Resistência, Política e Sociedade Palestinas

Dois palestinos foram mortos a tiro e dezenas foram feridos pelas forças armadas israelitas, que abriram fogo contra os manifestantes desarmados que participavam nos protestos da Grande Marcha do Retorno.
O Ministério da Saúde de Gaza anunciou que os mortos são Kareem Abu Fatayer, de 30 anos, e Sa'di Muammar, de 26, e que 270 manifestantes ficaram feridos, 60 dos quais por balas reais.
Cerca de 20 mil pessoas participaram nos protestos, na 21.ª sexta-feira consecutiva, que ocorreram a várias centenas de metros da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza.
A Grande Marcha do Retorno exige o levantamento do bloqueio israelita à Faixa de Gaza, que dura há doze anos, e o direito de os refugiados e seus descendentes (que constituem três quartos da população do enclave) poderem retornar às terras de onde as forças sionistas os expulsaram, no quadro da limpeza étnica que acompanhou a criação do Estado de Israel, em 1948.

Dois palestinos foram mortos e 307 foram feridos esta sexta-feira pelas forças armadas israelitas perto da vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, segundo informações do Ministério da Saúde de Gaza.
Os dois mortos palestinos, vítimas de balas reais, são o paramédico voluntário Abdullah Al-Qatati, de 26 anos, e Saeed Aloul, de 55 anos. Em Junho, uma outra paramédica voluntária, a jovem Razan al-Najjar, foi morta a tiro enquanto tratava palestinos feridos pelas forças israelitas. 
Dos feridos, 131 foram levados para os hospitais, tendo 85 sido feridos por fogo real. Cinco estão atualmente em estado grave. Entre os feridos também se encontram mais cinco paramédicos e dois repórteres.

Nas últimas 24 horas as forças israelitas agudizaram a sua agressão contra a Faixa de Gaza cercada.
Segundo fontes militares israelitas, as forças armadas do Estado sionista atingiram 150 locais no território costeiro palestino, afirmando que se tratou de alvos ligados ao Hamas.
Um dos alvos atingidos foi um edifício de cinco andares no campo de refugiados de al-Shati, na cidade de Gaza. Ficaram feridos 18 palestinos. Israel alegou que o prédio era usado pelas forças de segurança interna do Hamas, mas na realidade o prédio abrigava o Centro Cultural al-Meshaal e também uma biblioteca e serviços destinados às mulheres egípcias rsidentes em Gaza.
Pelo menos três palestinos, incluindo uma mulher grávida e o seu filho de 18 meses, foram mortos pelos ataques aéreos e de artilharia israelitas.

Mahmud Darwich faleceu a 9 de Agosto de 2008. Foi um grande intelectual (poeta, prosador, ensaísta, jornalista) e um resistente à ocupação israelita. 
Tornou-se uma referência para o Médio Oriente, e a sua poesia tornou-se conhecida em todo o mundo árabe. Até aos seus últimos dias, ergueu-se sempre em defesa de uma Palestina independente.
Nasceu em 13 de Março de 1941 na Galileia, então parte da Palestina sob mandato britânico, numa aldeia que em 1948 foi invadida, destruída e substituída por um colonato israelita. Viveu no exílio a maior parte da vida e começou a escrever poesia aos 19 anos. Em 1964 começa a ser reconhecido a nível nacional e mesmo internacional como uma voz da resistência palestina. É preso várias vezes por Israel pelos seus escritos e actividades políticas.

Um palestino foi morto e outros 220 foram feridos pelo exército israelita, 90 deles por tiros, junto à vedação com que Israel isola a Faixa de Gaza, informou o Ministério da Saúde local.
Ahmad Yahya Yaghi, de 25 anos, foi morto pelo fogo das forças da ocupação israelita quando participava nos protestos, a leste da cidade de Gaza.
Cerca de 10.000 palestinos participaram nas manifestações, na 19.ª sexta-feira consecutiva dos protestos da Grande Marcha do Retorno.
Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, 156 palestinos foram mortos e 17.350 foram feridos pelas forças israelitas desde o início da Grande Marcha de Retorno, em 30 de Março. Esta campanha de manifestações exige o fim do bloqueio israelita, que dura há 12 anos, e o direito de retorno dos refugiados palestinos às terras de onde foram expulsos na limpeza étnica que acompanhou a formação do Estado de Israel, em 1948.

Artigo publicado no Haaretz de 25 de Julho de 2018

No domingo deverás finalmente sair da prisão, juntamente com a tua mãe. Mas mais vale não tentar o diabo; o Shin Bet pode emitir uma ordem de prisão administrativa contra ti. Afinal, há apenas algumas semanas o Shin Bet determinou que tu ainda és «potencialmente perigosa» — mas podemos ter a esperança de que dentro de três dias tu e a tua mãe voltarão a ser livres em casa.
Também podemos ter a esperança de que o perigo potencial que tu apresentavas não tenha diminuído durante os teus meses na prisão, desde o Inverno; de que tu ainda sejas perigosa para a ocupação, de que tu não vás parar de resistir à tua maneira. Tanto quanto conheço a tua família, a quem a propaganda israelita chama uma «família de terror» e uma «família de assassinos», sei que não há hipóteses de isso acontecer. O teu espírito não vacilará. O teu «perigo» não se dissipará.

A jovem activista palestina Ahed Tamimi, de 17 anos, e a sua mãe, Nariman, foram libertadas esta manhã da prisão de Sharon, em Israel, após cumprir uma sentença de 8 meses num caso que causou condenação internacional generalizada.
«A resistência vai continuar até ao fim da ocupação», declarou Ahed Tamimi logo após a libertação. A jovem foi recebida em festa na sua aldeia natal de Nabi Saleh, na Cisjordânia ocupada, onde uma bandeira palestina ondulava num enorme mastro erguido para a ocasião.
Ahed Tamimi foi presa pelas forças de ocupação após a publicação nas redes sociais de um vídeo em que era vista a esbofetear um soldado israelita armado que procurava entrar na sua casa. Pouco antes deste episódio, o seu primo Mohammed, de 15 anos, tinha sido baleado na cabeça por soldados israelitas, ficando em estado muito grave.

Dois palestinos, incluindo um rapaz de 14 anos, foram hoje mortos e 246 feridos pelas forças israelitas, que abriram fogo contra os manifestantes desarmados que participavam na 18.ª sexta-feira consecutiva da Grande Marcha do Retorno, na Faixa de Gaza cercada.
O Ministério da Saúde de Gaza informou que os mortos são Majdi al-Satari, de 14 anos, e Ghazi Abu Mustafa, de 43. Ambos foram atingidos na cabeça com balas reais. Entre os feridos contam-se 19 menores, 6 paramédicos e um jornalista.
Segundo fontes israelitas, nos protestos de hoje terão participado 7000 palestinos.

Um manifestante palestino foi morto e pelo menos 396 pessoas foram feridas pelas forças israelitas que atacaram os participantes na 15.ª sexta-feira consecutiva dos protestos não violentos da Grande Marcha do Retorno, junto à vedação de arame farpado com que Israel isola a Faixa de Gaza.
Mohammad Jamal Abu Halima, de 22 anos, foi morto por fogo de artilharia que visou a multidão de manifestantes.
Segundo fontes médicas, pelo menos 396 manifestantes palestinos foram feridos por balas reais ou sofreram sufocações devido à inalação de gás lacrimogéneo. Foram internadas em hospitais 119 pessoas, incluindo 57 casos de ferimentos por balas. Registaram-se também feridos entre o pessoal de saúde e jornalistas.

Milhares de mulheres palestinas manifestaram-se na tarde da passada de terça-feira perto da vedação que isola a Faixa de Gaza cercada de Israel, reclamando o direito ao retorno dos refugiados palestinos. 
Pelo menos 134 mulheres foram feridas por balas reais e gás lacrimogéneo disparados pelas forças israelitas. O Ministério da Saúde de Gaza informou que entre os feridos se encontravam trabalhadores da comunicação social que cobriam o acontecimento. 

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas