Actualidade

O MPPM, o CPPC e a CGTP-IN e o CPPC, promoveram ontem, na Praça Martim Moniz, em Lisboa, um acto público de solidariedade com o povo palestino, pelo seu direito a resistir à ocupação, pelo reconhecimento dos seus direitos inalienáveis a uma pátria livre, independente e soberana, pelo direito de regresso dos refugiados, e também por uma paz justa e duradoura no Médio Oriente.

Muitas centenas de pessoas, incluindo uma significativa representação da comunidade palestina e de comunidades migrantes, responderam ao apelo e ouviram as intervenções de Dinis Lourenço (CGTP-IN), Carlos Almeida (MPPM) e Ilda Figueiredo (CPPC), com apresentação de José Pinho (projecto Ruído).

Recordamos a declaração do MPPM que acompanhou a convocação deste Acto Público:

As acções desencadeadas em Gaza e Israel, nesta madrugada, comprovam — como o MPPM repetidamente tem alertado — que não é possível ter uma situação de paz na Palestina e, por consequência, no Médio Oriente, continuando a espezinhar os legítimos direitos do povo palestino e persistindo em manter a ocupação colonial e a violência das forças militares e dos colonos.

1. Às 6:30 desta madrugada (4:30 em Lisboa), militantes de organizações da resistência palestina lançaram, a partir da Faixa de Gaza, um ataque de surpresa, em larga escala, contra Israel, no que apelidaram de «Operação Dilúvio Al-Aqsa» e que afirmam ser uma resposta à profanação da Mesquita de Al-Aqsa e ao aumento da violência dos colonos.

Um jovem palestino foi morto a tiro, ontem à noite, durante um ataque de colonos, apoiados pelas forças de ocupação israelitas, contra a cidade de Huwara, a sul de Nablus, elevando para quatro o número de palestinos mortos em menos de 24 horas.

O jovem, identificado como Labeeb Mohammed Dmaidi, de 19 anos, foi atingido directamente no coração por um colono israelita, vindo a falecer no hospital Rafidia, na cidade de Nablus, para onde foi transportado.

Fontes do Crescente Vermelho Palestino disseram que pelo menos 25 pessoas, incluindo quatro crianças, sufocaram com o gás lacrimogéneo disparado pelas forças militares durante o ataque dos colonos à cidade.

Um outro jovem palestino, identificado como Jamal Mahmoud Majdoub, de 26 anos, foi morto a tiro pelas forças de ocupação israelitas em Huwara.

Os colonos judeus extremistas, que têm aproveitado o feriado do Sukkot para profanar locais e símbolos religiosos muçulmanos e cristãos, têm o respaldo do ultra-direitista Ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, que disse numa entrevista à Rádio do Exército que cuspir em cristãos «não é crime».

Ben Gvir já tinha defendido o acto de cuspir nos cristãos como «um antigo costume judaico». A afirmação foi repetida na terça-feira, no X/Twitter, pelo líder dos colonos extremistas, Elisha Yered, suspeito de envolvimento na morte de um adolescente palestino em Agosto.

«Talvez sob a influência da cultura ocidental tenhamos esquecido um pouco o que é o cristianismo, mas penso que os milhões de judeus que sofreram no exílio as Cruzadas, a tortura da Inquisição [espanhola], os libelos de sangue e os pogroms em massa — nunca esquecerão», justificou Yered.

Assinalam-se este ano 75 anos da Nakba, a catástrofe que em 1948 se abateu sobre o povo palestino.

São 75 anos de limpeza étnica e colonização, de guerra, de massacres e violências às mãos dos governos de Israel.

São 75 anos de exílio, de memórias silenciadas, de luta pelo reconhecimento do direito a contar a sua história.

São 75 anos de humilhações, de perseguições, de prisões, torturas e assassinatos.

São 75 anos de resistência diária, persistente, incessante, a defender cada casa, cada oliveira, a fazer de cada diáspora o lugar onde a esperança se reinventa.

São 75 anos de desrespeito pela promessa da ONU de criar um Estado da Palestina, de violação do direito internacional.

São 75 anos de promessas nunca cumpridas, de futuros sempre adiados, de persistente e continuado desrespeito pelo direito internacional, de cumplicidades e indiferença com a injustiça e a ilegalidade.

