Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

O prolongado bloqueio israelita, pontuado por agressões militares periódicas, está a causar uma grave deterioração da segurança da água na Faixa de Gaza, onde 97% da água é não potável, causando o lento envenenamento dos residentes do enclave, denunciaram o Euromediterranean Human Rights Monitor (Euro-Med Monitor) e o Global Institute for Water, Environment and Health (GIWEH) numa declaração conjunta durante a 48ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU (UNHRC) realizada em Genebra.

A Comissão Europeia registou, em 8 de Setembro, uma Iniciativa de Cidadãos Europeus (ICE) que apela ao fim do comércio com colonatos ilegais em territórios ocupados como a Palestina e o Sara Ocidental.

No entanto, este passo só foi dado depois de os organizadores da Iniciativa terem ganho uma acção judicial contra a Comissão Europeia, que tinha inicialmente rejeitado a iniciativa, alegando falta de competência. A sua rejeição foi anulada pelo Tribunal Europeu de Justiça (TEJ).

Na madrugada desta segunda-feira, seis presos políticos palestinos conseguiram evadir-se da penitenciária de Gilboa, uma prisão israelita de alta segurança.

Os seis Palestinos partilhavam a mesma cela e ter-se-ão evadido através de um túnel escavado por baixo da prisão. Arik Yaacov, comandante dos Serviços Prisionais de Israel, disse que os fugitivos pareciam ter acedido a passagens formadas pela construção da prisão.

O Shin Bet, serviço de segurança de Israel, disse que os prisioneiros coordenaram a fuga com colaboradores fora da prisão utilizando um telemóvel contrabandeado e que tinham um carro de fuga à sua espera.

A prisão de Gilboa foi construída em 2004, na região de Beit She’an, no Norte de Israel, e é considerada a de maior segurança no seu género. Dista menos de 20 km das fronteiras quer da Cisjordânia quer da Jordânia.

Oday Dabbagh, contratado esta época pelo FC Arouca, é o primeiro futebolista nascido e formado na Palestina a jogar numa das principais ligas europeias. Este é um momento histórico para o futebol palestino, uma vez que antes dele apenas o lateral-esquerdo Mohammed Saleh, natural de Gaza, tinha jogado na Europa, mas no Florian, de Malta.

«Claro que este é um grande sentimento e uma fonte de orgulho não só para mim mas para todos os palestinos», declarou Dabbagh ao periódico britânico Tribune. «Espero poder jogar bem e ser um embaixador dos jogadores palestinos.»

A ONG israelita Peace Now revelou que o governo israelita está a dar novo impulso à construção de colonatos na zona E1 (East One), dias depois de o primeiro-ministro Naftali Bennett se ter encontrado com o presidente dos EUA, Joe Biden.

A zona E1 situa-se a nordeste de Jerusalém e tem uma área de cerca de 15 quilómetros quadrados. Nela residem perto de 10 000 beduínos que o governo israelita tem vindo a relocalizar pela força. O plano prevê a construção de unidades residenciais só para judeus ligando Jerusalém ao bloco de colonatos Ma'ale Adumim. Está também previsto um prolongamento do Muro do Apartheid envolvendo toda a zona de colonatos a leste de Jerusalém.

O Conselho Superior de Planeamento (CSP) israelita convocou uma audiência para 4 e 18 de Outubro, para discutir as objecções apresentadas por Peace Now, Ir Amim e outras entidades aos planos de construção de 3412 unidades habitacionais na zona E1.

Israel planeia contruir um novo colonato com 9000 unidades habitacionais nos terrenos do aeroporto de Jerusalém, em Atarot, entre as localidades palestinas de Kfar ‘Aqab, Qalandiya e Ar Ram, a sul de Ramala, revela a organização israelita de direitos humanos Peace Now em relatório recentemente publicado.

Para esta organização, este é um plano perigoso que pode dar um golpe fatal na solução dos dois Estados. O bairro planeado fica encravado na continuidade territorial urbana palestina entre Ramala e Jerusalém Oriental, inviabilizando assim a possibilidade de criação de um Estado palestino com Jerusalém Oriental como sua capital.

O Ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, agradeceu hoje à Autoridade Palestina por enviar bombeiros para ajudar os seus homólogos israelitas a combater os incêndios florestais em redor de Jerusalém, mas também cancelou uma reunião marcada para aprovar a licença para a construção de novas casas palestinas na Área C da Cisjordânia ocupada.

A AP enviou quatro autotanques e 20 bombeiros para ajudar Israel a lidar com os fortes incêndios, que se estão a aproximar das áreas residenciais. A ordem foi dada pelo Presidente da AP Mahmoud Abbas.

No mesmo dia, Ganz cancelou a ordem para permitir a construção de 800 apartamentos para palestinos na Área C.

As autoridades de ocupação israelitas demoliram ontem um jardim de infância na cidade de Beit Sfafa, a sudoeste de Jerusalém Oriental ocupada, segundo noticia a agência Wafa.

Um bulldozer do Município de Jerusalém, escoltado por forças israelitas, destruiu um jardim-de-infância pertencente a Mohammad Jum'a na zona de al-Safeh.

O infantário deveria abrir as suas portas com o início do novo ano lectivo.

Usando o pretexto de construção ilegal, Israel demole casas regularmente para restringir a expansão palestina em Jerusalém ocupada.

Ao mesmo tempo, o município e o governo constroem dezenas de milhares de unidades habitacionais para Judeus em colonatos ilegais em Jerusalém Oriental com o objectivo de alterar o equilíbrio demográfico em favor dos colonos judeus na cidade ocupada.

Quatro jovens palestinos foram hoje mortos a tiro pelo exército israelita durante uma rusga à cidade e ao campo de refugiados de Jenin, no Norte da Cisjordânia ocupada.

Os confrontos eclodiram quando o exército israelita invadiu o campo de refugiados de Jenin, hoje de manhã.

Saleh Mohammed Ammar, 19 anos, e Raed Ziad Abu Seif, 21 anos, foram atingidos a tiro e morreram em consequência dos ferimentos pouco depois de chegarem ao hospital da cidade de Jenin.

Os corpos dos outros dois homens, um identificado como Noor Jarrar e o outro como Amjad Iyad Azmi, foram levados pelas forças israelitas.

Pelo menos dois outros palestinos foram presos. Um foi baleado na mão e o outro, identificado como Mohammed Abu Zina, foi levado de sua casa durante a rusga.

Segundo testemunhas, um grupo de palestinos envolveu-se em confrontos com membros da Musta'ribeen da polícia israelita - uma unidade descaracterizada composta por israelitas disfarçados de palestinos.

As forças Israelitas atacaram ontem centenas de fiéis muçulmanos palestinos que se reuniram na Mesquita de Abraão (Al-Haram al-Ibrahimi), em Hebron, para protestar contra as ameaças israelitas de assumir o controlo do local sagrado.

Soldados israelitas dispararam bombas de gás lacrimogéneo e granadas de atordoamento contra os fiéis para os dispersar, causando muitos casos de asfixia pela inalação de gás.

Palestinos de Hebron e de cidades e vilas vizinhas convergiram para o local da mesquita em resposta a um apelo do Ministério dos Assuntos Religiosos para se oporem à construção, por Israel, de um acesso para serviço exclusivo dos colonos judeus.

Em Maio de 2020, o então ministro da Defesa israelita e actual primeiro-ministro, Naftali Bennett, emitiu uma ordem de expropriação para uma parte da Mesquita de Abraão para permitir a construção de um corredor e de um elevador para facilitar o acesso dos colonos à mesquita.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas