Solidariedade em Portugal

Mais de cinco centenas de pessoas reuniram-se esta tarde, no Largo de Camões, em Lisboa, em resposta a um apelo lançado pelo CPPC, pela CGTP-IN, pelo MDM e pelo MPPM, a que se associaram mais de 50 outras organizações e acima de uma centena de subscritores individuais. Falaram, em nome das organizações primeiras promotoras, Filipe Ferreira (CPPC), Ana Souto (MDM), Carlos Almeida (MPPM) e Arménio Carlos (CGTP-IN). Houve sentida manifestação de solidariedade com a heróica resistência do povo palestino e uma veemente condenação da decisão da administração americana pela decisão de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e par aí transferir a sua embaixada. Causou vivo repúdio a realização dos festejos de inauguração da embaixada ao mesmo tempo que o exército israelita continua a assassinar manifestantes palestinos desarmados. Só no dia de hoje, já se tinham registado mais de 50 mortos e acima de dois milhares de feridos.
O MPPM apoia a Flotilha da Liberdade (Freedom Flotilla) - Rumo a Gaza, (2018), que passará por Portugal, neste Verão. Com o apoio do Centro InterculturaCidades, o MPPM organizou um primeiro jantar palestino de apoio a esta iniciativa e de angariação de fundos que serão destinados a suprir algumas necessidades da tripulação. Haverá um segundo jantar no próximo dia 25 de Maio.
A anteceder o jantar, houve a exibição de dois documentários («The Documentary Israel does not want you to see - Occupation 101 - Part 3 of 9» e «Bilin - the struggle against the annexation wall») a que se seguiu um debate moderado por Adel Sidarus.
Para o jantar houve Hummus (pasta de grão com tahine e coentros), para entrada, Makluba (é uma espécie de paella, confeccionado em camadas com frango, arroz basmati, beringela e couve flor assada, tomate e cebola) para prato principal e Harissa palestino (bolo de semolina com amêndoa) para sobremesa.
O MPPM, a Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo e a Associação Alves Redol realizaram uma sessão de esclarecimento sobre a Palestina no Auditório da Junta de Freguesia de Vila Franca de Xira.
António Redol, em nome da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo, abriu a sessão.
Foi então exibido o filme «O Muro de Ferro», do realizador palestino Mohammed Alatar, que aborda a história da implantação sionista na Palestina, acompanhando o crescimento da construção dos colonatos e o seu impacte no processo de paz. Foca, ainda, os mais recentes projectos para tornar permanentes os colonatos – a construção do Muro e o seu efeito na vida da população palestina.
Jorge Cadima, da Direcção Nacional do MPPM, fez uma breve síntese dos aspectos mais sensíveis da questão palestina, sem esquecer os graves acontecimentos da actualidade. Seguiu-se um debate com forte participação da assistência.
 
A Assembleia Municipal de Lisboa aprovou um Voto de condenação do massacre de palestinianos pelas autoridades israelitas, apresentado pelos deputados municipais Cláudia Madeira e Sobreda Antunes, do Partido Ecologista Os Verdes. O MPPM saúda esta manifestação de repúdio da violenta e brutal repressão de manifestações pacíficas por Israel, e simultaneamente de solidariedade com a causa do povo palestino. É o seguinte o texto integral do Voto, aprovado na reunião da AML de 24 de Abril:
 
VOTO DE CONDENAÇÃO
Massacre de palestinianos pelas autoridades israelitas
No Dia da Terra, 30 de Março, o povo palestiniano evoca o dia  em  que  forças israelitas mataram seis palestinianos durante protestos contra o confisco de terras, em 1976, assinalando-se este ano o seu 42.o aniversário.

O MPPM associou-se à Festa dos Trabalhadores organizada pela CGTP-IN e pela USL, integrando o grande desfile entre o Martim Moniz e a Alameda.
Na Alameda, tivemos um stand em que apresentámos uma pequena exposição evocativa dos 70 anos da Nakba, para recordar que, sete décadas volvidas sobre a invenção do Estado de Israel, persiste o esforço de limpeza étnica por parte das forças sionistas, mas que se tem deparado com a resistência heróica de um povo que não desiste.
E para testemunhar o nosso apoio à luta do povo palestino, o MPPM, o CPPC, a CGTP-IN e o MDM vão promover uma concentração no próximo dia 14 de Maio, pelas 18 horas, no Largo do Camões, em Lisboa.

O MPPM associou-se às Comemorações Populares do 25 de Abril em Lisboa, juntando-se aos muitos milhares de pessoas que hoje desceram a Avenida para lembrar que a liberdade que os portugueses recuperaram em 1974 ainda não chegou aos palestinos.

Solidariedade em Palmela 15 Mar 2018
Prosseguindo a sua notável acção de solidariedade com a Palestina, o município de Palmela promoveu hoje mais uma iniciativa, desta vez integrada na 23.ª edição do Março a Partir — Mês da Juventude.
A jornada solidária, organizada pela Câmara Municipal de Palmela e pela Missão Diplomática da Palestina, com o apoio do MPPM, iniciou-se com a inauguração da Exposição «Herança Cultural Palestiniana — História e Luta», que estará patente na Sala de Exposições da Biblioteca Municipal de Palmela até ao dia 26 de Abril.
Seguiu-se uma sessão-debate com alunos do ensino secundário do concelho, em que intervieram a artista plástica Joana Vilaverde, o jornalista José Goulão, o embaixador da Palestina, Nabil Abuznaid, e o presidente da Câmara Municipal de Palmela, Álvaro Amaro. A moderação esteve a cargo de Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM.
No Dia Internacional da Mulher, o MPPM homenageia a mulher palestina pela mão de dois nomes maiores da sua cultura. O poeta Mahmoud Darwich (1941-2008) traz-nos o poema «À Minha Mãe», que o pintor Ismail Shamout (1930-2006) ilustra com a sua obra «Preparação do Casamento», de 1987.
À MINHA MÃE
Tenho saudades do pão da minha mãe,
Do café da minha mãe,
Do carinho da minha mãe...
Estou a crescer,
De dia para dia,
E amo a vida, porque
Se morresse,
Teria vergonha das lágrimas da minha mãe!
Se um dia voltar, faz de mim
Uma sombrinha para as tuas pálpebras.
Cobre os meus ossos com a erva
Baptizada sob os teus pés inocentes.
Ata-me
Com uma mecha dos teus cabelos,
A Junta de Freguesia de Quinta do Anjo (concelho de Palmela), na sua reunião do dia 24 de Janeiro, aprovou uma moção de solidariedade com Ahed Tamimi, reclamando a sua liberdade e a de todos os todos os menores palestinos presos e condenando a repressão e violência de Israel.
O MPPM saúda esta deliberação da Junta de Freguesia de Quinta do Anjo, que vem demonstrar mais uma vez o seu empenho na solidariedade com a causa do povo palestino. Recordamos que na Quinta do Anjo que em 30 de Março de 2017, num acto de grande significado simbólico e solidário promovido pelo município palmelense, foi plantada uma oliveira e descerrada uma placa alusiva ao Dia da Terra Palestina, que nessa data se comemorava.
A moção de mais este órgão autárquico junta-se ao movimento que em todo o mundo, e também em Portugal, reclama a liberdade de Ahed Tamimi e de todos os presos palestinos nos cárceres de Israel.
É o seguinte o texto da moção:
As autoridades israelitas destruíram ontem, domingo, duas salas de aula de uma escola na Margem Ocidental ocupada, financiada pela União Europeia, alegando que foram construídas ilegalmente. As duas salas de aula serviam 26 crianças do 3.º e 4.º anos de uma escola na localidade de Abu Nuwar, nos arredores de Jerusalém.
As duas salas de aula, separadas do resto da escola, foram demolidas de manhã cedo por uma equipa de trabalhadores, após o sector ser bloqueado pelas forças repressivas israelitas.
É a quinta vez que esta escola é demolida desde 2016, declararam responsáveis palestinos. Os habitantes reconstruíram-na sempre, com a ajuda de ONGs e fundos europeus.
As autoridades israelitas pretextam que as demolições se devem a decisões judiciais contra construções não autorizadas, mas os palestinos sabem que fazem parte de um plano mais vasto visando a apropriação de terras para a expansão dos colonatos judaicos.

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal