Resistência, Política e Sociedade Palestinas

A Autoridade Palestina concordou em ajudar a apagar os incêndios que assolam muitos locais de Israel.
Um porta-voz da defesa civil palestina, Nael Al-Azzah, disse que o Estado da Palestina tinha concordado em oferecer assistência a Israel e fornecer bombeiros, apoio logístico e alimentos para ajudar a extinguir os incêndios que têm lavrado na zona ao longo dos últimos quatro dias.
A cidade mais atingida é Haifa, onde cerca de 80 000 pessoas tiveram de fugir, e a polícia israelita informou que durante a noite de quinta para sexta-feira centenas de pessoas foram retiradas de uma aldeia perto de Jerusalém.
As autoridades israelitas disseram que prenderam pelo menos 16 pessoas por suspeita de atear fogos.
Completam-se hoje, 11 de Novembro de 2016, 12 anos desde a morte do presidente palestino Yasser Arafat.
Arafat, que passou os últimos anos de vida cercado por forças israelitas no complexo presidencial palestino, a Muqata, morreu num hospital militar francês em 11 de Novembro de 2004, com 75 anos, sem que os médicos tenham indicado uma causa específica de morte.
Na cerimónia realizada ontem diante do palácio presidencial, em Ramala, participaram milhares de palestinos. Estiveram também presentes o presidente da AP, Mahmoud Abbas, o primeiro-ministro, Rami Hamdallah, membros do Comité Executivo da OLP e líderes palestinos, e ainda dirigentes da FPLP (Frente Popular da a Libertação da Palestina) e políticos palestinos de Israel.
O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, recebeu na passada quinta-feira, 20 de Outubro, uma delegação de mulheres israelitas e palestinas que tinham participado numa «Marcha da Esperança» de duas semanas em Israel e na Margem Ocidental ocupada. Abbas incentivou as mulheres a prosseguirem os esforços para apoiar a paz e uma solução de dois Estados.
A marcha, organizada pelo movimento Women Wage Peace (As Mulheres Lutam pela Paz), foi uma das maiores iniciativas em prol da paz realizadas em Israel nos últimos anos. Iniciou-se em 4 de Outubro em Rosh HaNikra, no Norte de Israel, junto à fronteira com o Líbano, e terminou a 19 de Outubro com um comício em Jerusalém diante da residência do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, em que milhares de mulheres israelitas e palestinas, todas vestidas de branco, apelaram à paz entre Israel e a Palestina.
«O cheiro do gás lacrimogéneo lembra-me a minha infância», diz Maysoon Jayyusi.
Bem-vindos a «Speed Sisters», o empolgante documentário de Amber Fares sobre a única equipa de corridas de automóveis inteiramente feminina da Palestina, e de todo o Médio Oriente.
As estrelas do filme: Maysoon Jayyusi, treinadora da equipa, de 39 anos, de Jerusalém; Mona Ali, 30 anos, de Ramallah; Marah Zahalka, 24 anos, que já era campeã aos 19; Noor Dauod, 25 anos, de Jerusalém; e Betty Saadeh, 36 anos, de Belém.
Encontrar espaços para treinar e correr é difícil: com os checkpoints israelitas por toda parte na Margem Ocidental ocupada, descobrir estradas adequadas não é coisa fácil. E movimentar-se pode ser um pesadelo logístico, explica Maysoon, especialmente quando «os miúdos atiram pedras e os soldados [israelitas] atiram balas».
Um agente da polícia e uma mulher israelitas foram mortos a tiro e pelo menos cinco outras pessoas ficaram feridas num tiroteio em Jerusalém Oriental ocupada este domingo de manhã, 9 de Outubro. O tiroteio teve lugar perto da sede da Polícia Nacional de Israel.
Alvejado e morto pela polícia israelita no local, o atirador foi identificado como Misbah Abu Sbeih, de 39 anos, natural do bairro de Silwan, em Jerusalém Oriental ocupada. Sbeih deveria apresentar-se hoje para cumprir uma pena de prisão a que fora condenado por agredir um agente da polícia israelita em 2013.
Durante a tarde, soldados israelitas invadiram a aldeia de al-Ram e assaltaram a casa de Sbeih, entrando em confronto com jovens locais, sete dos quais ficaram feridos. Os filhos de Sbeih foram presos e levados para um centro de interrogatório.
O Supremo Tribunal palestino decidiu hoje, 3 de Outubro, que as eleições locais se realizariam na Margem Ocidental ocupada mas não na Faixa de Gaza.
Em 10 de Setembro o Supremo Tribunal tinha ordenado a suspensão das eleições municipais na Margem Ocidental e na Faixa de Gaza, programadas para 8 de Outubro, invocando a exclusão do processo eleitoral de Jerusalém Oriental ocupada e preocupações acerca dos tribunais da Faixa de Gaza.
O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, exortou a comunidade internacional a fazer de 2017 «o ano internacional para terminar a ocupação por Israel da nossa terra e do nosso povo», no seu discurso desta quinta-feira na 71.ª sessão da Assembleia Geral das Organização das Nações Unidas.
Abbas declarou que 2017 marcará os 50 anos desde que o regime israelita realizou a sua «repugnante» ocupação dos territórios palestinos após a guerra de 1967, apelando à comunidade internacional para que faça mais para alcançar o objectivo há muito perseguido de criar um Estado palestino independente. «Não há nenhuma maneira de derrotar o terrorismo e o extremismo, nenhuma maneira de alcançar a segurança e a estabilidade na nossa região sem pôr fim à ocupação israelita da Palestina e assegurar a liberdade e a independência do povo palestino», afirmou.
Alunos da Escola de Teatro do Freedom Theatre estão a efectuar uma digressão em Portugal e apresentam-se no Teatro A Barraca, em Lisboa (Largo de Santos, 2), com as performances “Regresso à Palestina” (6 de Setembro, às 21 horas, e 10 de Setembro, às 18 horas) e “Kanafani” (7 e 8 de Setembro, às 21 horas). Vão, ainda, organizar duas oficinas: uma, para artistas (8 de Setembro, das 14 às 19 horas) e outras para jovens (9 de Setembro, das 14 às 19 horas).
O Freedom Theatre está sediado no Campo de refugiados de Jenin e procura desenvolver uma comunidade artística e criativa na parte norte da Cisjordânia. Sem deixar de pôr ênfase no profissionalismo e na inovação, o Freedom Theatre procura integrar os jovens e as mulheres na comunidade e explorar o potencial das artes como um importante catalisador para a mudança social.
No dia 30 de Março o MPPM organizou, em Lisboa, com o apoio da Associação 25 de Abril, um Sessão Pública de Solidariedade com a Palestina. O evento teve lugar no Auditório da A25A.
O Coronel Vasco Lourenço, Presidente da A25A, deu as boas-vindas aos particpantes. Registaram-se intervenções de Hikmat Ajjuri, Embaixador da Palestina; Maria do Céu Guerra, Presidente do MPPM; Carlos Almeida, Vice-Presidente do MPPM.
No dia 31 de Março, numa organização conjunta do MPPM e do ISMAI – Instituto Superior da Maia / Curso de Ciências da Comunicação, houve um Debate sobre a situação na Palestina com moderação de Luís Humberto Marcos, Director do Museu de Imprensa; José António Gomes, Escritor; José Oliveira, da Direcção Nacional do MPPM. O debate teve lugar no Auditório do ISMAI em Castêlo da Maia.

1. Em Março de 1976, as autoridades israelitas anunciaram a expropriação de grandes extensões de terras de palestinos na Galileia para a construção de um campo de treino militar e novos colonatos judaicos, no âmbito de um plano de judaização da região. No dia 30 desse mês, uma greve geral e grandes manifestações de protesto sacudiram as localidades palestinas no território do Estado de Israel (segundo as linhas do armistício de 1949). Na repressão sangrenta que se seguiu, seis palestinos foram mortos pelas autoridades de Israel e centenas foram feridos ou presos. Desde então, o dia 30 de Março ficou conhecido como o Dia da Terra, uma data que simboliza a luta do povo palestino pelo direito aos seus lares, às suas terras de cultivo, à sua Pátria.

Páginas

Subscreva Resistência, Política e Sociedade Palestinas