Actualidade

Quando a Google foi acusada de suprimir a Palestina da app Maps, acabou por confessar, após um protesto mundial, que a Palestina nunca fora assim nomeada, apesar de 136 países membros da ONU reconhecerem a Palestina como um Estado independente.
O Google Maps está novamente envolvido em polémica, desta vez por causa do Muro do Apartheid — a que Israel chama eufemisticamente «barreira de separação» —, que serpenteia pelas terras palestinas da Margem Ocidental ocupada. O Muro pode ser visto do espaço, mas não pode ser visto no Google. Não é mostrado em nenhum dos mapas fornecidos pelo popular motor de busca.
A Grande Muralha da China e o Muro de Adriano aparecem no Google Maps, assim como o modesto «muro ocidental», de 500 metros, em Jerusalém. Mas não este muro de betão de 700 quilómetros de comprimento e oito metros de altura.
Na noite de 28 para 29 de Agosto de 1953, um comando israelita chefiado por Ariel Sharon levou a cabo o massacre de dezenas de civis palestinos no campo de refugiados de Al-Bureij, na Faixa de Gaza.
A Unidade 101 fora criada nesse mês de Agosto, pelo primeiro-ministro David Ben Gurion, para levar a cabo “acções de retaliação” contra os palestinos e o seu comando tinha sido entregue a Ariel Sharon. Era uma unidade de elite das IDF (Forças de Defesa de Israel) e o seu recrutamento era feito exclusivamente por convite.
Aos 18 anos de idade, a filha de um preso palestino pôde abraçar o pai pela primeira vez neste domingo, segundo a rádio Sawt al-Asra (Voz dos Presos), citada pela agência noticiosa palestina Ma’an.
Yara al-Sharabati, filha do preso Ayman al-Sharabati, de 49 anos, condenado a prisão perpétua, obteve recentemente autorização para visitar o pai, após uma proibição das visitas nos últimos três anos.
A jovem, que nunca teria visto o pai senão através de uma barreira, pôde abraçá-lo pela primeira vez na vida, uma vez que ele foi detido antes de ela nascer.
Ayman al-Sharabati, de Jerusalém Oriental ocupada, que está encarcerado na prisão israelita de Gilboa, foi detido a 6 de Maio de 1998 e condenado a prisão perpétua por pertencer à Brigada dos Mártires de al-Aqsa, ramo armado do partido Fatah, e realizar um ataque em Jerusalém que conduziu à morte de um colono israelita e ao ferimento de outro.
Soldados israelitas mataram a tiro, esta sexta-feira, um homem palestino na localidade de Silwad, a leste de Ramala, no centro da Margem Ocidental ocupada. O exército israelita alegou inicialmente que o palestino abrira fogo sobre um posto militar, perto do colonato ilegal de Ofra, antes de ser alvejado pelos soldados, mas mais tarde confirmou que ele estava desarmado.
O homem, identificado como Eyad Zakariyya Hamed, nunca constituiu qualquer ameaça para os soldados, segundo o relato de testemunhas oculares. Não transportava qualquer faca nem outro tipo de arma e estava simplesmente a dirigir-se para a mesquita para as preces do meio-dia. As testemunhas acrescentaram que os soldados o atingiram com fogo real no peito e nos ombros. Hamed foi deixado a sangrar no chão entre as 11h30 e as 12h30, vindo a falecer dos seus ferimentos, depois de os soldados israelitas impedirem a aproximação da assistência médica do Crescente Vermelho Palestino.
O preso palestino Bilal Kayed, que terminou uma greve da fome de 71 dias na quarta-feira, será libertado das prisões israelitas a 12 de Dezembro, anunciou na quinta-feira a Addameer, organização palestina de defesa dos direitos dos presos.
Na quarta-feira foi alcançado um acordo entre o advogado de Kayed, Mahmoud Hassan, e a acusação militar israelita, nos termos do qual ele será libertado em Dezembro, após concluir seis meses de detenção administrativa, deixará de estar em isolamento e poderá receber visitas da família.
A acusação israelita tinha inicialmente pretendido que Kayed fosse exilado de Israel e do território palestino ocupado durante quatro anos, mas acabou por recuar.
Kayed foi transferido para a unidade de cuidados intensivos do hospital após um agravamento da sua saúde na semana passada. Permanecerá internado no hospital até recuperar a saúde.
O MPPM congratula-se com a decisão do Ministério da Justiça português de terminar a participação da Polícia Judiciária no projecto europeu LAW-TRAIN, um projecto que envolve o Ministério da Segurança Pública de Israel, responsável pelas forças policiais desse país, que sistematicamente utilizam os maus tratos e a tortura e violam os direitos humanos fundamentais da população palestina.

Foi com profundo pesar que o MPPM- Movimento pelos Direitos dos Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente – tomou conhecimento do falecimento de Silas Coutinho Cerqueira, seu membro fundador, dirigente e grande impulsionador, ocorrido ontem. O seu velório terá lugar na Casa da Paz, sede do Conselho Português para a Paz e Cooperação, em Lisboa, na Rua Rodrigo da Fonseca, 56, 2º, entre as 17h e as 22h de Quarta-feira, 24 de Agosto e as 10h e as 16h de Quinta-feira, 25 de Agosto. O seu funeral terá lugar no cemitério do Alto de São João, na Quinta-feira, a partir das 17h00.

Foi com profundo pesar que o MPPM- Movimento pelos Direitos dos Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente – tomou conhecimento do falecimento de Silas Coutinho Cerqueira, seu membro fundador, dirigente e grande impulsionador, ocorrido ontem. O seu velório terá lugar na Casa da Paz, sede do Conselho Português para a Paz e Cooperação, em Lisboa, na Rua Rodrigo da Fonseca, 56, 2º, entre as 17h e as 22h de Quarta-feira, 24 de Agosto e as 10h e as 16h de Quinta-feira, 25 de Agosto. O seu funeral terá lugar no cemitério do Alto de São João, na Quinta-feira, a partir das 17h00.

Em declarações à advogada da Addameer, que o visitou no centro médico de Barzilai, Bilal Kayed revelou que a médica que segue o seu caso o tinha informado que ele estava a entrar numa fase muito crítica devido à perda de líquidos e sais do corpo e que estava a sofrer de desidratação e tinha-o informado, ainda, que, no caso de ele perder a consciência, seria tratado à força.
Mais de 300 presos palestinos participam actualmente numa greve da fome ilimitada em prisões israelitas, informou quinta-feira a Palestinian Prisoner’s Society (PPS — Sociedade dos Presos Palestinos).
A PPS informou que 285 presos associados ao Hamas e encarcerados nas prisões de Eshel e de Nafha iniciaram uma greve da fome ilimitada na quinta-feira, em protesto contra as medidas repressivas do Serviço Prisional de Israel (IPS).
Ao mesmo tempo, cerca de 40 presos da Frente Popular para a Libertação da Palestina, incluindo Ahmad Sa’adat, secretário-geral, estavam em greve da fome em apoio ao seu camarada Bilal Kayed. Este cumpriu sexta-feira o 52.º dia de greve da fome, em protesto por ter sido condenado a detenção administrativa — internamento sem julgamento nem culpa formada — no dia em que deveria ter sido libertado depois de cumprir uma pena de prisão de 14 anos e meio.

Páginas

Subscreva Actualidade