Solidariedade em Portugal

Em nome do MPPM, saúdo o III Encontro da Paz e todas as associações e organizações que, sob este belo lema, «Nos 50 anos de Abril, pela Paz todos não somos demais!», aqui e agora quiseram dar-lhe forma e sentido – destacando desde já as entidades organizadoras que têm tido papel histórico na solidariedade com a causa palestina, como a CGTP Intersindical e o CPPC, sem esquecer o MDM e a URAP, cujas representantes me acompanham nesta mesa, entre muitas outras.

José António Gomes | É legítima a resistência dos palestinos à ocupação
José António Gomes | É legítima a resistência dos palestinos à ocupação

Vinte e dois deputados da Assembleia da República, dos grupos parlamentares do PS, do PCP e do BE, tornaram público um apelo «ao estabelecimento de um cessar-fogo imediato, duradouro e sustentado que conduza à cessação da atual escalada de violência na Faixa de Gaza, na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e em Israel.»


Por um cessar-fogo imediato, duradouro e sustentado levando à cessação da atual escalada de violência

A Assembleia Geral das Nações Unidas adotou, no dia 27 de outubro, uma Resolução sobre a proteção dos civis e o cumprimento das obrigações legais e humanitárias face à grave deterioração da situação na Faixa de Gaza e nos restantes territórios palestinianos ocupados, incluindo Jerusalém Leste, e em Israel.

Promovido pelo CPPC e pelo MPPM realizou-se, neste sábado, 9 de Dezembro, em Viseu, um debate inserido no ciclo de iniciativas «Paz no Médio Oriente, Palestina Independente!».

Dezenas de pessoas encheram o espaço Carmo ’81 e seguiram com vivo interesse o debate animado por Helena Pereira, do CPPC, e Carlos Almeida, do MPPM.

Respondendo a um apelo lançado pelo CPPC, pela CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído, Lisboa voltou a assistir a uma grande manifestação em que milhares de pessoas, na sexta-feira 8 de Dezembro, entre o Martim Moniz e o Largo José Saramago, exigiram o fim da agressão genocida contra Gaza, um cessar-fogo imediato e permanente e o respeito pelos direitos nacionais e humanos do povo palestino.

Nesta quinta-feira, 5 de Dezembro, ilustradores portugueses e internacionais estiveram na rua - numa primeira vez em Coimbra, alguns colando cartazes de sua autoria - pelo cessar-fogo em Gaza e pela paz, numa acção que contou com o apoio do MPPM, do CPPC, da CGTP-IN e do Projecto Ruído - Associação Juvenil.

A primeira colagem processou-se com um mural de cartazes na parede junto às escadas de acesso aos jardins da AAC, após a esquina do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV). Outro mural foi colado no jardim da Sá da Bandeira numa parede em frente das paragens junto do TAGV / Praça da República. Outros murais serão colados nos próximos dias.

A Associação All Aboard, em cooperação com o MPPM, o CPPC e o Projecto Ruído, organizou no passado dia 1 de Dezembro, no Auditório da Casa do Largo, em Setúbal, uma sessão em que foi exibido o documentário "Epicly Palestine'd" seguido de um debate sobre Skate e Resistência: a Juventude quer a Paz!

O debate teve a participação de Raul Ramires em representação do MPPM.

A All Aboard tem como finalidade dar oportunidade a todos/as, sem excepção, de praticarem a modalidade de skate, independentemente do género, idade, condição física, social e/ou financeira. Procura promover a integração e inclusão da forma mais pura, sem diferenças, tendo como principal missão a garantia de igualdade e equidade de oportunidades para todas as pessoas.


Fotos: All Aboard

O Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino foi ontem assinalado no Funchal, no Largo dos Varadouros, com uma concentração convocada pelo CPPC, pela CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído.

Carolina Cardoso, do Conselho Português para a Paz e Cooperação, reafirmou a urgência do estabelecimento de um cessar-fogo imediato e permanente, do fim ao cruel bloqueio à Faixa de Gaza e da ajuda humanitária à população palestina, exigindo paz no Médio Oriente e o cumprimento dos direitos nacionais do povo palestino.

A Câmara Municipal do Seixal, em colaboração com o MPPM e o CPPC, organizou nesta quinta-feira, 30 de Novembro, o Colóquio «75 anos de NAKBA: A Catástrofe na Palestina» que contou com a presença da Embaixadora de Angola, de um representante de Embaixada da Venezuela, de membros da Embaixada da Palestina, de representantes do poder local e de público em geral.

A abrir a sessão, intervieram Paulo Silva, presidente da Câmara Municipal do Seixal, e Nabil Abuznaid, Embaixador da Palestina em Portugal.

Helena Palacino moderou o painel «Os 75 anos da Nakba e Uma Nova Catástrofe: A Palestina no Centro do Mundo» que abriu com a comunicação de Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM, que esboçou o contexto histórico em que se tem desenrolado a questão palestina, desde a Declaração Balfour até aos nossos dias.

A Câmara Municipal de Palmela assinalou o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, na manhã de 29 de Novembro, com uma cerimónia no Auditório Municipal de Pinhal Novo – Rui Guerreiro que contou com a presença do Embaixador da Palestina, de eleitos do município e de freguesias do concelho, de alunos de escolas de Palmela e de representantes do MPPM e do CPPC.

O Acto de Solidariedade com o Povo da Palestina iniciou-se com o hastear da bandeira da Palestina pelo Presidente da C.M. Palmela, Álvaro Balseiro Amaro, e pelo Embaixador da Palestina, Nabil Abuznaid.

A moção «Pela Paz e Autodeterminação do Povo Palestino», aprovada por unanimidade na reunião de Câmara de 22 de Novembro, foi lida em português e inglês por alunos do Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos e da International School of Palmela (ISP).

Alunos da ISP ainda leram alguns textos de sua autoria e passagens do Corão.

A solidariedade com a Palestina voltou a reunir centenas de pessoas na Praça Martim Moniz, em Lisboa, no fim de tarde desta quarta-feira, 29 de Novembro, Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, respondendo a um apelo da CGTP-IN, do CPPC, do MPPM e do Projecto Ruído.

O evento iniciou-se com um die-in, uma iniciativa da comunidade palestina para homenagear as vítimas do massacre israelita do povo de Gaza. Depois da apresentação feita por Dima Dijoore e Ana Nicolau, dezenas de pessoas deitaram-se no chão num silêncio apenas cortado por adequada música palestina. O die-in terminou ao som de Grândola Vila Morena.

Sofia Lisboa leu então dois dos Monólogos de Gaza, uma compilação de testemunhos de crianças e jovens de Gaza no rescaldo da covarde agressão de 2008-2009 que Israel apelidou de «Operação Chumbo Fundido».

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal