Actualidade

No Dia Internacional da Mulher, o MPPM homenageia as mulheres que, em todo o mundo — em casa, nos campos, nas fábricas ou nos escritórios — lutam pela paz e pela liberdade, contra a opressão, a discriminação e a injustiça.

Neste ano de 2023, em que se assinalam 75 anos sobre a Nakba — a limpeza étnica que acompanhou a criação do Estado de Israel —, neste ano em que a repressão, a injustiça, o racismo e a segregação que vitimam o povo palestino não só continuam como se agravam, o MPPM presta especial homenagem às mulheres palestinas que, não obstante as duras condições, continuam a resistir, a trabalhar, a fazer viver a família, a educar os filhos.

Este ano de 2023 está a caminho de ser o mais mortífero para as palestinas e os palestinos que vivem na Cisjordânia. A brutalidade do exército de ocupação e dos colonos por ele protegidos não tem limites. Até ontem totalizavam 73 os palestinos mortos pelo ocupante, incluindo uma mulher idosa.

A Assembleia Geral do MPPM, reunida no dia 6 de Março de 2023, na Associação 25 de Abril, em Lisboa, elegeu os membros dos Órgãos Sociais para o biénio 2023-2024.

A reunião iniciou-se com a discussão e aprovação do Relatório de Actividade referente ao período 2019-2022 bem como as Contas e o Parecer do Conselho Fiscal relativos aos exercícios de 2019 a 2022 e o Orçamento para 2023.

Também apresentados e discutidos foram o relatório de Análise da Situação na Palestina e no Médio Oriente 2018-2023 e o Programa de Acção para o biénio 2023-2024.

 

Samih al-Aqtash, 37 anos, tinha cinco filhos e tinha regressado à sua casa em Zaatara, a sul de Nablus, há cinco dias, depois de ter integrado uma missão humanitária de busca e salvamento às vítimas do terramoto da Turquia. Foi assassinado, anteontem, com uma bala no estômago por colonos fanáticos protegidos pelo exército israelita.

Neste domingo à noite, hordas de colonos israelitas levaram a cabo pelo menos 300 ataques, incluindo tiroteios e fogo posto, numa onda de violência que atingiu vilas e aldeias palestinas na zona de Nablus, na Cisjordânia ocupada.

Segundo o Crescente Vermelho, pelo menos 390 palestinos foram feridos nos tumultos provocados pelos colonos nas localidades de Huwara, Zaatara, Burin e Asira al-Qibliya, a sul de Nablus. A maioria foi ferida por gás lacrimogéneo disparado pelo exército israelita, mas também por inalação de fumo dos fogos ateados pelos colonos. Houve relatos de esfaqueamentos e agressões com barras metálicas e pedras.

Dez palestinos, incluindo dois idosos e uma criança, foram mortos hoje num brutal assalto do exército israelita à cidade de Nablus, no norte da Cisjordânia, enquanto mais de 100 foram feridos por balas vivas, sendo seis considerados em estado muito crítico.

Segundo testemunhas oculares, o exército israelita invadiu Nablus com seis dezenas de veículos blindados e forças especiais às 10 da manhã (8 horas em Lisboa). O exército bloqueou todas as entradas na cidade e cercou uma casa onde residiam dois resistentes palestinos, Hossam Isleem e Mohammad Abdulghani, alegadamente membros do grupo da resistência “Cova dos Leões”, e ambos foram mortos por recusarem render-se.

Os soldados, que, além de dispararem balas vivas, dispararam gás lacrimogéneo e granadas de atordoamento contra casas e lojas, causando muitos casos de asfixia na cidade antiga densamente povoada o que provocou a reacção dos residentes.

Parar a guerra! Dar uma oportunidade à Paz! - Lisboa 16 Fev 2023

Paz sim! Guerra não! gritaram as centenas de pessoas que encheram ontem o Largo de Camões, em Lisboa, respondendo ao apelo do CPPC que o MPPM secundou, tal como duas dezenas e meia de outras organizações.

Uma iniciativa semelhante já tinha ocorrido em Viseu, no dia 11, e outras ocorreram, ainda ontem, em Évora e Setúbal, e outras ainda estão agendadas para hoje, em Coimbra e Corroios, e para amanhã no Porto.

O MPPM associa-se a outras organizações promotoras da paz e dos direitos das pessoas e dos povos subscrevendo este Apelo em defesa da paz e convoca todas as pessoas amantes da paz para participarem nas iniciativas que se vão realizar em todo o país.

Em Março, Junho e Outubro de 2022, milhares de pessoas convergiram em defesa da paz, em importantes actos públicos, desfiles e concentrações que se realizaram por todo o país.

Em 2023, vamos voltar de novo à rua porque é urgente:

Parar a confrontação e guerra, seja na Palestina, no Sara Ocidental, na Síria, no Iémen ou na Ucrânia, com as trágicas consequências e os sérios perigos que comportam.

O número de mortos do ataque do exército israelita à cidade de Jenin, no norte da Cisjordânia ocupada, aumentou para nove e o número de feridos para 20, estando quatro em estado crítico, segindo informação do Ministério da Saúde palestino.

Uma das vítimas mortais é uma idosa identificada como Magda Obaid, de 60 anos. Não foram reportadas baixas do lado israelita.

As forças israelitas lançaram um assalto em grande escala e sitiaram o campo de refugiados nas primeiras horas desta quinta-feira com forças infiltradas, dezenas de veículos blindados e franco-atiradores. Em breve eclodiram confrontos armados com combatentes da resistência palestina.

Os soldados fortemente armados abriram fogo contra os jovens locais, que tentavam bloquear a sua entrada, ferindo sete, incluindo um gravemente ferido por munições vivas no peito e na coxa.

A Assembleia da República aprovou o Projecto de Voto n.º 207/XV, “De Solidariedade com o Povo Palestiniano”, apresentado no passado dia 6 de Dezembro pelo Grupo Parlamentar do PCP, que se associou, dessa forma, à solidariedade expressa no Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, promovido anualmente pelas Nações Unidas.

O Voto foi apreciado pela Comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia da República na sua reunião de 3 de Janeiro de 2023 e foi aprovado com o voto favorável dos Grupos Parlamentares do PCP e do PS; o voto contra dos Grupos Parlamentares do PSD e do Chega, e a abstenção do Grupo Parlamentar da Iniciativa Liberal. Estiveram ausentes o Grupo Parlamentar do BE e os Deputados Únicos do PAN e do Livre.

Este é o texto aprovado:

Projeto de Voto n.º 207/XV/1.a

De Solidariedade com o Povo Palestiniano

O colectivo (un)common ground organiza, entre 7 de Janeiro e 26 de Fevereiro, em Lisboa, duas exposições sobre as consequências da ocupação israelita da Palestina.

Passado Presente – Perspectivas de paisagens em desaparecimento mostra a persistente presença da Nakba na memória palestina. Com curadoria de Debby Farber é apresentado «um conjunto heterogéneo de obras e de artistas [que] continuam a animar a memória e o espírito de resistência, oferecendo imagens alternativas que descrevem paisagens em desaparecimento ao mesmo tempo que exprimem o que não se pode rasurar nem esquecer.»

Israel libertou na madrugada desta quinta-feira, ao fim de 40 anos, Karim Younis, o preso político palestino há mais tempo detido nas prisões israelitas.

Younis, de 66 anos, da cidade árabe de Ara, no norte de Israel, foi detido a 6 de Janeiro de 1983, e condenado a prisão perpétua, que mais tarde foi comutada para 40 anos.

Karim Younis foi libertado sem preparação e transportado em carros da polícia para Ranana, uma cidade a norte de Telavive. Aí, com ajuda de um transeunte, conseguiu contactar um familiar, que o veio recolher.

Na sua cidade natal foi acolhido em euforia por grande número de familiares e amigos que ignoraram os avisos dos serviços secretos militares israelitas que dias antes tinham visitado a família de Younis dizendo-lhes para não festejarem.

Páginas

Subscreva Actualidade