A Place of Many Beginnings: Three Paths into the History of Palestine (Um Lugar de Muitos Começos: Três Caminhos para a História da Palestina) é um projecto interactivo de história da Palestina desenvolvido por Visualizing Palestine que foi apresentado no passado fim-de-semana no Festival de Literatura Palestine Writes, na Universidade da Pensilvânia e está disponível para o público interessado.

A história da Palestina... tem múltiplos 'começos' e a ideia da Palestina evoluiu ao longo do tempo a partir destes múltiplos 'começos' para um conceito geopolítico e uma política territorial distinta
Nur Masalha, Palestine: A Four Thousand Year History (pág. 8)

A Place of Many Beginnings foi apresentado no sábado, 23 de Setembro, durante um painel com os académicos palestinos Nur Masalha e Salman Abu Sitta, moderado pela autora e activista palestina Susan Abulhawa.

Edward Wadie Saïd nasceu em Jerusalém, em 1 de Novembro de 1935, durante o mandato britânico, e faleceu em Nova Iorque, em 25 de Setembro de 2003. Foi um notável académico, activista político e crítico literário, incansável defensor dos direitos nacionais do povo palestino. O seu livro Orientalismo foi um dos textos académicos mais influentes do século xx. Foi também músico e pianista de renome.

Em 1947 Edward Saïd mudou-se com a família para o Cairo, onde foi educado em escolas de língua inglesa, saindo em 1951 para os Estados Unidos para frequentar a Northfield Mount Hermon School, no Massachusetts. Frequentou a Universidade de Princeton, onde se licenciou em 1957, e a Universidade de Harvard, onde obteve o mestrado em 1960 e o doutoramento em 1964, com especialização em literatura inglesa.

As forças de ocupação israelitas mataram a tiro dois palestinos, na noite passada, durante um ataque militar em grande escala ao campo de refugiados de Nour Shams, a leste de Tulkarm, na Cisjordânia ocupada.

Abdurrahman Suleiman Abu Daghash, de 32 anos, foi atingido na cabeça e foi levado em estado crítico para o Hospital Governamental Thabet Thabet, em Tulkarm, onde foi declarado morto devido aos ferimentos.

Antes, Asaad Jab'awi, de 21 anos, também tinha morrido depois de ter sido atingido a tiro na cabeça durante o ataque israelita.

Depois da meia-noite, as forças de ocupação israelitas, acompanhadas por retroescavadoras militares, lançaram uma incursão em grande escala no campo, no meio de um pesado tiroteio. Iniciaram a destruição da estrada principal e das infra-estruturas no interior do campo, enquanto franco-atiradores ocupavam os telhados das casas dos civis.

Faleceu ontem, 22 de Setembro, com 87 anos de idade, Mário Moutinho de Pádua. Foi membro fundador do MPPM e integrou a sua primeira Comissão Executiva, entre 2008 e 2010. Médico de formação, foi activo na denúncia da guerra colonial e no combate ao regime fascista, mas também na construção do Portugal saído da Revolução dos Cravos, e na luta pela Paz e pela Solidariedade entre os povos.

Quando foi fundado o MPPM, Mário Pádua esteve na primeira linha de acção para ajudar a jovem associação a consolidar o seu caminho. Dotado de um grande sentido humanista e espírito de solidariedade, com total capacidade de entrega, disponibilizava-se para qualquer actividade privilegiando o sucesso colectivo, rejeitando qualquer evidência individual. Quando deixou as funções executivas no MPPM, por entender que outras causas requeriam mais a sua presença, nunca deixou de responder aos apelos da Paz e da luta do povo palestino.

Forças israelitas à paisana mataram deliberadamente um rapaz palestino de 15 anos quando ele denunciou a sua entrada furtiva no campo de refugiados de Jenin durante uma incursão militar a 19 de Setembro, denuncia a Defense for Children International – Palestine (DCIP).

Segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela DCIP — o sector palestino da Defense for Children International (DCI), com sede em Genebra — , Rafat Omar Ahmad Khamayseh estava a sair de casa do avô, no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia, por volta das sete e meia da manhã, na terça-feira, 19 de Setembro, quando «viu elementos das forças especiais israelitas a saírem de três carros com matrícula palestina e a cercarem a casa do pai de um homem palestino procurado para prisão».

Páginas

Subscreva Actualidade