Actualidade

Memorial à Paz na Palestina na Vidigueira
...trabalho com os meus companheiros de luta
em uma pedreira
...arranco das pedras o pão, as roupas
e não venho mendigar em tua porta
... minhas raízes fixadas antes do nascimento dos tempos,
antes da eclosão dos séculos
...sou de um povoado perdido,
esquecido de ruas sem nome... 
 
Estes versos de Mahmud Darwich inspiraram o Artista Plástico Silvestre Raposo na criação da instalação artística / escultura que intitulou “Palestina, pela Paz, por um Estado” e que foi agora inaugurada na Vila da Vidigueira.

A Assembleia Geral Ordinária do MPPM, reunida em 10 de Julho de 2009, na Sociedade de Língua Portuguesa, aprovou o Relatório de Actividades apresentado pela Comissão Executiva e referente ao período de Fevereiro de 2008 - data das eleições dos actuais órgãos sociais - até ao presente. Também as contas, auditadas pelo Conselho Fiscal, foram aprovadas.
O segundo ponto da Ordem de Trabalhos foi preenchido com a análise da situação actual na Palestina e no Médio Oriente, partindo de uma completa apresentação feita por Carlos Almeida, membro da Direcção Nacional, a que se seguiu um vivo debate.

A empresa francesa Veolia, que integrava, com a Alstom, o consórcio para a construção e exploração do Metro Ligeiro de Jerusalém, terá abandonado o projecto em consequência das fortes pressões exercidas pelo movimento global BDS (Boicote – Desinvestimento – Sanções) que terão causado àquela empresa perdas na ordem de 7 mil milhões de dólares.
O jornal Haaretz (8 Junho 2009) confirma a notícia e refere que a empresa estava a ser alvo de um processo judicial movido por uma organização pró-Palestina ao abrigo de um artigo da lei francesa que considera nulos os contratos celebrados por empresas francesas, no estrangeiro, que violem a lei internacional.
Para Omar Barghouti, membro fundador da Campanha Palestina para o Boicote Académico e Cultural a Israel, trata-se da «primeira vitória esmagadora e convincente do movimento BDS global no domínio da responsabilidade corporativa e do respeito ético».
O Movimento global BDS (Boicote – Desinvestimento – Sanções) é uma plataforma informal de activistas, grupos sociais e organizações que, a nível mundial, coordenam os seus esforços, em resposta ao Apelo lançado pela sociedade civil palestina, para pressionar Israel a cumprir com o Direito Internacional e a Declaração Universal dos Direitos do Homem. Para proporcionar um espaço para informação, análise e permuta de ideias e de experiências para todos os participantes no Movimento, foi criado o website http://www.bdsmovement.net, gerido pelo Comité Nacional Palestino para o BDS.
1. O Apelo da Sociedade Civil Palestina
Com a colaboração da respectiva Associação de Estudantes e o apoio da Direcção da Escola, o MPPM levou a cabo, no dia 27 de Maio de 2009, na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa, um Encontro com os Jornalistas José Manuel Rosendo, da Antena 1 e RTP, e Patrícia Fonseca, da revista Visão.
Bruno Reizinho, da Associação de Estudantes, destacou o interesse da iniciativa para os todos quantos trabalham na Escola por permitir o acesso a informações que não fazem parte do conteúdo habitual dos noticiários. 
A Professora Filipa Subtil, que dirigiu a sessão e moderou o debate, também referiu a expectativa de que esta iniciativa possa contribuir para um melhor conhecimento de uma realidade que tem acompanhado todas as nossas vidas.
O MPPM – Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente – e a Associação de Estudantes da Escola Superior de Comunicação Social promovem um Encontro com dois Jornalistas que recentemente estiveram, em missão, na Palestina – José Manuel Rosendo (Antena 1) e Patrícia Fonseca (Visão) – proporcionando uma oportunidade de ouvir relatos dos acontecimentos recentes naquela martirizada região.
A sessão terá lugar na Escola Superior de Comunicação Social, em Lisboa (Benfica), na quarta-feira, 27 de Maio, a partir das 18 horas. O debate será moderado por Filipa Subtil, Professora da ESCS, e por Carlos Almeida, da Direcção Nacional do MPPM.
Esta iniciativa, aberta ao público, conta com o apoio da Escola Superior de Comunicação Social.
Lisboa, 26 de Maio de 2009
A Comissão Executiva do MPPM
Numa organização conjunta do MPPM e da Cooperativa Alves Redol realizou-se, no dia 21 de Maio, nas instalações do Clube Vilafranquense, uma concorrida sessão pública em que foi evocada a vida e obra do poeta palestino Mahmud Darwich e se falou da história e da luta do povo da Palestina.
Arlindo Gouveia, Presidente da Cooperativa Alves Redol, enunciou os três objectivos que presidiram à realização desta sessão: cultural, informativo e de solidariedade com “o povo oprimido, humilhado e maltratado da Palestina”. Porque, afirmou, “Vila Franca tem tradição de solidariedade com os mais desfavorecidos, e a solidariedade também tem que ser internacionalista”.
Ataque com fósforo branco contra escola das Nações Unidas em Gaza
Mahmoud Abbas assume a liderança da Autoridade Palestina. A vitória do Hamas nas eleições de 2006 e subsequente tomada do poder em Gaza, expõem este território a boicotes e brutais agressões por Israel, provocando reais catástrofes humanitárias.
 
7. DE MAHMMOUD ABBAS À OPERAÇÃO "CHUMBO FUNDIDO"
2005
9 de Janeiro – Mahmoud Abbas é eleito Presidente da Autoridade Nacional Palestina, com cerca de 61% dos votos, em eleições bastante participadas, a despeito de dificuldades criadas pelos ocupantes israelitas e do boicote de grupos islâmicos.
O Muro do Apartheid
A década de 1995 a 2004 é balizada pela morte dos dois signatários dos Acordos de Oslo. Enquanto prosseguem as negoiaõss de paz, Israel consolida a ocupação e colonização de que é marco a construção do Muro de Separação, mais conhecido por Muro do Apartheid
 
6. DO ASSASSINATO DE RABIN À MORTE DE ARAFAT
1995
4 de Novembro - Assassinato de Yitzhak Rabin por um extremista judeu.
1996
20 de Janeiro - Eleições palestinas na Cisjordânia, Jerusalém-Leste e Faixa de Gaza. Arafat é eleito Presidente da Autoridade Palestina.
Fevereiro – O Likud vence as eleições em Israel e Benyamin Netanyahu torna-se primeiro-ministro.
Fevereiro e Março - Atentados-suicidas do Hamas e da Jihad Islâmica em Jerusalém e Telavive, como represália pelo assassinato de Yehia Ayache, o ideólogo do Hamas, pelos serviços secretos israelitas.
Yitzhak Rabin, Bill Clinton e Yasser Arafat na assinatura do Acordo de Oslo (1973)
Entre a proclamação da independência, em 1989, e a assinatura do Acordo interino de Oslo, em 1995, a Palestina participa em várias iniciativas de paz em que reconhece o Estado de Israel e faz concessões que muitos palestinos consideram ir além do aceitável. Mas nem assim consegue o reconhecimento pretendido, porque Israel viola, sistematicamente, os compromissos assumidos denotando a sua má-fé negocial.
 
5. DA PROCLAMAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA AOS ACORDOS DE OSLO
1988
12 a 15 de Novembro – A OLP proclama, em Argel, um Estado palestino com capital em Jerusalém e aceita as Resoluções 181 e 242 da ONU, reconhecendo implicitamente Israel. A Declaração de Independência foi redigida por Mahmud Darwich, o poeta naciona palestino.

Páginas

Subscreva Actualidade