devido à inalação de gás lacrimogéneo.
O Plenário da Câmara Municipal de Barcelona aprovou uma moção no sentido de romper cumplicidades com o regime de ocupação israelita e a expansão colonial israelita na Palestina.
A moção, que recebeu o apoio dos grupos Barcelona en Comú, Partit Socialista de Catalunya, Candidatura d’Unitat Popular e Esquerra Republicana de Catalunya, condena a ocupação israelita e as políticas de colonização nos territórios palestinos e decide medidas que assegurem o respeito pelos direitos humanos.
A moção reconhece a legitimidade de iniciativas e campanhas não violentas promovidas pela sociedade civil palestina e internacional para reivindicar a defesa dos direitos humanos e do direito internacional humanitário na Palestina, informa um comunicado das organizações catalãs Boicot, Desinversions i Sancions Catalunya, Comunidad Palestina de Catalunya, Coalició Prou Complicitat amb Israel e Rescop (Red de Solidaridad contra la Ocupación de Palestina).
Os cristãos têm a responsabilidade de se opor à construção de colonatos israelitas nos territórios palestinos, afirmaram bispos dos EUA, Canadá e Europa, segundo notícia do jornal católico britânico Catholic Herald do passado dia 19 de Janeiro.
«Esta anexação de facto de terras não só prejudica os direitos dos palestinos em zonas como Hebron e Jerusalém Oriental, mas, como a ONU reconheceu recentemente, também põe em risco a possibilidade da paz», disseram os bispos que participaram esta semana na Coordenação da Terra Santa.
Adel Yussef Sidarus, vice-presidente do Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente, apresentou uma comunicação em nome do MPPM na Conferência Internacional comemorativa do 50º Aniversário dos Pactos das Nações Unidas sobre Direitos Humanos (Pacto Internacional sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais e Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos).
A Conferência, organizada pela Associação Portuguesa de Juristas Democratas e pela Associação Internacional de Juristas Democratas, reuniu na Faculdade de Direito de Lisboa, entre os dias 10 e 12 de Novembro, centenas de portugueses e estrangeiros, na sua maioria juristas, mas também outros interessados na temática dos direitos humanos. Estiveram presentes vários representantes palestinos, entre os quais Hussein Shabaneh, presidente da Ordem dos Advogados Palestina.
Reproduzimos de seguida integralmente a comunicação de Adel Sidarus.
O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, recebeu na passada quinta-feira, 20 de Outubro, uma delegação de mulheres israelitas e palestinas que tinham participado numa «Marcha da Esperança» de duas semanas em Israel e na Margem Ocidental ocupada. Abbas incentivou as mulheres a prosseguirem os esforços para apoiar a paz e uma solução de dois Estados.
A marcha, organizada pelo movimento Women Wage Peace (As Mulheres Lutam pela Paz), foi uma das maiores iniciativas em prol da paz realizadas em Israel nos últimos anos. Iniciou-se em 4 de Outubro em Rosh HaNikra, no Norte de Israel, junto à fronteira com o Líbano, e terminou a 19 de Outubro com um comício em Jerusalém diante da residência do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, em que milhares de mulheres israelitas e palestinas, todas vestidas de branco, apelaram à paz entre Israel e a Palestina.

Páginas

Subscreva Solidariedade Internacional