Actualidade

Um jovem palestino foi morto a tiro por forças israelitas na Cisjordânia ocupada na sexta-feira. Mahmoud Youssef Nakhleh, de 18 anos, morreu após ser atingido no estômago por tropas israelitas no campo de refugiados de al-Jalazun, perto de Ramala. As forças israelitas dispararam contra o jovem de muito perto, menos de 10 metros de distância.

Na sexta-feira registaram-se protestos generalizados, com  arremesso de pedras contra as forças israelitas, na Cisjordânia ocupada. Vive-se aqui um clima de tensão crescente após quatro palestinos e dois israelitas serem mortos num espaço de 48 horas. Segundo o Crescente Vermelho Palestino, pelo menos 57 palestinos ficaram feridos duarnte o dia de sexta-feira.

As forças israelitas lançaram uma onda de prisões em toda a Cisjordânia ocupada. Desde quinta-feira mais de 100 palestinos foram presos. Segundo uma fonte do Hamas, entre eles contam-se dezenas de simpatizantes do movimento, incluindo deputados.

Quatro palestinos foram mortos por forças israelitas em operações separadas nas últimas 24 horas na Cisjordânia ocupada.

O exército israelita declarou a cidade de Ramala zona militar fechada, apesar de ser a sede da Autoridade Palestina e se encontrar na Área A, em teoria sob total controlo civil e de segurança palestino.

O encerramento foi anunciado após um ataque a tiro perto do colonato ilegal de Ofra, a leste de Ramala. Dois soldados israelitas foram mortos e dois feridos por um palestino desconhecido que fugiu do local de carro, depois de se apoderar de uma das armas dos soldados.

A primeira das mortes aconteceu durante a noite de quarta-feira. No espaço de seis horas e em operações separadas, forças israelitas mataram três palestinos suspeitos de ataques a israelitas.

No dia 13 de Dezembro, por iniciativa do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina (GPAP-P), a Biblioteca da Assembleia da República acolheu o lançamento do livro Na presença da ausência, de Mahmoud Darwich, editado pela Flâneur.
O presidente da AR esteve representado pelo vice-presidente, José Manuel Pureza. O deputado Bruno Dias, presidente do GPAP-P, conduziu a sessão, que contou, ainda, com a participação de Júlio de Magalhães, investigador em assuntos islâmicos, e dos editores Arnaldo Vila Pouca e Cátia Monteiro.
Estiveram presentes vários deputados, membros do corpo diplomático e representantes de organizações de solidariedade com a Palestina, entre as quais o MPPM.
Canal Parlamento registou o evento.

A convite da Assembleia da República, uma delegação do Grupo Parlamentar de Amizade Palestina-Portugal, composta pelos deputados Azzam Al-Ahmed (presidente do Grupo Parlamentar de Amizade), Epiphan Bernard Z. Sabella e Fayez Anton Sakka, bem como pelo Secretário-Geral do Conselho Legislativo Palestino, Ibrahim Khreiseheh, esteve de visita a Portugal.

No dia 12 de Dezembro, a delegação foi recebida na Assembleia da República pelo Vice-Presidente José Manuel Pureza, pelo Grupo Parlamentar de Amizade Portugal – Palestina, e pelo Presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, Deputado Sérgio Sousa Pinto.

À tarde, no Teatro “A Barraca”, a delegação teve um encontro com representantes de organizações portuguesas activas na solidariedade com a luta do povo palestino, entre as quais o MPPM.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reiterou na terça-feira a intenção do seu governo de prosseguiras actividades de colonização na Cisjordânia ocupada, informa a agência palestina Ma'an.

Na cerimónia de abertura de uma rua num colonato perto de Jaba, a leste de Ramala, na Cisjordânia ocupada, Netanyahu afirmou: «Aqui os nossos antepassados viveram há milhares de anos e o que foi restaurado permanecerá para sempre.»

Afirmando para consumo interno do eleitorado israelita, esmagadoramente favorável à colonização, aquilo que cala em declarações para o público estrangeiro, Netanyahu sublinhou a sua recusa de desmantelar qualquer colonato na Cisjordânia ocupada enquanto permanecer como primeiro-ministro.

Um rapazinho palestino de quatro anos de idade morreu em consequência dos ferimentos provocados por tiros israelitas em Gaza na sexta-feira passada.

«Ahmed Abu Abed, de quatro anos e oito meses de idade, morreu em consequência dos ferimentos que sofreu na última sexta-feira a leste de Khan Younis», declarou em comunicado o Ministério da Saúde de Gaza, acrescentado que o rapazinho faleceu na noite de terça-feira. O funeral do menino terá lugar hoje, quarta-feira.

Segundo o tio da criança, citado pela agência AFP, o pequeno Ahmed foi ferido por estilhaços quando o seu pai foi alvejado na sexta-feira passada durante os protestos da Grande Marcha do Retorno.

Há 70 anos, em 11 de Dezembro de 1948, a Assembleia Geral da ONU adoptou a Resolução 194 III, estabelecendo o direito ao retorno dos refugiados palestinos. Setenta anos passados, o direito ao retorno continua a ser negado por Israel.

O artigo 11 da Resolução diz expressamente: «[A Assembleia Geral] Resolve que os refugiados que desejem voltar a suas casas e viver em paz com os seus vizinhos devem ter permissão para fazê-lo na data mais próxima possível, e que deve ser paga compensação pelos bens dos que escolherem não retornar e pela perda ou dano a bens que, em virtude dos princípios de propriedade internacional ou em equidade, deve ser reparada pelos Governos ou autoridades responsáveis».

Os refugiados que a Resolução menciona são os mais de 700 000 palestinos expulsos das suas habitações e privados dos seus bens pela vaga de limpeza étnica que precedeu, acompanhou e prosseguiu depois da criação do Estado de Israel, em 14 de Maio de 1948.

No Dia Internacional dos Direitos Humanos, 10 de Dezembro, os palestinos continuam a ser vítimas da sistemática violação dos seus direitos por Israel.

O Dia dos Direitos Humanos é assinalado todos os anos em 10 de Dezembro, o dia em que há 70 anos, em 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas adoptou a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Foi também há 70 anos, em 1948, que foi fundado o Estado de Israel, assente no crime indelével da limpeza étnica — cuidadosamente planificada e impiedosamente levada a cabo — de mais de 700 000 palestinos, desenraizados da sua terra e do seu modo de vida. Foram destruídas centenas de povoações, foi aniquilada toda uma sociedade.

Segundo relatos publicados na comunicação social, Mahmoud Abbas afirmou no sábado que o Conselho Legislativo Palestino será dissolvido em breve.

Mahmoud Abbas — presidente da Autoridade Palestina, da Organização de Libertação da Palestina e do partido Fatah — anunciou, no decorrer de uma conferência na cidade de Ramala, na Cisjordânia ocupada, que o CLP seria dissolvido «de modo legal», sem adiantar uma data para a decisão.

A Lei Básica da Palestina (constituição) prevê a realização de eleições parlamentares de quatro em quatro anos, mas as últimas ocorreram em 2006, há mais de doze anos.

As autoridades de ocupação israelitas prenderam mais de 5600 palestinos desde 6 de Dezembro de 2017, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou o reconhecimento pela sua administração de Jerusalém como capital de Israel.

O Clube dos Presos Palestinos informa que a maioria das detenções ocorreu no período imediatamente a seguir ao anúncio de Trump, quando se registou uma vaga de protestos em Jerusalém Oriental e na Cisjordânia ocupadas e na Faixa de Gaza cercada.

Segundo dados da  Addameer (Associação de Apoio e Direitos Humanos dos Presos) referentes a Novembro de 2018, há neste momento 5554 presos políticos palestinos nas cadeias israelitas, dos quais 230 são menores e 41 têm menos de 16 anos. Entre eles contam-se 482 em detenção administrativa, regime particularmente odioso que implica prisão sem julgamento nem culpa formada por períodos de até seis meses indefinidamente renováveis.

Páginas

Subscreva Actualidade