Direitos Humanos e Presos Políticos

Uma greve geral teve lugar hoje, 27 de Abril, em toda a Margem Ocidental e em Jerusalém Oriental ocupadas, informa a agência noticiosa palestina Ma'an. Milhares de palestinos fecharam as suas lojas e empresas em solidariedade com os cerca de 1500 presos palestinos em greve da fome — a greve «Liberdade e Dignidade».
Esta greve geral, no 11.º dia da greve da fome maciça dos presos, realiza-se na véspera do Dia de Raiva convocado pelo movimento Fatah para 28 de Abril, durante o qual é de prever que ocorram choques de palestinos com as forças israelitas para demonstrar a solidariedade com os presos.
As ruas normalmente movimentadas de cidades, vilas, aldeias e campos de refugiados da Margem Ocidental estavam quase vazias. Lojas, instituições, bancos e escolas estavam fechadas em apoio aos grevistas da fome.
Dezenas de presos palestinos juntaram-se à greve da fome maciça que está em curso nas prisões israelitas, acção de protesto que hoje atingiu o oitavo dia, relata a Press TV.
A comissão de média criada para apoiar a greve «Liberdade e Dignidade» informou que seis palestinos encarcerados na prisão israelita de Meggido começaram a recusar comida na passada quinta-feira, 20 de Abril, juntando-se aos seus 1500 camaradas que estão actualmente em greve da fome.
Segundo esta informação, os seis presos foram colocados em isolamento no domingo, dia em que mais 34 detidos na prisão de Meggido aderiram à greve da fome.
O apelo para a greve da fome partiu de Marwan Barghouti, dirigente da Fatah, mas neste momento é seguida por presos palestinos de todo o espectro político. A greve teve início em 17 de Abril, Dia dos Presos Palestinos, em protesto contra as más condições existentes nas prisões israelitas.
Cerca de 1500 presos palestinos entraram hoje no terceiro dia da greve da fome «Liberdade e Dignidade». Os presos exigem que as autoridades prisionais israelitas lhes concedam direitos básicos como visitas regulares, reclamando também o fim da negligência médica, do isolamento, da detenção administrativa, entre uma longa lista de outras exigências apresentadas pelo movimento Fatah e por Marwan Barghouthi, um seu dirigente preso desde 2002. A greve começou no Dia dos Presos Palestinos, 17 de Abril.
Convocada por presos filiados na Fatah, posteriormente comprometeram-se a realizar a greve da fome presos palestinos de todo o espectro político, incluindo a FPLP, que inicialmente tinha expresso reservas.
No dia 17 de Abril, Dia dos Presos Palestinos, o MPPM reafirma a sua solidariedade com os presos e detidos administrativos palestinos nas prisões de Israel. Ao mesmo tempo que reitera o apoio à sua corajosa luta pela liberdade do seu povo, pelo reconhecimento da sua condição de presos políticos e contra as degradantes condições a que são submetidos nas prisões israelitas, com destaque para as prolongadas greves da fome, o MPPM envia uma saudação solidária a todas e todos os resistentes palestinos encarcerados por Israel.
Neste dia o MPPM junta a sua voz a todos aqueles que, na Palestina e no mundo inteiro, realizam acções de solidariedade com os palestinos presos por Israel por resistirem à ocupação e à repressão sionistas e exigem o respeito pelos seus direitos e a sua libertação.

No dia 17 de Abril, Dia dos Presos Palestinos, o MPPM reafirma a sua solidariedade com os presos e detidos administrativos palestinos nas prisões de Israel. Ao mesmo tempo que reitera o apoio à sua corajosa luta pela liberdade do seu povo, pelo reconhecimento da sua condição de presos políticos e contra as degradantes condições a que são submetidos nas prisões israelitas, com destaque para as prolongadas greves da fome, o MPPM envia uma saudação solidária a todas e todos os resistentes palestinos encarcerados por Israel.

Neste dia o MPPM junta a sua voz a todos aqueles que, na Palestina e no mundo inteiro, realizam acções de solidariedade com os palestinos presos por Israel por resistirem à ocupação e à repressão sionistas e exigem o respeito pelos seus direitos e a sua libertação.

Em vésperas de uma greve de fome maciça nas prisões israelitas a ser lançada no dia 17 de Abril sob a liderança de Marwan Bargouthi, este dirigente da Fatah, que cumpre cinco penas de prisão perpétua numa prisão israelita desde 2002, exortou os palestinos a organizarem acções de solidariedade com os presos palestinos em greve da fome, relata a agência noticiosa palestina Ma'an.
«Exortamos o nosso povo a juntar-se em manifestações, comícios, sit-ins e greves gerais, ao mesmo tempo que pedimos ao presidente [da Autoridade Palestina] Abu Mazen [Mahmoud Abbas], à direcção palestina e às facções palestinas que tomem medidas a todos os níveis para libertar os presos e apoiá-los na sua batalha», escreveu Bargouthi numa declaração que a sua esposa Fadwa transmitiu à Ma'an.
Este relatório foi elaborado pelos estado-unidenses Virginia Tilley e Richard Falk, especialistas em Direito Internacional, e apresentado por Rima Khalaf, Secretária Executiva da Comissão Económica e Social das Nações Unidas para a Ásia Ocidental.
O relatório conclui que Israel estabeleceu um regime de apartheid que domina o povo palestino como um todo. Conscientes da gravidade desta alegação, os autores do relatório concluem que as provas disponíveis demonstram, para além de qualquer dúvida razoável, que Israel é culpado de políticas e práticas que constituem o crime de apartheid como legalmente definido em instrumentos de direito internacional.
Por decisão do Secretário-Geral da Nações Unidas, António Guterres, o relatório foi retirado da página oficial das Nações Unidas, o que levou à demissão de Rima Khalaf.

O jornalista palestino Mohammed al-Qiq suspendeu a sua greve de fome depois de alcançar um acordo com as autoridades israelitas no sentido de ser libertado em meados de Abril, informou hoje, 10 de Março, a Sociedade dos Presos Palestinos (PPS).
Al-Qiq, que começou a greve de fome em 6 de Fevereiro, protestava contra o facto de estar em regime de detenção administrativa.
Ao abrigo deste regime, Israel pode manter palestinos encarcerados por períodos de seis meses indefinidamente renováveis, sem julgamento nem culpa formada e sem sequer justificar os motivos da detenção. Segundo informou o Comité Palestino de Assuntos dos Presos, na passada quarta-feira, 8 de Março, Al-Qiq tinha sido transferido pelas autoridades israelitas para o Centro Médico Assaf Harofeh, em Tel Aviv, devido à deterioração do seu estado de saúde.

No mesmo dia em que pelo mundo inteiro, e também na Palestina, se celebrava o Dia Internacional da Mulher, forças israelitas prenderam quinta-feira, 8 de Março, a deputada palestina Samira Halaykeh, de 53 anos. A deputada ao Conselho Legislativo Palestino pelo Movimento Islâmico de Resistência (Hamas) foi presa por uma força do exército israelita que de madrugada invadiu a sua casa, em Shiyoukh, perto de Hebron, na Margem Ocidental Ocupada.
Já dois dias antes, na madrugada do dia 6, forças israelitas tinham prendido na cidade de Belém, no sul da Margem Ociodental ocupada, os deputados Khalid Tafish e Anwar Zboun, ambos pertencentes ao bloco Mudança e Reforma no CLP.
Eleva-se assim para nove o número total de parlamentares palestinos presos em Israel.

O jornalista palestino Mohammed al-Qiq encontra-se em greve de fome há duas semanas em protesto contra a sua detenção administrativa pelas autoridades de Israel.
Al-Qiq tinha sido libertado da prisão em Maio de 2016 depois de uma greve da fome de 94 dias, também então em protesto contra a sua detenção administrativa. Porém, foi novamente preso em meados de Janeiro deste ano, depois de ter participado num protesto em Belém, na Margem Ocidental ocupada, exigindo a devolução pelas autoridades israelitas dos corpos de palestinos mortos por elas retidos. Mais uma vez Mohammed al-Qiq foi colocado em detenção administrativa.
No regime detenção administrativa, Israel pode manter palestinos encarcerados por períodos de seis meses indefinidamente renováveis, sem julgamento nem culpa formada e sem sequer justificar os motivos da detenção.

Páginas

Subscreva Direitos Humanos e Presos Políticos