Actualidade

Sendo o povo palestino vítima da ocupação colonial e do apartheid do Estado de Israel, o MPPM não pode alhear-se das lutas anti-racistas e juntou-se, por isso, a mais de três dezenas de organizações numa manifestação, neste sábado, 10 de Junho, na Baixa de Lisboa.

A concentração teve início Pelas 11 horas, junto ao nº 19 de Rua Garrett, onde há 28 anos foi assassinado Alcindo Monteiro. Seguiu-se o desfile até ao Largo do Carmo onde foi lido o Apelo à acção de luta e anunciadas as organizações subscritoras.

APELO

10 DE JUNHO - DIA DE LUTA ANTI-RACISTA

No próximo dia 10 de Junho irá realizar-se uma acção de luta e homenagem às vítimas de racismo e xenofobia em Portugal. A acção terá lugar em Lisboa, na Rua Garrett, n.º 19, às 11h e seguirá em desfile até à Praça Luís de Camões, onde terminará esta acção.

Centenas de pessoas participaram hoje no funeral de Mohammad Haitham Tamimi, de três anos, que morreu ontem, quatro dias depois de ter sido baleado na cabeça por soldados israelitas na sua aldeia de Nabi Saleh, a norte de Ramala.

O cortejo fúnebre partiu do Complexo Médico Palestino em Ramala e desfilou pelas ruas da cidade antes de se dirigir a Nabi Saleh, onde foi sepultado no cemitério da aldeia.

Mohammad Tamimi foi ferido a tiro na noite de quinta-feira quando o automóvel em que seguia com o seu pai e a sua mãe foi atacado por militares israelitas à entrada da aldeia de Nabi Saleh.

Segundo uma testemunha citada pela WAFA, uma força do exército israelita preparou uma emboscada para o veículo à entrada da aldeia e, assim que este se aproximou, os soldados lançaram uma chuva de balas sobre o veículo, ferindo o menino com um tiro na cabeça e o pai com um tiro no braço.

A convite da centenária Sociedade Recreativa Operária de Santarém, Carlos Almeida, vice-presidente do MPPM, participou, no sábado 27 de Maio, no evento Palestina Livre organizado por aquela associação para recordar a Nakba (“O Desastre”, ou seja, o início da ocupação israelita do território palestino) ocorrida em 1948 e a necessidade de uma Palestina Livre e a paz no Médio Oriente.

Além de Carlos Almeida intervieram Abdeljelil Larbi, professor de Língua e Literatura Árabe Moderna na NOVA-FCSH, e Yahia Abuowda, palestino, médico no Hospital Distrital de Santarém.

O evento concluiu com um jantar-convívio com ementa palestina.

Faz hoje, dia 15 de Maio, 75 anos que centenas de milhares de palestinos, simples e pacíficos camponeses, muçulmanos e cristãos, ricos e pobres, proprietários e assalariados, foram arrancados das suas casas, expulsos das suas terras e sob ameaça armada obrigados a fugir. Formaram-se longas filas de pessoas, a pé, em carroças, nos poucos carros que dispunham a caminho do exílio. Hoje formam a maior comunidade de refugiados do mundo, contando-se mais de 5 milhões de palestinos em campos de refugiados localizados nos países vizinhos da Palestina.

É a única comunidade refugiada que pelo seu tamanho tem uma agência das Nações Unidas dedicada exclusivamente a tratar dos seus problemas - a UNRWA que apesar dos poucos fundos de que dispõe tem feito um trabalho notável. Recentemente o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres visitou uma escola da UNRWA no Líbano onde pediu à comunidade palestina para "Não perder a esperança".

Na noite de 22 para 23 de Maio de 1948, uma semana após o estabelecimento do Estado de Israel, o 33º batalhão da Brigada Alexandroni lançou um ataque contra a aldeia palestina de Tantura, utilizando fogo de metralhadoras pesadas seguido de um ataque de infantaria. O combate foi de curta duração mas, após a rendição dos aldeãos, as milícias sionistas procederam ao massacre de mais de duas centenas de prisioneiros desarmados.

A notícia do massacre era conhecida do lado palestino, mas sistematicamente negada pelo lado israelita. Uma tese de mestrado de Theodore Katz, um aluno da Universidade de Haifa, que confirmou a ocorrência do massacre com base em dezenas de testemunhos de sobreviventes palestinos e de milicianos sionistas, foi denegrida e o seu autor perseguido em tribunal. O historiador Ilan Pappé, professor de Katz, defendeu a veracidade da tese o que lhe valeu a expulsão da Universidade de Haifa e o exílio em Inglaterra, onde é professor na Universidade de Exeter.

O AbrilAbril falou com Salim Nazzal, escritor e secretário do Fórum Cultural Palestino Europeu, refugiado na Noruega, e Nisreen Lubbad, resistente palestina, sobre a Nakba e o agravar da agressão israelita das últimas semanas.

Salim Nazzal, escritor, dramaturgo e poeta palestiniano, secretário do Fórum Cultural Palestino Europeu, nasceu num campo de refugiados no Líbano. A família foi expulsa das suas casas em 1948, pelas forças de ocupação israelita. Nisreen Lubbad, refugiada palestiniana residente em Madrid, activa na resistência palestina à ocupação israelita, nasceu, tal como Salim, num campo de refugiados.

Na madrugada desta segunda-feira o exército israelita conduziu uma operação em grande escala no campo de refugiados de Balata, perto de Nablus na Cisjordânia ocupada, matando três palestinos e ferindo outros seis, um deles com gravidade.

O Ministério da Saúde palestino identificou os mortos como Fathi Jihad Rizq, 30 anos, Abdullah Yousef Abu Hamdan, 24 anos, e Mohammad Bilal Zeitoun, 32 anos.

Militares israelitas em grande número, acompanhados por bulldozers, atacaram o campo com fogo cerrado e colocaram franco-atiradores nos telhados, levando a confrontos armados com resistentes palestinos.

Os soldados israelitas entraram em dezenas de casas no campo de refugiados, revistaram-nas e saquearam-nas, e fizeram explodir a casa da família Abu Shalal, ferindo um rapaz e uma rapariga devido aos estilhaços e causando danos nas casas vizinhas.

Falando na sessão de Alto Nível com que a ONU assinalou o 75º aniversário da Nakba, o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, instou a organização mundial a suspender Israel a menos que este ponha termo à sua agressão contra os palestinos e aplique as resoluções da Assembleia Geral que estabelecem Estados israelitas e palestinos separados, bem como o regresso dos refugiados palestinos.

Uma delegação da CGTP-IN recebeu, na terça-feira 16 de Maio, os dois activistas palestinos que estiveram em Portugal, a convite do MPPM, com o objectivo de participarem num acto público sobre os 75 anos da Nakba.

Salim Nazzal e Nisreen Lubbad, acompanhados por Carlos Almeida, do MPPM, foram recebidos por João Coelho e Diniz Lourenço, da CGTP-IN.

Na reunião com a CGTP-IN, aqueles activistas deram o seu testemunho sobre a forma arbitrária como são tratados os trabalhadores nos postos de controle por parte dos militares da ocupação israelita. Humilhações, agressões físicas e, em muitos casos assassinatos, são o dia a dia destes homens e mulheres que apenas buscam uma forma de sustentar as suas famílias.

O MPPM promoveu, na terça-feira, 16 de Maio, em cooperação com a BOTA - Base Organizada da Toca das Artes, a exibição do filme 1948: Criação e Catástrofe no espaço desta associação, no Largo da Santa Bárbara, 3D, Lisboa.

O filme, de Andy Trimlett e Ahlam Muhtaseb, foi comentado por Carlos Almeida, Investigador do Centro de História da Universidade de Lisboa e Vice-Presidente do MPPM.

Através das memórias pessoais, tanto de palestinos como de israelitas, 1948: Criação & Catástrofe conta a história do estabelecimento de Israel vista através dos que a viveram.

Este filme foi a última oportunidade para muitas das suas personagens, israelitas e palestinas, para narrarem os seus relatos em primeira mão sobre a criação de um Estado e a expulsão de uma nação.

Páginas

Subscreva Actualidade