Resistência, Política e Sociedade Palestinas

A dirigente feminista Khitam Saafin, presidente da União dos Comités de Mulheres Palestinas, que foi presa na madrugada de 2 de Julho por forças de ocupação israelitas, recebeu ontem, 9 de Julho, uma ordem de detenção administrativa de três meses, assinada pelo comandante da ocupação militar da Margem Ocidental, informa a organização palestina de direitos dos presos Addameer. A audiência de confirmação será realizada no tribunal militar de Ofer na quarta-feira 12 de Julho.
No mesmo dia que Khitam Saafin foi também presa Khalida Jarrar, dirigente da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) e deputada ao Conselho Legislativo Palestino. Ambas estão detidas na prisão israelita de HaSharon. Na primeira audiência, a 5 de Julho, o juiz decidiu prolongar a detenção das duas por mais 72 horas. O Exército israelita disse que a sua prisão se deve ao seu papel de dirigentes da FPLP.
Ismail Haniyeh salientou na quarta-feira, 5 de Julho, no seu primeiro discurso desde que em Maio foi eleito para substituir Khalid Meshaal como líder do Bureau Político do Hamas (Movimento Islâmico de Resistência), que o direito ao regresso, a libertação das terras palestinas e dos locais sagrados e a criação de um Estado palestino independente com Jerusalém como capital são direitos inegociáveis.
Afirmando que o governo dos EUA estava a procurar forjar um acordo de paz «regional», Haniyeh advertiu que ele serviria «para extinguir a causa palestina». O Hamas, declarou, «nunca aceitará qualquer proposta [de paz] … que não sirva os interesses do nosso povo ou que não salvaguarde os seus direitos … Qualquer solução ou compromisso que não garanta o direito do povo palestino à liberdade — e a criação de um Estado palestino soberano com Jerusalém como capital — estará condenado ao fracasso».
Forças militares israelitas prenderam a deputada palestina Khalida Jarrar e vários militantes da Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) durante incursões de madrugada na Margem Ocidental ocupada.
Na madrugada de domingo 2 de Julho, um grande número de soldados israelitas invadiram a casa de Khalida Jarrar, no centro da cidade de Ramala, e prenderam-na. O seu marido afirmou que as forças israelitas apreenderam computadores durante o ataque.
A agência de espionagem interna israelita, Shin Bet, anunciou em comunicado que Jarrar foi presa juntamente com um activista palestino por «promover actividades terroristas», sem fornecer qualquer informação adicional. Israel classifica como actividades terroristas as acções de resistência à ocupação.
A Frente Popular para a Libertação da Palestina (FPLP) e o Hamas (Movimento Islâmico de Resistência) reivindicaram o ataque mortal ocorrido em Jerusalém Oriental ocupada na passada sexta-feira, 16 de Junho.
Uma agente da polícia de fronteiras israelita foi morta no ataque, realizado com facas e uma arma automática. Os três palestinos foram mortos a tiro por polícias israelitas no local, perto da Porta de Damasco da Cidade Velha de Jerusalém.
Segundo os meios de comunicação social israelitas, o chamado Estado Islâmico reivindicou o ataque. Já o exército israelita afirmou que o ataque foi realizado por uma célula local «não pertencente a nenhuma organização terrorista».
A Youth Development Association, uma organização palestina baseada em Nablus, na Margem Ocidental, promove, entre 22 de Julho e 2 de Agosto, a segunda edição do Motherland Work Camp. Estão previstos oito dias de actividades, que incluem trabalho agrícola, apoio a crianças e serviço social. São, ainda, reservados dois dias para visitas a algumas cidades palestinas. O campo está situado na localidade de Zababdeh, próximo da cidade de Jenin.
Os palestinos observaram hoje, 22 de Maio, uma greve geral, fechando empresas e instituições, para apoiar os 1500 presos políticos palestinos que estão em greve de fome nas prisões israelitas desde 17 de Abril.
Segundo a comissão de média para a Greve da Fome Liberdade e Dignidade, é «a primeira vez desde a Primeira Intifada palestina (1987-1993) que uma greve geral é observada na Margem Ocidental ocupada, no território palestino ocupado em 1948 [actual Israel] e na diáspora».
Na Margem Ocidental ocupada, fecharam escolas, bancos e transportes públicos, enquanto os hospitais e serviços de emergência continuaram a funcionar.
O Alto Comité de Acompanhamento para os Cidadãos Árabes [Palestinos] de Israel sublinhou que todos os cidadãos palestinos de Israel deveriam aderir à greve geral, com excepção das escolas e serviços de emergência.
No dia em que cerca de 1500 presos políticos palestinos nas cadeias de Israel entraram no 34.º dia de greve da fome, um grupo de presos foram hoje, 20 de Maio, transferidos para um hospital civil israelita.
O Serviço Prisional de Israel (IPS) transferiu um grupo de grevistas de fome palestinos para Centro Médico Barzilai, na cidade isarelita de Ashkelon, depois de os presos terem gradualmente parado de beber de água e de a sua saúde ter atingido um estado crítico.
O governo israelita continua as suas tentativas de neutralizar a direcção da greve da fome e a recusar negociações directas com os seus líderes, nomeadamente Marwan Barghouthi, dirigente da Fatah condenado a cinco penas de prisão perpétua. No entanto, os grevistas mantêm-se unidos com os dirigentes da greve.
Os resultados das eleições municipais realizadas ontem na Margem Ocidental ocupada foram hoje, 14 de Maio, anunciados pela Comissão Eleitoral Central palestina (CEC).
As eleições, convocadas pela Autoridade Palestina, dominada pelo movimento Fatah, só tiveram lugar na Margem Ocidental. O Hamas, no poder na Faixa de Gaza cercada, rejeitou a sua legitimidade, dizendo que elas só deveriam realizar-se após a reconciliação entre o Hamas e a Fatah, em conflito há mais de uma década.
Foram às urnas em 145 municípios 420.682 eleitores (53,4%), de um total de 787.386. Noutros 181 municípios só concorria uma lista, vencendo automaticamente, enquanto em 65 localidades não se apresentaram quaisquer listas.
A taxa de participação foi praticamente a mesma que nas eleições locais de 2012 e 2005.
Hoje, 11 de Maio, o Comité Central da Fatah, o maior movimento político palestino, apelou oficialmente a todos os seus membros que se encontram nas prisões israelitas a participarem na Greve da fome pela Liberdade e a Dignidade, que vai já o seu 25.º dia. A decisão aplicar-se-ia a todos os presos do sexo masculino, com excepção dos doentes e menores.
Segundo o Clube dos Presos Palestinos, esta decisão da Fatah iria acrescentar 1000 novos presos aos cerca de 1500 que desde 17 de Abril se encontram em greve da fome.
Já hoje cerca de 100 presos palestinos de todas as filiações políticas terão aderido à greve, informa a Samidoun (rede de solidariedade com os presos palestinos).
O Hamas (Movimento de Resistência Islâmico) anunciou ontem, 1 de Maio, um novo Documento de Princípios e Políticas Gerais. Segundo a agência noticiosa palestina Ma'an, o documento aceita um Estado palestino dentro das fronteiras da «Linha Verde» de 1967, ao mesmo tempo que rejeita qualquer legitimidade da «entidade sionista», ou seja, o Estado de Israel.
«O Hamas rejeita qualquer alternativa à libertação total e completa da Palestina, do rio até ao mar. Contudo, sem comprometer a sua rejeição da entidade sionista e sem abrir mão de quaisquer direitos dos palestinos, o Hamas considera a criação de um Estado palestino plenamente soberano e independente, com Jerusalém como sua capital, nas linhas de 4 de Junho de 1967, com o retorno dos refugiados e dos deslocados às suas casas de onde foram expulsos, para ser uma fórmula de consenso nacional», afirma-se no documento.

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas