Solidariedade em Portugal

A Câmara Municipal de Loures, na sua reunião do dia 17 de Janeiro, aprovou por unanimidade uma moção, apresentada pelos membros da CDU, reclamando liberdade para Ahed Tamimi e condenando a actuação do exército israelita.
O MPPM saúda esta deliberação da Câmara Municipal de Loures, demonstração do empenho deste órgão do poder autárquico na solidariedade com a causa do povo palestino.
A moção vem somar-se ao amplo movimento que no mundo inteiro, e também em Portugal, protesta contra a detenção e reclama a liberdade de Ahed Tamimi e de todos os presos palestinos nas prisões de Israel.
É o seguinte o texto integral da moção:
Liberdade para Ahed Tamimi
A jovem ativista palestiniana, de 16 anos, Ahed Tamimi foi detida na madrugada do passado dia 19 de dezembro por forças do exército israelita que assaltaram a sua casa, situada na aldeia de Nabi Saleh.
A Câmara Municipal de Palmela, na sua reunião pública do passado dia 10 de Janeiro, aprovou por unanimidade uma moção reclamando Liberdade para Ahed Tamimi e todos os menores palestinos presos.
O MPPM saúda mais esta deliberação da Câmara Municipal de Palmela, que se tem relevado um verdadeiro exemplo de empenho autárquico na solidariedade com a causa do povo palestino.
A moção vem somar-se ao larguíssimo movimento que no mundo inteiro protesta contra a detenção e reclama a liberdade de Ahed Tamimi de todos os presos palestinos nas prisões de Israel.
É o seguinte o texto integral da moção:
LIBERDADE PARA AHED TAMIMI E TODOS OS MENORES PALESTINOS PRESOS
Ahed Tamimi, de 16 anos, conhecida ativista palestina contra a ocupação, foi detida na madrugada do dia 19 de dezembro por militares e polícias de fronteira de Israel que assaltaram a sua casa, na aldeia de Nabi Saleh, na Margem Ocidental ocupada.
Um tribunal militar israelita ordenou hoje o prolongamento da prisão preventiva da jovem Ahed Tamimi, de 16 anos, detida na madrugada de 19 de Dezembro passado.
Ahed continuará detida até à próxima quarta-feira, de modo a dar tempo ao tribunal para decidir se ela poderá sair sob fiança antes do julgamento. Os procuradores pedem que ela seja mantida presa até ao julgamento.
Gaby Lasky, a advogada de Ahed, argumentou no tribunal que o prosseguimento da sua detenção viola as convenções internacionais, já que ela é menor.
Ahed Tamimi é alvo de 12 acusações, incluindo agressão, e pode vir a ser condenada a uma prolongada pena de prisão.
O MPPM convida a participar nas iniciativas sobre a Palestina levadas a cabo pela Fundação José Saramago (Casa dos Bicos - Rua dos Bacalhoeiros - Lisboa) no quadro da sua programação de Janeiro e Fevereiro.
Na próxima quarta-feira, 17 de Janeiro, às 18.30 horas, será inaugurada a exposição «Esta Bandeira da Esperança: Um Olhar sobre a Questão Palestina», produzida pelo MPPM. Seguir-se-á um debate animado por Maria do Céu Guerra, Carlos Araújo Sequeira e Carlos Almeida.
Na quarta-feira, 24 de Janeiro, também às 18.30 horas, será exibido o filme «Dois metros desta terra seriam suficientes para mim», de Ahmad Natche.
Finalmente, na quarta-feira 31 de Janeiro, ainda às 18.30 horas, haverá uma conversa com o jornalista José Goulão sobre «A colonização israelita: a lenta anexação da Palestina, a morte da ideia de dois Estados».
O programa de Fevereiro será oportunamente divulgado.
 
 
A Assembleia da República aprovou no passado dia 5 de Janeiro um Voto condenando a legislação actualmente em tramitação no parlamento israelita que permitiria a pena de morte para palestinos acusados de «operações contra alvos israelitas». A proposta de lei, apresentada por Naftali Bennett, dirigente do partido de extrema-direita Lar Judaico e ministro da Educação, foi aprovada em primeira leitura por 52 votos contra 49 e terá agora de ser aprovada em mais duas leituras.
O Voto aprovado pela Assembleia da República foi apresentado pelo Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, tendo merecido os votos favoráveis dos grupos parlamentares do PSD, PS, BE, CDS-PP, PCP, PEV e PAN, e os votos contra dos deputados João Soares (PS) e João Rebelo (CDS-PP).
É o seguinte o texto integral do documento:
«VOTO DE CONDENAÇÃO PELA FACILITAÇÃO DO RECURSO À PENA DE MORTE EM ISRAEL
Solidariedade com a Palestina 20 Dez 2017
Muitas vozes deram Voz à Solidariedade com a Palestina hoje, à tarde, na Casa do Alentejo, em Lisboa.
Numa iniciativa do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses-Intersindical Nacional (CGTP-IN), do Movimento Democrático de Mulheres (MDM) e do Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e Pela Paz no Médio Oriente (MPPM), realizou-se uma sessão de solidariedade com a Palestina que registou a presença de quase centena e meia de pessoas.
Intervieram Gustavo Carneiro, da Direcção Nacional do CPPC, Arménio Carlos, Secretário-Geral da CGTP-IN, Regina Marques, da Direcção Nacional do MDM, e Carlos Almeida, Vice-Presidente do MPPM, e houve ainda testemunhos de vários elementos da assistência.
20 de Dezembro - 18h - Casa do Alentejo - Lisboa
O MPPM apela à participação na TRIBUNA PÚBLICA promovida por:
Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC)
Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses Intersindical-Nacional (CGTP-IN)
Movimento Democrático de Mulheres (MDM)
Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz
no Médio Oriente (MPPM)
Sessão Dia Internacional de Solidariedade 2017
Uma vasta assistência respondeu ao apelo do MPPM para que o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino que ontem se assinalou na Casa do Alentejo, em Lisboa, representasse uma forte manifestação da solidariedade do povo português com a luta do povo palestino.
Este Dia Internacional de Solidariedade, recorde-se, foi instituído pela Assembleia Geral das Nações em 1977, por reconhecer a dívida da comunidade internacional para com o povo palestino dado que, 30 anos após a adopção da resolução 181 (II), em 29 de Novembro de 1947, que preconizava a partilha da Palestina em dois Estados - um judaico e um árabe - com um estatuto especial para Jerusalém, continuava por cumprir a criação do Estado Palestino.
A Câmara Municipal de Palmela, na sua reunião pública do passado dia 22 de Novembro, aprovou por unanimidade uma moção reclamando Justiça para a Palestina.
Por ocasião do Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino, que se assinala no próximo dia 29 de Novembro, a Câmara Municipal de Palmela apela às Nações Unidas, entre outras medidas, para a criação efectiva do Estado Palestino, o fim da ocupação israelita, o desmantelamento dos colonatos e a libertação dos presos políticos. No documento, a autarquia expressa ainda o apoio aos esforços do povo palestino no sentido da criação do Estado da Palestina e o respeito pelo direito ao regresso dos refugiados.
O MPPM saúda mais esta iniciativa da Câmara Municipal de Palmela, que se tem relevado um verdadeiro exemplo de empenho na solidariedade com a causa do povo palestino.
 
Realizou-se hoje, 22 de Novembro, a audiência solicitada pelo MPPM ao presidente da Assembleia da República para apresentar o Manifesto «Justiça para a Palestina!». Este pedido de audiência, tal como pedidos similares dirigidos ao primeiro-ministro e ao presidente da República, tinha sido decidido pelos subscritores presentes na sessão de apresentação pública do Manifesto, realizada no passado dia 2 de Novembro na Fundação José Saramago.
A delegação dos subscritores, composta por Maria do Céu Guerra, António Delgado Fonseca e José Neves, e ainda por José Oliveira, em representação do MPPM, foi recebida pelo senhor deputado Jorge Lacão, vice-presidente, por delegação do presidente da Assembleia da República.

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal