Resistência, Política e Sociedade Palestinas

Seis palestinos, incluindo dois rapazes de 12 e 14 anos, foram mortos esta sexta-feira por disparos militares israelitas durante protestos junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza.
O Ministério da Saúde de Gaza informou que os dois rapazes foram atingidos a tiro: Yousef Abu Zarifa, de 12 anos, com um bala na cabeça, e Mohammad Naif Al-Houm, de 14 anos, com uma bala no peito. As outras vítimas mortais são Iyad Khalil Ahmad Ashar (18 anos), Mohammad Ali Anshasi (18 anos), Muhammad Bassem Shchasa (24 anos) e Mohammad Walid Haniyeh (33 anos).
Ao todo foram feridos pela repressão das forças armadas do regime sionista 506 palestinos, cerca de 90 dos quais por fogo israelita, informou o Ministério. Foram evacuados para hospitais 210 dos feridos.

O presidente da OLP e da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, usou hoje da palavra na Assembleia Geral da ONU. Ainda antes das saudações protocolares, iniciou o seu discurso com a afirmação de que «Jerusalém não está à venda e os direitos do povo palestino não são negociáveis».
O dirigente palestino recordou que foi mandatado pelo Conselho Nacional Palestino para rever os acordos — políticos, económicos e de segurança — com Israel e rever o futuro da Autoridade Nacional Palestina, «que infelizmente foi tornada sem autoridade». Além disso, o CNP também lhe deu instruções para «suspender o reconhecimento do Estado de Israel pelos palestinos até que Israel por sua vez reconheça os Estado da Palestina nas fronteiras de 4 de Junho de 1967».

Classificado por muitos como o mais eminente intelectual palestino, Edward Said faleceu em 25 de Setembro de 2003, faz hoje 15 anos. Nasceu em Jerusalém em 1935, durante o mandato britânico, mas durante a Nakba de 1948 ele e a sua família foram forçados a mudar-se para o Cairo, tornando-se refugiados. 
 
Mais tarde, Edward Said foi para os Estados Unidos para frequentar a universidade. Doutorou-se em Harvard e tornou-se professor de Inglês e Literatura Comparada na Universidade de Columbia, em Nova York, cidade onde viveu muitos anos. Escreveu dezenas de livros, assim como artigos para jornais de diversos países. 
 
Foi também profundo conhecedor e crítico de música clássica. Em 1999 fundou com Daniel Barenboim, cidadão israelita, a West-Eastern Divan Orchestra, com músicos de vários países do Médio Oriente, incluindo Palestina e Israel.
 

Um palestino de 21 anos, Mohamed Abu Sadek, foi atingido na cabeça por uma bala disparada pelas forças armadas israelitas nesta segunda-feira, vindo a falecer no hospital. Pelo menos 90 pessoas foram feridas, 10 delas por balas reais, durante protestos junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, os quais contaram com a participação de milhares de pessoas.
Segundo fontes palestinas, um fotojornalista turco foi atingido por uma granada de gás lacrimogéneo.
No domingo à noite, um palestino foi morto e outros 20 foram feridos por disparos das forças armadas israelitas. O morto foi identificado como Omar Daud Ashtiwi, de 21 anos, atingido na cabeça por uma bala real.

Um adolescente palestino de 15 anos foi morto por fogo israelita na noite de quarta para quinta-feira perto de Rafah, no Sul da Faixa de Gaza.
Fontes hospitalares informaram disseram que o jovem, Momin Ibrahim Abu Ayyadeh, foi atingido na cabeça por uma bala aparentemente disparada por um atirador de elite do exército israelita. Três outros jovens sofreram ferimentos provocados por balas.
Os jovens participavam num protesto contra a ocupação israelita junto à vedação com que Israel isola o pequeno território palestino. Desde 30 de Março que a zona adjacente à vedação tem sido palco de manifestações semanais integradas na «Grande Marcha do Retorno». Recentemente têm ocorrido protestos nocturnos, como aconteceu neste caso.
Segundo as autoridades de saúde palestinas, até agora pelo menos 182 palestinos foram mortos nos protestos pelas forças armadas do regime sionista.

Um palestino foi morto a tiro pela polícia israelita perto da Porta de Damasco, na Cidade Velha de Jerusalém, na noite de terça-feira, após uma alegada tentativa de esfaqueamento de um civil judeu. Porém, testemunhas palestinas citadas pela agência AFP disseram que o suposto agressor não estava a tentar esfaquear ninguém, estava sim a defender-se. Nenhum israelita foi ferido. O palestino morto era Muhammad Yousif Alayan, do campo de refugiados de Qalandiya, perto da cidade de Ramala, na Cisjordânia ocupada.
Também na terça-feira, Muhammad Rimawi, um palestino de 24 anos, morreu na sequência do espancamento por tropas israelitas, que às 4 da manhã assaltaram a sua casa, na aldeia e Beit Rima, na Cisjordânia ocupada, para o deter. Rimawi foi despido e brutalmente agredido até cair inconsciente e ser levado para local desconhecido. Horas depois, a família foi informada da sua morte pelo telefone.

Palestinos ajudam um manifestante ferido durante um protesto junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, 14 de Setembro de 2018. Crédito: SAID KHATIB / AFP

Três palestinos, incluindo uma criança de 12 anos, foram hoje mortos pelas forças israelitas, que reprimiram os protestos na Faixa de Gaza com munições reais e bombas de gás lacrimogéneo.
O Ministério da Saúde de Gaza informou que os mortos são Shadi Abdulal, de 12 anos, Hani Afana, de 21, e Mohammed Shaqoura, de 21. Segundo uma testemunha ocular citada pela agência Reuters, o pequeno Shadi não constituía qualquer ameaça e foi atingido a tiro a uns 70 metros da vedação.
Cerca de 250 palestinos, incluindo 18 crianças e dois paramédicos, sofreram ferimentos, acrescenta o ministério.
Milhares de palestinos participaram na tarde de hoje nas manifestações da Grande Marcha do Retorno. Os protestos decorreram sob o lema «A resistência é a nossa escolha», para sublinhar que o povo palestino rejeita os Acordos de Oslo e o «acordo do século» promovido pelos EUA.

Há 25 anos, em 13 de Setembro de 1993, eram assinados em Washington os chamados Acordos de Oslo, selados por um aperto de mão entre Yasser Arafat, presidente da OLP, e Yitzhak Rabin, primeiro-ministro de Israel.
A assinatura dos Acordos criou em muitos a ilusão de que se abria a porta para a independência da Palestina. Mas foram também numerosos aqueles que alertaram para os perigos de um acordo desigual, sob a égide dos EUA, principal aliado do regime sionista. Enquanto Israel se limitou a «reconhecer a OLP como a representante do povo palestino», a OLP reconheceu «o direito do Estado de Israel a existir em paz e segurança», ou seja, renunciou a 78% do território da Palestina histórica em troca da esperança da constituição de um Estado nos restantes 22% (Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jerusalém Oriental), sem qualquer garantia do reconhecimento por Israel do seu próprio Estado nos territórios ocupados em 1967.

Um vídeo publicado nas redes sociais documenta o momento em que na sexta-feira passada as forças israelitas atingiram a tiro o jovem palestino Ahmad Misbah Abu Tyour, de 16 anos, que veio a falecer o sábado de manhã. O adolescente participava nos protestos da «Grande Marcha de Retorno», na Faixa de Gaza cercada.
O vídeo mostra o rapaz a atirar pedras de uma grande distância, não podendo de modo nenhum constituir qualquer risco para os soldados israelitas fortemente armados. Em seguida Ahmad agita os braços no ar durante alguns segundos, antes de ser atingido no peito por um atirador israelita, sofrendo graves ferimentos de que sucumbiu no dia seguinte.
Na sexta-feira, também durante os protestos da «Grande Marcha do Retorno» foi morto por fogo real israelita um outro jovem palestino, Bilal Hafaje, de 17 anos. O Ministério da Saúde de Gaza informou que pelo menos 395 palestinos foram feridos.

O Conselho Central Palestino (CCP), o segundo órgão mais importante da OLP — depois do Conselho Nacional Palestino —, afirmou na passada sexta-feira, 17 de Agosto, a sua forte rejeição do chamado «acordo do século», sublinhando que irá combatê-lo com todos os meios disponíveis. , Segundo relata a agência noticiosa oficial palestina Wafa, o Conselho considerou também que o governo estado-unidense é um parceiro do governo de ocupação israelita e que faz parte do problema e não da solução.
No comunicado final da sua 29.ª sessão ordinária, realizada na sede presidencial em Ramallah e presidida por Mahmoud Abbas, o Conselho Central sublinhou a continuação do corte de relações políticas com o governo dos EUA até que ele retire as suas decisões ilegais sobre Jerusalém, os refugiados e os colonatos.

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas