Resistência, Política e Sociedade Palestinas

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, anunciou no sábado que vai dissolver o Conselho Legislativo Palestino. «Recorremos ao Tribunal Constitucional e o tribunal decidiu dissolver o CLP e pediu eleições parlamentares no prazo de seis meses, e nós temos de executar essa decisão imediatamente», disse Abbas numa reunião da Organização de Libertação da Palestina em Ramala.

O CLP é o parlamento directamente eleito pelos palestinos que vivem nos territórios sob a alçada da Autoridade Palestina, ou seja, é o órgão legislativo do aparelho para-estatal instituído ao abrigo dos Acordos de Oslo de 1993.

A Lei Básica da Palestina (constituição) prevê a realização de eleições parlamentares de quatro em quatro anos, mas as últimas ocorreram em 2006, há mais de doze anos. Nessa altura o Hamas venceu por larga maioria. O Hamas tem 76 dos 132 lugares do CLP, ao passo que a Fatah tem 43, sendo os 13 restantes ocupados por deputados de esquerda e independentes.

Três palestinos, incluindo um adolescente, foram hoje mortos por forças israelitas durante manifestações na Faixa de Gaza.

Os soldados do exército de ocupação dispararam balas reais e balas de aço revestidas de borracha, bem como granadas de gás lacrimogéneo, contra os manifestantes que participavam na 39.a sexta-feira consecutiva dos protestos da Grande Marcha do Retorno, junto à vedação com que Israel isola o território palestino.

O Ministério da Saúde de Gaza informou que os mortos são Mohammed al-Jahjouh, de 16 anos, Abdulaziz Abu Shree'a, de 28, e Maher Yassin, de 40.

Foram também feridos 47 manifestantes palestinos, incluindo quatro paramédicos e dois jornalistas. Num dos acampamentos da Grande Marcha do Retorno, uma ambulância foi atingida directamente por uma granada de gás lacrimogéneo israelita, sufocando os paramédicos que se encontravam no seu interior.

Um jovem palestino foi morto a tiro por forças israelitas na Cisjordânia ocupada na sexta-feira. Mahmoud Youssef Nakhleh, de 18 anos, morreu após ser atingido no estômago por tropas israelitas no campo de refugiados de al-Jalazun, perto de Ramala. As forças israelitas dispararam contra o jovem de muito perto, menos de 10 metros de distância.

Na sexta-feira registaram-se protestos generalizados, com  arremesso de pedras contra as forças israelitas, na Cisjordânia ocupada. Vive-se aqui um clima de tensão crescente após quatro palestinos e dois israelitas serem mortos num espaço de 48 horas. Segundo o Crescente Vermelho Palestino, pelo menos 57 palestinos ficaram feridos duarnte o dia de sexta-feira.

As forças israelitas lançaram uma onda de prisões em toda a Cisjordânia ocupada. Desde quinta-feira mais de 100 palestinos foram presos. Segundo uma fonte do Hamas, entre eles contam-se dezenas de simpatizantes do movimento, incluindo deputados.

Quatro palestinos foram mortos por forças israelitas em operações separadas nas últimas 24 horas na Cisjordânia ocupada.

O exército israelita declarou a cidade de Ramala zona militar fechada, apesar de ser a sede da Autoridade Palestina e se encontrar na Área A, em teoria sob total controlo civil e de segurança palestino.

O encerramento foi anunciado após um ataque a tiro perto do colonato ilegal de Ofra, a leste de Ramala. Dois soldados israelitas foram mortos e dois feridos por um palestino desconhecido que fugiu do local de carro, depois de se apoderar de uma das armas dos soldados.

A primeira das mortes aconteceu durante a noite de quarta-feira. No espaço de seis horas e em operações separadas, forças israelitas mataram três palestinos suspeitos de ataques a israelitas.

A convite da Assembleia da República, uma delegação do Grupo Parlamentar de Amizade Palestina-Portugal, composta pelos deputados Azzam Al-Ahmed (presidente do Grupo Parlamentar de Amizade), Epiphan Bernard Z. Sabella e Fayez Anton Sakka, bem como pelo Secretário-Geral do Conselho Legislativo Palestino, Ibrahim Khreiseheh, esteve de visita a Portugal.

No dia 12 de Dezembro, a delegação foi recebida na Assembleia da República pelo Vice-Presidente José Manuel Pureza, pelo Grupo Parlamentar de Amizade Portugal – Palestina, e pelo Presidente da Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, Deputado Sérgio Sousa Pinto.

À tarde, no Teatro “A Barraca”, a delegação teve um encontro com representantes de organizações portuguesas activas na solidariedade com a luta do povo palestino, entre as quais o MPPM.

Um rapazinho palestino de quatro anos de idade morreu em consequência dos ferimentos provocados por tiros israelitas em Gaza na sexta-feira passada.

«Ahmed Abu Abed, de quatro anos e oito meses de idade, morreu em consequência dos ferimentos que sofreu na última sexta-feira a leste de Khan Younis», declarou em comunicado o Ministério da Saúde de Gaza, acrescentado que o rapazinho faleceu na noite de terça-feira. O funeral do menino terá lugar hoje, quarta-feira.

Segundo o tio da criança, citado pela agência AFP, o pequeno Ahmed foi ferido por estilhaços quando o seu pai foi alvejado na sexta-feira passada durante os protestos da Grande Marcha do Retorno.

Segundo relatos publicados na comunicação social, Mahmoud Abbas afirmou no sábado que o Conselho Legislativo Palestino será dissolvido em breve.

Mahmoud Abbas — presidente da Autoridade Palestina, da Organização de Libertação da Palestina e do partido Fatah — anunciou, no decorrer de uma conferência na cidade de Ramala, na Cisjordânia ocupada, que o CLP seria dissolvido «de modo legal», sem adiantar uma data para a decisão.

A Lei Básica da Palestina (constituição) prevê a realização de eleições parlamentares de quatro em quatro anos, mas as últimas ocorreram em 2006, há mais de doze anos.

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou no dia 6 de Dezembro uma resolução que apela ao fim da ocupação israelita e apoia a solução de dois Estados, Israel e Palestina, nas fronteiras anteriores a 1967.

A resolução, apresentada pela Irlanda, apela à «realização, sem demora, de uma paz abrangente, justa e duradoura no Médio Oriente, com base nas resoluções relavantes da ONU». Mais adiante, o texto exorta ao «fim da ocupação israelita que começou em 1967, incluindo de Jerusalém Oriental, e reafirma, nesse sentido, o seu apoio inabalável, de acordo com o direito internacional, à solução de dois Estados, Israel e Palestina, vivendo lado a lado em paz e segurança dentro de fronteiras reconhecidas, com base nas fronteiras anteriores a 1967».

A resolução foi aprovada por maioria esmagadora: 156 votos a favor, 5 contra (Israel, EUA, Austrália, Libéria e Ilhas Marshall) e 12 abstenções. Portugal votou a favor.

O preso palestino Nael al-Barghouti passou até agora 39 anos em prisões israelitas. É o preso político com maior tempo de prisão de todos os tempos.

Um herói vivo, al-Barghouti passou a maior parte da vida em prisões israelitas, sonhando com a liberdade para si e para o seu povo.

Tem 61 anos, mas só passou 22 anos fora das cadeias israelitas. Nael al-Barghouti nasceu em 24 de Outubro de 1957 na aldeia de Kobar, perto de Ramala, na Cisjordânia ocupada. Foi preso pela primeira vez em Abril de 1978, quando era estudante do ensino médio.

Cerca de 12 dias depois, as autoridades de ocupação israelitas prenderam o seu irmão mais velho, Omar, e o seu primo Fakhri, acusando-os de terem matado um soldado israelita em Ramala, incendiado uma fábrica de óleo em Israel e feito explodir um café em Jerusalém ocupada.

Pelo menos 40 palestinos ficaram hoje feridos pelas forças de ocupação israelitas, que abriram fogo contra os milhares de manifestantes que participavam na 34.ª semana consecutiva da Grande Marcha do Retorno.

O Ministério da Saúde de Gaza anunciou que 40 manifestantes foram feridos por tiros israelitas, três dos quais estão em estado crítico.

As manifestações de hoje ocorrem poucos dias depois da agressão israelita do início da semana, com cerca de uma centena de ataques aéreos e de artilharia, a que as forças da resistência palestina responderam com o lançamento de cerca de 500 rockets. Após dois dias de confronto, foi alcançada uma trégua, mediada pelo Egipto, entre Israel e os movimentos armados de Gaza.

O ministro sionista da Defesa, Avigdor Lieberman, demitiu-se do governo em desacordo com a trégua, abrindo uma crise política que muitos observadores acreditam poder conduzir a eleições antecipadas em Israel.

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas