Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

Israel aprovou a construção de milhares de novas casas em colonatos na Margem Ocidental ocupada, anunciou esta terça-feira, 31 de Janeiro, o gabinete do ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman, segundo informa o jornal israelita Haaretz.
O comunicado afirma que Lieberman (líder do partido de extrema-direita Yisrael Beiteinu) e o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, concordaram em aprovar a construção de mais de 3000 unidades habitacionais em colonatos na Margem Ocidental ocupada.
«Estamos num novo período em que a vida na Judeia e Samaria [modo como Israel designa a Margem Ocidental ocupada] estão de volta ao caminho certo», diz Lieberman no comunicado.
O Knesset (parlamento de Israel) deverá avançar esta semana com a controversa «lei de legalização», depois de o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ter dado instruções no sentido de fazer aprovar o acto legislativo, que visa o reconhecimento retroactivo pelo governo israelita de dezenas de colonatos e postos avançados ilegais na Margem Ocidental ocupada.
Numa declaração após a reunião semanal do gabinete israelita, no domingo, 29 de Janeiro, Netanyahu afirmou que o governo iria apresentar o «projecto de lei de legalização» (também conhecida como «de regularização» ou «de formalização») ao Knesset na segunda-feira, 30 de Janeiro.
«A lei foi concebida para normalizar o estatuto da colonização judaica na Judeia e Samaria [modo como Israel designa a Margem Ocidental ocupada] de uma vez por todas e evitar tentativas recorrentes de prejudicar o empreendimento dos colonatos», declarou Netanyahu.
Forças israelitas mataram um jovem palestino de 19 anos e feriram vários outros na madrugada de domingo, 29 de Janeiro, no campo de refugiados de Jenin, no norte da Margem Ocidental ocupada, após confrontos na sequência de uma invasão do campo pelo exército israelita, informa a agência noticiosa palestina Ma'an.
O jovem, Muhammad Mahmoud Abu Khalifa, foi morto por uma bala na parte inferior das costas que lhe atravessou o corpo, saindo pelo abdómen. A agência noticiosa oficial palestina Wafa relatou que o jovem foi deixado no chão durante horas antes de as equipas de socorro poderem evacuar o corpo.
Pelo menos cinco outros jovens palestinos foram feridos, um deles com gravidade.
Dezenas de veículos militares invadiram o campo, depois de forças israelitas sob disfarce se terem aí infiltrado num veículo civil. Seguiram-se violentos confrontos que duraram várias horas.
Escavadoras escoltadas por forças militares israelitas arrancaram, na quinta-feira 25 de Janeiro, 500 oliveiras perto da aldeia de Kharas, no distrito de Hebron da Margem Ocidental ocupada, segundo informa a agência noticiosa palestina Ma'an.
De acordo com informação de uma autoridade local, as oliveiras, todas com mais de 14 anos, plantadas em 2,5 hectares de terra, foram arrancadas sem aviso prévio. Faisal Moussa al-Hroub, um dos proprietários do terreno, declarou à Ma'an que as oliveiras arrancadas pelas forças israelitas eram suas e do seu irmão Muhammad e que o terreno era o principal rendimento deles e de dezenas de parentes seus.
Trata-se do terceiro caso de arranque de oliveiras — árvores altamente simbólicas para os palestinos — pelas forças israelitas no território palestino ocupado desde o início do ano, pondo em causa a subsistência de numerosas pessoas.
O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, informou os membros do gabinete de segurança interna, no domingo 22 de Janeiro, de que decidiu levantar todas as restrições à construção israelita em Jerusalém Oriental ocupada, relata o jornal israelita Haaretz, citando dois altos funcionários governamentais.
Netanayhu acrescentou que, ao mesmo tempo que seriam promovidos os planos de construção em Jerusalém Oriental, pretende também avançar com a construção nos blocos de colonatos da Margem Ocidental ocupada.
Os cristãos têm a responsabilidade de se opor à construção de colonatos israelitas nos territórios palestinos, afirmaram bispos dos EUA, Canadá e Europa, segundo notícia do jornal católico britânico Catholic Herald do passado dia 19 de Janeiro.
«Esta anexação de facto de terras não só prejudica os direitos dos palestinos em zonas como Hebron e Jerusalém Oriental, mas, como a ONU reconheceu recentemente, também põe em risco a possibilidade da paz», disseram os bispos que participaram esta semana na Coordenação da Terra Santa.
Exmo. Senhor Engenheiro António Guterres,
Secretário-Geral da ONU
Sabemos que o mandato que agora começa será muito exigente.
Os problemas do nosso planeta são dramáticos, e exigem uma acção urgente por parte da comunidade internacional.
Talvez nunca, desde a Segunda Guerra Mundial, os perigos de uma conflagração bélica entre as maiores potências nucleares do planeta tenham sido tão grandes.
Para os povos do Médio Oriente, o flagelo da guerra é já uma realidade terrível. O Século XXI tem sido para eles um Século de sucessivas guerras, impostas ou alimentadas a partir do exterior, com inconfessáveis ambições de dominação económica.
Na quarta-feira, 18 de Janeiro,cerca de 5h da manhã, centenas de polícias israelitas chegaram à aldeia beduína de Umm al-Hiran, no Negev, acompanhando as autoridades israelitas que vinham proceder a demolições de casas. As forças israelitas usaram balas com ponta de esponja, gás lacrimogéneo e granadas atordoantes para reprimir violentamente os moradores e apoiantes que se tinham concentrado para resistir às demolições.
Foi morto a tiro pelas forças israelitas um cidadão palestino de Israel, Yaqoub Moussa Abu al-Qian, de 47 anos, professor de matemática na escola secundária al-Salam, da vizinha cidade de Hura.
Na tarde de segunda-feira, 16 de Janeiro, as forças de ocupação israelitas mataram a tiro o adolescente palestino Qusay Hasan al-Umour, de 17 anos, durante confrontos na aldeia de Tuqu, na zona de Belém, na Margem Ocidental ocupada.
Outros quatro palestinos, incluindo uma mulher, foram também feridos a tiro durante os confrontos, em que as forças israelitas usaram balas reais, balas de aço revestidas de borracha e gás lacrimogéneo.
O Crescente Vermelho Palestino informou a agência noticiosa Ma'an que o jovem foi atingido no peito com balas reais pelo menos três vezes. Médicos que examinaram o corpo contaram seis buracos de bala no peito e membros inferiores do adolescente.
As forças israelitas detiveram Qusay Hasan al-Umour durante algum tempo antes de entregarem o seu corpo ao CVP, não sendo claro se o jovem já estava morto ou se morreu vítima dos ferimentos durante o período em que esteve detido.
A Câmara Municipal de Palmela, reunida a 11 de Janeiro, em sessão pública, aprovou por unanimidade uma Moção relativa à Resolução 2334 do Conselho de Segurança da ONU, de 23 de Dezembro, que condena a expansão dos colonatos israelitas no território palestino ocupado.
Pela sua relevância, como expressão de solidariedade de um órgão do poder local democrático com a luta do povo palestino, apresentamos seguidamente o texto integral da moção:
 
Moção
(Cumprimento da Resolução da ONU contra a expansão dos colonatos na Palestina)

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas