Solidariedade em Portugal

A Assembleia da República aprovou no passado dia 26 de Setembro um Voto condenando a decisão das autoridades israelitas de expulsar os habitantes de Khan al-Ahmar.
O MPPM congratula-se com resolução deste órgão de soberania, que junta assim a sua voz à condenação que no mundo inteiro se faz ouvir contra o mais recente exemplo da limpeza étnica da população palestina levada a cabo pelo Estado sionista, com o objectivo de ampliar a colonização e impossibilitar a criação do Estado palestino.
O Voto foi apresentado pelo Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português, tendo sido aprovado com os votos a favor do PCP, PEV, PS, BE e PAN, os votos contra do PSD e a abstenção do CDS-PP.
É o seguinte o texto integral do documento:
 
«Voto de condenação n.º 623/XIII-4ª
da ordem de expulsão dos habitantes de Khan al-Ahmar por parte das autoridades de Israel
A Câmara Municipal de Palmela, na sua reunião do passado dia 22 de Agosto, aprovou por unanimidade de congratulação pela libertação da jovem Ahed Tamimi, presa desde 19 de Dezembro de 2017 nas cadeias de Isral.
O MPPM felicita a Câmara Municipal de Palmela por mais esta tomada de posição solidária, que vem somar-se às muitas demonstrações da solidariedade deste município com a causa do povo palestino.
É o seguinte o texto integral da moção:
 
Saudação
(Libertação de Ahed Tamimi)
Em 29 de Julho a embarcação Al Awda (O Retorno), com bandeira norueguesa, foi apresado pela marinha israelita em águas internacionais, a cerca de 50 milhas náuticas de Gaza. Posteriormente foi levado para o porto israelita de Ashod, sendo presas as 22 pessoas (8 tripulantes e 14 passageiros) de 16 nacionalidades que seguiam a bordo.
 
Parte da Flotilha da Liberdade que tenta romper o bloqueio ilegal a que Israel submete da Faixa de Gaza desde há doze anos, o Al Awda, um antigo barco de pesca da Noruega, transportava medicamentos e destinava-se a ser oferecido aos pescadores palestinos em Gaza.
 
Um outro barco da Flotilha, o Freedom, com bandeira sueca, que também transporta material médico e leva a bordo pessoas de várias nacionalidades, continua a dirigir-se para Gaza, sendo de temer que seja alvo de idêntico acto de violência por parte de Israel.
 
Membros da tripulação do Al-Awda e do Freedom, que integram a Flotilha da Liberdade 2018 – Rumo a Gaza, estiveram ontem à conversa com simpatizantes portugueses, desta vez no espaço da Fábrica de Alternativas, em Algés.
Fomos recebidos por Conceição Alpiarça, que apresentou o espaço e o seu conceito de «banco de tempo».
James Godfrey, o responsável de comunicação do projecto, evocou a história das várias flotilhas que se dirigiram a Gaza para furar o desumano bloqueio imposto por Israel, desde a primeira campanha, em 2008, e a única a chegar a Gaza, até ao presente, sem esquecer o bárbaro assassinato pelas forças sionistas de 10 tripulantes do Mavi Marmara na campanha de 2010. Apelou a acções de apoio à flotilha, não só pela solidariedade com o povo palestino que a iniciativa representa, mas também para segurança das tripulações.
A personalidade de José Afonso foi hoje invocada na sessão realizada na Associação de que é patrono e que foi o primeiro encontro público da tripulação da Flotilha da Liberdade com o público de Lisboa.
A sala da Associação José Afonso encheu-se para ouvir membros da tripulação e pedir-lhes que levem ao povo da Palestina e, em particular, ao povo de Gaza, o testemunho da solidariedade do povo português.
Abriu a sessão Teresa Palma Fernandes, em nome da AJA, seguindo-se, em representação das organizações que apoiaram a estadia da Flotilha em Portugal, Ana da Ponte, do Grupo Acção Palestina, e Carlos Almeida, do MPPM. Fechou as intervenções portuguesas o deputado Ivan Gonçalves, Vice-Presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina.
Seguiram-se intervenções de dois tripulantes da Flotilha: Ron Rosseau, sindicalista canadiano, e Awni Farhat, palestino nascido em Gaza.
Vários membros das tripulações das embarcações Freedom e Al-Awda, que integram a Flotilha da Liberdade 2018 — Rumo a Gaza e se encontram amarradas na Marina de Cascais, tiveram, hoje de manhã, um encontro com a Comunicação Social no espaço da Casa de Santa Maria posto à disposição pelo Município. O encontro contou ainda com a presença do deputado Bruno Dias, presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina.
No final, os tripulantes acompanharam os jornalistas e os activistas portugueses numa visita às duas embarcações.
A entrada do veleiro Freedom estava prevista para a noite de ontem, mas à última hora surgiu a proibição da Marina de Cascais que pretendia ainda a saída do Al-Awda. Foram precisas doze horas de negociações, com avanços e recuos, para que, finalmente, as duas embarcações se juntassem. Mais uma vez, a força da solidariedade derrotou o braço longo do sionismo.
Membros da tripulação, com representantes das organizações que acolhem a Flotilha da Liberdade em Portugal e o vice-presidente do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina, deputado Ivan Gonçalves vão estar hoje às 18.30 horas, na Associação José Afonso, Rua de São Bento, 170, em Lisboa, para uma sessão pública que contará com a actuação do Coro da Achada.
O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, recebeu hoje de manhã os membros da Flotilha da Liberdade Zohar Chamberlain Regev, israelita, coordenadora da Flotilha; Awni Farhat, palestino, natural de Gaza; e Carlos Ponte, médico de Oviedo, Espanha. Acompanharam-nos, em representação das organizações que acolhem a Flotilha em Portugal, Carlos Almeida, do MPPM, e Natasha Ribeiro, do GAP.
 
 
O navio Al-Awda (O Regresso) que, com o veleiro Freedom (Liberdade), integra a Flotilha da Liberdade 2018 — Rumo a Gaza, atracou hoje na Marina de Cascais. Todavia, quem ali se deslocou para saudar a tripulação, à semelhança do que tem sido feito em todos os outros portos da Europa por onde tem passado, foi impedido de o fazer, tendo que se reunir no exterior da Marina. Também os jornalistas foram impedidos de colher fotografias da embarcação. A situação é tanto mais absurda quanto a Vila de Cascais é geminada com Gaza!
Os barcos Freedom (Liberdade) e Al-Awda (O Retorno), que integram a Flotilha da Liberdade 2018, vão ser acolhidos na Marina de Cascais amanhã, 19 de Junho, às 17h. A Flotilha da Liberdade pretende navegar até Gaza para romper o desumano bloqueio a que Israel sujeita o pequeno território palestino.
Até dia 22, realizam-se na zona de Lisboa uma série de acontecimentos [https://www.facebook.com/MPPM.Movimento.Palestina/photos/a.2161335350730... animados pelos membros da Flotilha e várias organizações portuguesas, incluindo o MPPM, para exigir o fim do bloqueio à Faixa de Gaza e reclamar o direito a um futuro justo para a Palestina.
Flotilha da Liberdade impedida de atracar em Paris
Flotilha da Liberdade impedida de atracar em Paris

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal