Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

O conhecido grafiteiro britânico que usa o pseudónimo de Banksy abriu na cidade de Belém, na Margem Ocidental ocupada, um hotel a que chamou «Walled Off Hotel» [Hotel Murado], para chamar a atenção do mundo para a realidade do ilegal «muro do apartheid».
A abertura do hotel ocorre no ano em que se assinala o centenário da Declaração Balfour, em que o governo britânico da época se pronunciava favoravelmente à criação de um «lar nacional judaico» na Palestina, e que está na origem da partição do território da Palestina e da posterior criação do Estado de Israel.
O artista concebeu o hotel de tal modo que as salas do primeiro piso estão de frente para o muro de betão, ao passo que os pisos superiores ficam ao nível das torres de vigia israelitas que se erguem sobre a cidade.
Num comunicado de imprensa, Bansky afirma que o hotel tem a «pior vista do mundo».
Asssinala-se amanhã, 25 de Fevereiro, o aniversário do desumano massacre perpetrado pelo terrorista judeu Baruch Goldstein, recorda um comunicado da Missão Diplomática da Palestina em Portugal.
Baruch Goldstein, um médico militar israelita nascido nos EUA, que emigrara para Israel em 1983, morava no colonato de Kiryat Arba, nos arredores de Hebron. A 25 de Fevereiro de 1994 entrou na Mesquita Ibrahimi, em Hebron, armado com uma espingarda de assalto Galil. Era de manhã cedo, durante o mês sagrado do Ramadão, e centenas de fiéis palestinos estavam reunidos dentro da Mesquita, curvados em oração. Goldstein abriu fogo, recarregou a arma pelo menos uma vez, e disparou sem parar até ser finalmente dominado, acabando depois por ser espancado até à morte. Tinha matado 29 fiéis, havendo mais de 100 feridos.
O soldado israelita Elor Azaria foi hoje condenado a 18 meses de prisão por ter matado a tiro, a sangue-frio e à queima-roupa, o palestino Abd Fatah al-Sharif.
O caso teve lugar em Hebron, em Março de 2016. Sharif, de 21 anos, jazia inanimado no chão depois de ser atingido a tiro ao tentar esfaquear um soldado israelita. A cena foi filmada (https://youtu.be/hY86HiENuZE) por um activista palestino ao serviço da organização israelita de direitos humanos B'Tselem e rapidamente se difundiu nas redes sociais e na televisão, tornando impossível ignorar o caso.
Apesar de ter aceitado os argumento da acusação, segundo a qual Azaria não tinha justificação para matar Abd al-Fattah al-Sharif, que não constituía qualquer perigo, o tribunal militar israelita condenou Elor Azaria a uma pena que até a defesa considerou branda. A própria acusação militar pedira uma pena de 3 a 5 anos.
O jornalista palestino Mohammed al-Qiq encontra-se em greve de fome há duas semanas em protesto contra a sua detenção administrativa pelas autoridades de Israel.
Al-Qiq tinha sido libertado da prisão em Maio de 2016 depois de uma greve da fome de 94 dias, também então em protesto contra a sua detenção administrativa. Porém, foi novamente preso em meados de Janeiro deste ano, depois de ter participado num protesto em Belém, na Margem Ocidental ocupada, exigindo a devolução pelas autoridades israelitas dos corpos de palestinos mortos por elas retidos. Mais uma vez Mohammed al-Qiq foi colocado em detenção administrativa.
No regime detenção administrativa, Israel pode manter palestinos encarcerados por períodos de seis meses indefinidamente renováveis, sem julgamento nem culpa formada e sem sequer justificar os motivos da detenção.
Na manhã de 9 de Novembro de 2016, o jovem palestino Muhammad Thabet Jallad ia a caminho da sua última sessão de quimioterapia. Foi baleado na barriga por forças israelitas e ficou internado durante três meses, sob prisão, sem que os pais o pudessem visitar. Morreu há uma semana, mas as autoridades israelitas não se preocuparam em avisar a família. O seu corpo foi hoje devolvido no checkpoint de Anab.
Discursando numa conferência pró-colonatos realizada em Jerusalém Oriental na segunda-feira, 13 de Fevereiro, o presidente de Israel, Reuven Rivlin, afirmou que apoia a anexação completa da Margem Ocidental, acrescentando que, se Israel o fizer, deve dar a todos os palestinos que aí vivem cidadania israelita plena.
Tendo como pano de fundo a famigerada «lei de regularização» aprovada na semana passada, que legalizou os colonatos israelitas nos territórios ocupados e pela primeira vez estendeu a esses territórios o direito civil israelita, Rivlin criticou as políticas de colonização levadas a cabo pelo seu país desde a Guerra de 1967.
O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Liberman, disse numa entrevista ao Canal 2 de Israel que gostaria que todos os cidadãos palestinos de Israel se mudassem para os territórios palestinos ocupados e se tornassem cidadãos daí.
Trata-se de um apelo directo à limpeza étnica dos palestinos que são cidadãos de Israel, e que constituem actualmente cerca de 20% dos cidadãos do país.
Segundo relata o jornal The Times of Israel, ao ser questionado sobre a solução de dois Estados, Liberman, que é também líder do partido de extrema-direita Yisrael Beiteinu, disse que a sua preocupação é assegurar a manutenção de Israel como um Estado judeu.
O MPPM condena a «lei de regularização» (também conhecida como «de formalização» ou «de legalização»), aprovada pelo Knesset (parlamento de Israel) no passado dia 6 de Fevereiro, – lei celerada que visa «legalizar» retroactivamente dezenas de postos avançados judaicos (colonatos «selvagens», ilegais à luz do próprio direito israelita) na Margem Ocidental ocupada em 1967 – e denuncia esta manobra como parte da política de anexação total da Palestina por parte de Israel.
 
Esta lei permite ao Estado israelita declarar como propriedade governamental os terrenos palestinos nos quais esses postos avançados foram construídos, dessa forma sanando a ilegalidade do roubo das terras e consagrando a efectiva anexação desses territórios.
Cerca de 5000 cidadãos israelitas, palestinos e judeus, provenientes de Jerusalém e de Israel inteiro, manifestaram-se na cidade israelita de Tel Aviv na noite de sábado, 4 de Fevereiro, em protesto contra as demolições de casas que visam cidadãos palestinos de Israel. Os manifestantes classificaram como «racista» contra os cidadãos palestinos a campanha de demolições levada a cabo pelo Estado de Israel.
O protesto foi organizado por cerca de 20 movimentos e grupos políticos, de direitos humanos e defensores da paz, incluindo a organização «Standing Together», o Conselho de Aldeias não Reconhecidas do Negev, o Partido Comunista de Israel e os partidos Meretz e Hadash, e ainda os Rabinos pelos Direitos Humanos, entre outros.
A administração do presidente Donald Trump surpreendeu muitos observadores na quinta-feira, 2 de Fevereiro, ao publicar um comunicado que vai a contra-corrente do anúncio da construção de um novo colonato na Margem Ocidental ocupada, feito na véspera pelo primeiro-ministro israelita.
«Embora nós não acreditemos que a existência de colonatos seja um impedimento à paz, a construção de novos colonatos ou a expansão dos colonatos existentes além das suas fronteiras actuais pode não ajudar a alcançar esse objetivo», diz uma declaração do secretário de imprensa da Casa Branca, Sean Spicer. Este acrescentou que «a administração não tomou uma posição oficial sobre a actividade de colonização» e que aguarda futuras discussões, incluindo com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que deverá encontrar-se com Trump a 15 de Fevereiro.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas