Solidariedade em Portugal

Muitas centenas de pessoas desfilaram ontem, sábado, na Baixa de Lisboa na última da série de acções de rua que, por iniciativa do CPPC, a que o MPPM e mais quatro dezenas de organizações aderiram, tiveram lugar no Porto, em Coimbra, em Faro, no Funchal e agora em Lisboa, para reclamar «Parar a Guerra! Dar uma Oportunidade à Paz!».

Partindo do Largo de Camões, a manifestação desceu o Chiado até à Praça do Município onde actuou Sebastião Antunes, antecedendo as intervenções de José Pinho, do Projecto Ruído, Isabel Camarinha, da CGTP-IN, e Ilda Figueiredo, do CPPC.

Fernando Lopes Jorge, que fez as apresentações, recordou o Apelo para a participação neste acto público:

É preciso continuar a defender a paz mobilizando e reunindo todas as vontades empenhadas nesta causa plena de actualidade e importância.

O MPPM, uma representação significativa da comunidade palestina e outros colectivos, integraram ontem, sábado, a Marcha do Orgulho LGBT+ de Lisboa denunciando a política de “pinkwashing” com que Israel procura branquear a sua sistemática e generalizada violação dos direitos dos palestinos.

Ao longo do percurso entre a Praça de Martim Moniz e a Feira da Diversidade, instalada na Avenida Ribeira das Naus, gritou-se que não há orgulho no apartheid (“No Pride in Apartheid”) e reclamou-se liberdade para a Palestina (“Free, Free Palestine”).

Na sequência de posições que vem assumindo contra as campanhas de “pinkwashing” do Estado de Israel, a organização da Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa decidiu reafirmar publicamente a sua solidariedade com o povo palestino e nesse sentido convidou, nomeadamente, o MPPM a participar na Marcha deste ano, convite que naturalmente foi aceite.

Centenas de pessoas encheram ontem, 15 de Junho, a Praceta da Palestina, no Porto, em resposta ao apelo lançado pelo Conselho Português para a Paz e Cooperação «Parar a guerra! Dar uma oportunidade à Paz» a que aderiram mais de 40 organizações, entre as quais o MPPM.

Depois de um momento musical com Miro Couto, a jovem Joana Machado e Luis Afonso apresentaram a iniciativa, a que se seguiram as intervenções de Cristina Nogueira em nome da USP/CGTP-IN e Ilda Figueiredo em nome do CPPC.

Como se refere no apelo, «é urgente parar a confrontação e a guerra, seja na Palestina, no Sara Ocidental, na Síria, no Iémen, no Sudão ou na Ucrânia, com as trágicas consequências e os sérios perigos que comportam».

Não podemos deixar esquecer que o povo palestino é vítima de uma agressão continuada há 75 anos mas que é coberta com um insuportável manto de silêncio.

As iniciativas vão prosseguir hoje e amanhã em Coimbra, Faro, Funchal e Lisboa.

Sendo o povo palestino vítima da ocupação colonial e do apartheid do Estado de Israel, o MPPM não pode alhear-se das lutas anti-racistas e juntou-se, por isso, a mais de três dezenas de organizações numa manifestação, neste sábado, 10 de Junho, na Baixa de Lisboa.

A concentração teve início Pelas 11 horas, junto ao nº 19 de Rua Garrett, onde há 28 anos foi assassinado Alcindo Monteiro. Seguiu-se o desfile até ao Largo do Carmo onde foi lido o Apelo à acção de luta e anunciadas as organizações subscritoras.

APELO

10 DE JUNHO - DIA DE LUTA ANTI-RACISTA

No próximo dia 10 de Junho irá realizar-se uma acção de luta e homenagem às vítimas de racismo e xenofobia em Portugal. A acção terá lugar em Lisboa, na Rua Garrett, n.º 19, às 11h e seguirá em desfile até à Praça Luís de Camões, onde terminará esta acção.

A convite da centenária Sociedade Recreativa Operária de Santarém, Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM, participou, no sábado 27 de Maio, no evento Palestina Livre organizado por aquela associação para recordar a Nakba (“O Desastre”, ou seja, o início da ocupação israelita do território palestino) ocorrida em 1948 e a necessidade de uma Palestina Livre e a paz no Médio Oriente.

Além de Carlos Almeida intervieram Abdeljelil Larbi, professor de Língua e Literatura Árabe Moderna na NOVA-FCSH, e Yahia Abuowda, palestino, médico no Hospital Distrital de Santarém.

O evento concluiu com um jantar-convívio com ementa palestina.

O AbrilAbril falou com Salim Nazzal, escritor e secretário do Fórum Cultural Palestino Europeu, refugiado na Noruega, e Nisreen Lubbad, resistente palestina, sobre a Nakba e o agravar da agressão israelita das últimas semanas.

Salim Nazzal, escritor, dramaturgo e poeta palestiniano, secretário do Fórum Cultural Palestino Europeu, nasceu num campo de refugiados no Líbano. A família foi expulsa das suas casas em 1948, pelas forças de ocupação israelita. Nisreen Lubbad, refugiada palestiniana residente em Madrid, activa na resistência palestina à ocupação israelita, nasceu, tal como Salim, num campo de refugiados.

Uma delegação da CGTP-IN recebeu, na terça-feira 16 de Maio, os dois activistas palestinos que estiveram em Portugal, a convite do MPPM, com o objectivo de participarem num acto público sobre os 75 anos da Nakba.

Salim Nazzal e Nisreen Lubbad, acompanhados por Carlos Almeida, do MPPM, foram recebidos por João Coelho e Diniz Lourenço, da CGTP-IN.

Na reunião com a CGTP-IN, aqueles activistas deram o seu testemunho sobre a forma arbitrária como são tratados os trabalhadores nos postos de controle por parte dos militares da ocupação israelita. Humilhações, agressões físicas e, em muitos casos assassinatos, são o dia a dia destes homens e mulheres que apenas buscam uma forma de sustentar as suas famílias.

O MPPM promoveu na segunda-feira 15 de Maio, na Casa do Alentejo em Lisboa, uma Sessão de Solidariedade com a Palestina evocativa dos 75 anos da Nakba, a catástrofe que rodeou a criação do Estado de Israel e se traduziu na expulsão de 750 000 palestinos das suas casas e terras, na destruição de 500 vilas e aldeias palestinas, na morte de 15 000 homens, mulheres e crianças palestinos.

A sessão foi presidida por Carlos Araújo Sequeira, presidente da Mesa da Assembleia Geral do MPPM, e contou com intervenções de João Vasconcelos-Costa, investigador, activista político e ensaísta, Nisreen Lubbad, refugiada e resistente palestina, Salim Nazzal, escritor, dramaturgo e poeta palestino, e Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM.

A anteceder as intervenções, observou-se um minuto de silêncio em memória das vítimas da repressão israelita na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Salim Nazzal e Nisreen Lubbad, resistentes palestinos que se deslocaram a Portugal a convite do MPPM para participar na sessão comemorativa dos 75 anos da Nakba, estiveram reunidos, na segunda-feira 15 de Maio, com membros do Grupo Parlamentar de Amizade Portugal-Palestina (GPA-PP).

Salim e Nisreen foram acompanhados por Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM.

Pelo GPA-PP estiveram presentes a presidente, deputada Joana Mortágua (BE), o vice-presidente deputado Bruno Dias (PCP) e os deputados Tiago Brandão Rodrigues e Miguel Matos (PS).

Os dois palestinos apresentaram aos deputados uma informação actualizada sobre a situação na Palestina, que foi acolhida com muito interesse, e os deputados reiteraram as suas manifestações de solidariedade com a causa do povo palestino.

O MPPM associou-se às celebrações do Dia Internacional do Trabalhador promovidas, em Lisboa, pela USL/CGTP-IN.

Tivemos um bazar na Alameda onde expusemos cartazes evidenciando o rosto e as consequências da ocupação colonial-racista e do apartheid israelita. Em anexo mostramos imagens da exposição e dos cartazes que exibimos.

Também integrámos a grande manifestação que subiu do Martim Moniz até à Alameda chamando a atenção para a causa do povo palestino.

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal