Sessões e Actos Públicos

O MPPM participou na iniciativa Cordão Humano pela Palestina que, neste sábado 16 de Dezembro, visava ligar quatro locais simbólicos da cidade de Lisboa: o Hospital de Santa Maria, evocando o pessoal de saúde palestino vitimado pela agressão genocida de Israel contra Gaza; a Embaixada dos Estados Unidos da América, o maior apoiante da campanha assassina de Israel; a Embaixada de Israel; e a Maternidade Alfredo da Costa, recordando os milhares de crianças mortas em Gaza.

Muitas centenas de pessoas e várias organizações responderam ao apelo da Plataforma Unitária de Solidariedade com a Palestina concentrando-se nos quatro locais e chegando mesmo a formar o cordão entre a Embaixada de Israel e a MAC.

O MPPM partiu da Praça de Espanha e concentrou-se frente à Embaixada dos EUA onde foram ouvidas duas intervenções: Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM [texto em anexo], e Sandra Monteiro, jornalista, directora do Le Monde Diplomatique – edição portuguesa.

Nesta quinta-feira, 14 de Dezembro, por iniciativa dos núcleos locais do CPPC, do MPPM, do MDM, do Projecto Ruído, da URAP e da AAPC, e ainda da USC/CGTP-IN, foram colocadas bandeirinhas da Palestina em várias praças e rotundas da cidade de Coimbra em memória das crianças mortas na agressão genocida de Israel contra a população palestina da Faixa de Gaza.

Desde 7 de Outubro, subiu a 18 787 o número de palestinos mortos por Israel, havendo 50 897 feridos e milhares de desparecidos soterrados sob os escombros. Mais de dois terços das vítimas são mulheres e crianças.

Os livros de história estão cheios de violências, de crimes e massacres, genocídios, formas institucionalizadas de domínio e desumanização do outro.

Quando os lemos, perguntamos: Como foi possível? O que aconteceu para que aquilo que hoje, com a distância, nos parece inteligível nas suas causas, não tivesse sido travado? Diremos talvez que à época em que isso terá acontecido, o mundo talvez desconhecesse, as notícias não corriam céleres como hoje. E inevitavelmente nos perguntamos quem eram os homens e as mulheres daquele tempo, o que disseram, o que fizeram para travar essas violências, que valores defenderam, que posições tomaram?

Carlos Almeida | Ninguém pode dizer: eu não sabia!
Carlos Almeida | Ninguém pode dizer: eu não sabia!

Saudações a todos os participantes nesta importante iniciativa que, se já era importante quando foi convocada, ainda mais importante se tornou nos últimos dias, perante a barbárie que está a ser cometida contra a população da Faixa de Gaza.

Gostava de trazer, em nome do MPPM, duas ideias sobre o tema desta Mesa.

A primeira: Não há ideia mais importante para a Cultura e Educação pela Paz do que a expressa no primeiro Artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Assembleia Geral da ONU. Esse Artigo 1.o começa assim: «Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos».

E como todas as acções contra civis são condenáveis, não podemos aceitar a ideia que nos querem vender de que há civis de primeira categoria e civis de segunda categoria. É urgente, é inadiável pôr imediatamente fim ao massacre que Israel está a cometer em Gaza e em toda a Palestina.

Jorge Cadima | A Paz é urgente, a Paz é inadiável!
Jorge Cadima | A Paz é urgente, a Paz é inadiável!

Em nome do MPPM, saúdo o III Encontro da Paz e todas as associações e organizações que, sob este belo lema, «Nos 50 anos de Abril, pela Paz todos não somos demais!», aqui e agora quiseram dar-lhe forma e sentido – destacando desde já as entidades organizadoras que têm tido papel histórico na solidariedade com a causa palestina, como a CGTP Intersindical e o CPPC, sem esquecer o MDM e a URAP, cujas representantes me acompanham nesta mesa, entre muitas outras.

José António Gomes | É legítima a resistência dos palestinos à ocupação
José António Gomes | É legítima a resistência dos palestinos à ocupação

Promovido pelo CPPC e pelo MPPM realizou-se, neste sábado, 9 de Dezembro, em Viseu, um debate inserido no ciclo de iniciativas «Paz no Médio Oriente, Palestina Independente!».

Dezenas de pessoas encheram o espaço Carmo ’81 e seguiram com vivo interesse o debate animado por Helena Pereira, do CPPC, e Carlos Almeida, do MPPM.

Respondendo a um apelo lançado pelo CPPC, pela CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído, Lisboa voltou a assistir a uma grande manifestação em que milhares de pessoas, na sexta-feira 8 de Dezembro, entre o Martim Moniz e o Largo José Saramago, exigiram o fim da agressão genocida contra Gaza, um cessar-fogo imediato e permanente e o respeito pelos direitos nacionais e humanos do povo palestino.

Nesta quinta-feira, 5 de Dezembro, ilustradores portugueses e internacionais estiveram na rua - numa primeira vez em Coimbra, alguns colando cartazes de sua autoria - pelo cessar-fogo em Gaza e pela paz, numa acção que contou com o apoio do MPPM, do CPPC, da CGTP-IN e do Projecto Ruído - Associação Juvenil.

A primeira colagem processou-se com um mural de cartazes na parede junto às escadas de acesso aos jardins da AAC, após a esquina do Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV). Outro mural foi colado no jardim da Sá da Bandeira numa parede em frente das paragens junto do TAGV / Praça da República. Outros murais serão colados nos próximos dias.

A Associação All Aboard, em cooperação com o MPPM, o CPPC e o Projecto Ruído, organizou no passado dia 1 de Dezembro, no Auditório da Casa do Largo, em Setúbal, uma sessão em que foi exibido o documentário "Epicly Palestine'd" seguido de um debate sobre Skate e Resistência: a Juventude quer a Paz!

O debate teve a participação de Raul Ramires em representação do MPPM.

A All Aboard tem como finalidade dar oportunidade a todos/as, sem excepção, de praticarem a modalidade de skate, independentemente do género, idade, condição física, social e/ou financeira. Procura promover a integração e inclusão da forma mais pura, sem diferenças, tendo como principal missão a garantia de igualdade e equidade de oportunidades para todas as pessoas.


Fotos: All Aboard

O Dia Internacional de Solidariedade com o Povo Palestino foi ontem assinalado no Funchal, no Largo dos Varadouros, com uma concentração convocada pelo CPPC, pela CGTP-IN, pelo MPPM e pelo Projecto Ruído.

Carolina Cardoso, do Conselho Português para a Paz e Cooperação, reafirmou a urgência do estabelecimento de um cessar-fogo imediato e permanente, do fim ao cruel bloqueio à Faixa de Gaza e da ajuda humanitária à população palestina, exigindo paz no Médio Oriente e o cumprimento dos direitos nacionais do povo palestino.

Páginas

Subscreva Sessões e Actos Públicos