Solidariedade em Portugal

O MPPM esteve presente na Manifestação Nacional de Mulheres que o MDM convocou para o sábado 23 de Março e que percorreu a Baixa de Lisboa, entre o Rossio e o Largo do Carmo.

Recordando que, tendo em comum com as mulheres portuguesas e as mulheres de todo o mundo a luta pela afirmação dos seus direitos de género, as mulheres palestinas são ainda vítimas da barbárie de um agressor impiedoso.

Por isso, o MPPM reclama para as mulheres palestinas, para todos os Palestinos, o reconhecimento dos seus direitos nacionais e o fim da agressão genocida que os está a vitimar.

Realizou-se na passada quinta-feira 21 de Março, na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira, na Torre da Marinha, Seixal, um Colóquio sobre «A Situação na Palestina», organizado pelos professores Filomena Fernandes e Edgar Rendeiro com o apoio do Gabinete de Paz e Cooperação da Câmara Municipal do Seixal.

Largas dezenas de alunos da Escola participaram na sessão, que durou cerca de duas horas. Após as apresentações e a passagem de um pequeno filme introdutório, foi a vez de Manuel Loff, professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, fazer um enquadramento histórico da questão.

Seguidamente, Jorge Cadima, da Direcção do MPPM, abordou alguns aspectos da história mais recente e da actual agressão de Israel na Faixa de Gaza.

Seguiu-se uma intervenção de Helena Palacino, do Gabinete de Paz e Cooperação da CM do Seixal.

O Porto saiu à rua, uma vez mais, na terça-feira 19 de Março, para reclamar o fim do massacre na Palestina e exigir um cessar-fogo imediato e duradouro.

As muitas pessoas que se concentraram na Praceta da Palestina, respondendo à chamada do MPPM, do CPPC, da USP/CGTP-IN e do Projecto Ruído, aplaudiram as intervenções de Filipe Pereira (USP/CGTP-IN), da jovem Beatriz Castro, de Henrique Borges, que leu um poema sobre as crianças palestinas, de Álvaro Pinto (MPPM) e de Ilda Figueiredo (CPPC). Francisco Aguiar, do Projecto Ruído – Associação Juvenil, fez a apresentação.


Fotos: Henrique Borges e CPPC

Na tarde deste sábado, 16 de Março levámos para a Rua Augusta, em Lisboa, uma tela em branco e potes de tinta e convidámos quem passava a manifestar a sua solidariedade com o povo palestino contribuindo para compor a pintura de uma bandeira palestina apondo a sua impressão digital.

Foi um momento lúdico com uma forte carga política de solidariedade internacional. Dezenas de portugueses e estrangeiros quiseram deixar marcado o seu testemunho, tendo havido ainda a oportunidade de animados diálogos e uma larga troca de impressões.


Fotos e vídeo: MPPM e Manuela Ferrer

Foi inaugurada nesta sexta-feira 15 de Março, na Livraria Ler Devagar LX Factory, em Lisboa, a exposição das obras dos vinte quatro ilustradores que responderam ao convite que lhes foi feito para exprimirem, com o seu trabalho, o seu sentir sobre o que se está a passar na Palestina.

Foram estes os ilustradores que aderiram à iniciativa do MPPM, do CPPC, da CGTP-IN e do Projecto Ruído - Associação Juvenil denunciando a guerra e apelando ao cessar-fogo em Gaza e à Paz, porque «ilustração é resistência»: Alexandra Ramires, Alexandre Esgaio, Ana Biscaia, André Pereira, André Ruivo, Arianna Vairo, Catarina Sobral, Eva Evita, Júlio Dolbeth, Mantraste, Mariana Rio, Marta Monteiro, Marta Nunes, Paul Hardman, Pedro Pousada, Rachel Caiano, Rebal Bueno, Ricardo Ladeira, Sebastião Peixoto, Susa Monteiro, Susana Matos, Teresa Carvalho, Tiago Guerreiro e Vladimiro Vale.

Neste ano em que uma cruel guerra colonial dizima o povo palestino, neste ano em que Portugal festeja o fim de uma guerra colonial imposta à população portuguesa durante 13 longos anos, neste dia 8 de Março de 2024, Dia Internacional da Mulher, por onde andarão os direitos humanos na martirizada Palestina ocupada e, em particular, os direitos das mulheres palestinas?

Em Gaza, desde 7 de outubro de 2023, mais de 30 000 palestinos morreram, há mais de 70 000 feridos, há quase oito milhares de desaparecidos. Estima-se que 70% das vítimas mortais são mulheres e crianças. Entre os detidos palestinos sob custódia, 27 morreram nos últimos dias.

Nestes quase cinco meses - 154 dias - de massacres e de destruições, de privação de água, de alimentos, de cuidados de saúde, as transferências forçadas atingiram 75% da população de Gaza, onde, actualmente, se morre de fome...

O CPPC, o MPPM, a CGTP-IN e o Projecto Ruído promoveram nesta quarta-feira 6 de Março um Acto Público de sensibilização e esclarecimento, no Rossio, em Lisboa.

Com apresentação de Julie Neves (CPPC) e Tomás Gonçalves (Projecto Ruído), o evento começou com um momento musical em que Leonor Pereira cantou e Francisco Antunes acompanhou “A Morte Saiu à Rua” e “Trova do Vento Que Passa”.

Seguiram-se as intervenções de Dinis Lourenço (CGTP-IN), Hindi Mesleh (refugiado palestino residente em Portugal) e Carlos Almeida (MPPM).

Denunciou-se o massacre em curso na Palestina, afirmou-se a urgência de um cessar-fogo permanente, questionou-se a posição do governo português em relação a Israel e garantiu-se a contínua solidariedade do povo português ao povo palestino.

A concluir, as muitas pessoas presentes no Rossio, cantaram “Grandola Vila Morena”.

A Casa da Esquina, em Coimbra, expôs as obras dos vinte quatro ilustradores que responderam ao convite que lhes foi feito para exprimirem, com o seu trabalho, o seu sentir sobre o que se está a passar na Palestina. Denunciam a guerra e apelam ao cessar-fogo em Gaza e a Paz, porque «ilustração é resistência».

Foram estes os ilustradores que aderiram à iniciativa do MPPM, do CPPC, da CGTP-IN e do Projecto Ruído - Associação Juvenil: Alexandra Ramires, Alexandre Esgaio, Ana Biscaia, André Pereira, André Ruivo, Arianna Vairo, Catarina Sobral, Eva Evita, Júlio Dolbeth, Mantraste, Mariana Rio, Marta Monteiro, Marta Nunes, Paul Hardman, Pedro Pousada, Rachel Caiano, Rebal Bueno, Ricardo Ladeira, Sebastião Peixoto, Susa Monteiro, Susana Matos, Teresa Carvalho, Tiago Guerreiro e Vladimiro Vale.

Ler também:

O CPPC, o MPPM e o Projecto Ruído promoveram duas acções de sensibilização e esclarecimento, em Lisboa, nesta quinta-feira 22 de Fevereiro: de manhã, na estação de comboios de Sete Rios, e à tarde na estação de comboios do Cais do Sodré.

Em ambos os locais foram distribuídos folhetos (anexo) com informação actualizada sobre a situação actual na Palestina, a denúncia da política criminosa de Israel e dos seus aliados e apoiantes, e a exigência de um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza, o fim da violência dos colonos e militares israelitas na Cisjordânia, a libertação de todos os detidos e a concretização de um Estado da Palestina independente, soberano e viável.


Fotos: MPPM, CPPC

No Porto, realizou-se na segunda-feira, 19 de Fevereiro, mais uma grande iniciativa pública promovida pelo CPPC, pela USP/CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído sob o lema “Paz no Médio Oriente! Palestina Independente! Fim à Guerra! Fim ao Massacre!”

Centenas de pessoas concentraram-se junto à reitoria da Universidade do Porto, na Praça dos Leões, onde ouviram uma breve saudação de João Rouxinol, em nome do CPPC, e encaminharam-se depois para a Praça Carlos Alberto onde teve lugar um acto público apresentado por Joana Machado e que contou com intervenções de Filipe Pereira, coordenador da USP/CGTP-IN, da professora Sónia Duarte e de José António Gomes, da Direcção Nacional do MPPM.

A sessão acabou ao som de Grândola Vila Morena.


Fotos: Henrique Borges, MPPM

Páginas

Subscreva Solidariedade em Portugal