Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas

Uma família palestina foi expulsa da casa onde morava há 53 anos no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, na passada terça-feira, 5 de Setembro, após uma prolongada batalha jurídica em que as autoridades israelitas afirmaram que a propriedade pertence a colonos judeus.
A família Shamasna é a primeira família palestina a ser expulsa de Sheikh Jarrah desde 2009. A família, incluindo o idoso Ayyub Shamasna, de 84 anos, que vivia na casa desde 1964 e se encontra numa cadeira de rodas, e a sua esposa de 75 anos, foi expulsa à força por um grande número de agentes das forças repressivas israelitas ainda antes de poder carregar os seus móveis e outros pertences para um camião.
O início do ano lectivo na aldeia de Jubbet Adh-Dhib, na Margem Ocidental ocupada, que deveria ter ocorrido ontem, 22 de Agosto, teve de ser adiado para o próximo domingo, devido ao confisco pela Administração Civil israelita das casas móveis que iriam servir de salas de aula a 64 alunos, do primeiro ao quarto ano de escolaridade.
A Administração Civil (órgão das forças armadas de Israel para a administração dos territórios palestinos ocupados) justificou-se dizendo que as casas móveis, doadas por uma organização humanitária europeia, tinham sido instaladas sem as necessárias autorizações e eram, portanto, «ilegais».
A nova cidade de Hiran, que as autoridades israelitas planeiam construir no deserto de Naqab/Negev (Sul de Israel) sobre as ruínas da aldeia beduína de Umm al-Hiran, deverá ser aberta apenas a judeus. A nova cidade judaica será construída depois de a aldeia beduína ser demolida e os seus moradores serem desalojados à força.
Segundo um documento revelado pelo Adalah — Centro Jurídico para os Direitos da Minoria Árabe em Israel —, os estatutos da associação cooperativa de Hiran estipulam que para ser aprovado pelo comité de admissões e tornar-se membro da associação é necessário «ser um cidadão israelita judeu ou residente permanente de Israel que observa a Torá e os mandamentos de acordo com os valores judaicos ortodoxos».
Um vídeo divulgado ontem, 13 de Agosto, pelo grupo israelita de direitos humanos B'Tselem mostra um grupo de polícias israelitas agredindo pessoal de saúde que tenta levar um palestino para a sala de operações. O incidente teve lugar no hospital al-Makassed, em Jerusalém Oriental ocupada, no passado dia 21 de Julho.
O ferido, Muhammad Abu Ghanam, de 19 anos, tinha sido atingido a tiro pouco antes no bairro palestino de Tur, durante o «Dia de Raiva» em protesto contra as medidas israelitas para restringir o acesso à Mesquita de al-Aqsa.
Embora o jovem esteja inconsciente e a sangrar, devido ao ferimento por bala, os polícias, envergando equipamento antimotim, empurram o pessoal hospitalar para tentar apoderar-se da maca em que ele está deitado, impedindo os médicos de a encaminhar para o elevador que dá acesso à sala de operações, no segundo andar.
O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) expressou ontem, 11 de Agosto, «preocupação» com a situação cada vez mais grave na Faixa de Gaza sitiada.
A crise política em Gaza está a privar os seus dois milhões de habitantes de electricidade, cuidados de saúde vitais e água limpa durante este Verão de temperaturas sufocantes, afirmou o OHCHR.
«Estamos profundamente preocupados com a constante deterioração das condições humanitárias e de protecção dos direitos humanos em Gaza», afirmou a porta-voz de direitos humanos da ONU, Ravina Shamdasani, em entrevista colectiva em Genebra. «Israel, o Estado da Palestina e as autoridades de Gaza não estão a cumprir as suas obrigações de promover e proteger os direitos dos habitantes de Gaza. Israel, como potência ocupante, tem responsabilidade à luz do direito internacional humanitário de garantir o bem-estar da população.»
No mês passado a repressão israelita aos protestos contra o encerramento da Mesquita de Al-Aqsa vitimou 20 palestinos, incluindo 5 crianças, informa um relatório do Centro Abdullah Al-Hourani de Estudos e Documentação, citado pela PressTV.
Esta instituição, ligada à Organização de Libertação da Palestina (OLP), diz ainda que ficaram feridos cerca de 1400 palestinos, incluindo crianças. As autoridades israelitas retiveram os corpos de 13 palestinos mortos, em violação do direito internacional humanitário.
No mês passado as forças israelitas prenderam mais de 600 palestinos, incluindo dezenas de crianças, prossegue ainda o relatório.
Por outro lado, as autoridades israelitas em Julho aprovaram a construção de 1935 unidades habitacionais em colonatos judaicos ilegais em Jerusalém Oriental ocupada.
Um tribunal de Israel confirmou ontem, 30 de Julho, a condenação por homicídio e a sentença de 18 meses do ex-soldado israelita Elor Azaria, que em Março de 2016 matou a tiro à queima-roupa o palestino Abd al-Fattah al-Sharif, de 21anos, que jazia inanimado no chão depois de alegadamente cometer um ataque com faca na cidade de Hebron, no Sul da Margem Ocidental ocupada.
A execução foi filmada por um activista palestino ao serviço da organização israelita de direitos humanos B'Tselem e rapidamente se difundiu nas redes sociais e na televisão, tornando impossível ignorar o caso.
Segundo o jornal israelita The Times of Israel, os juízes do tribunal de recurso classificaram o acto de Azaria como «proibido, grave, imoral» e destacaram que Azaria «nunca expressou remorso nem questionou as suas acções».
Centenas de beduínos manifestaram-se ontem, 27 de Julho, em Be’er Sheva, diante dos escritórios da Agência de Desenvolvimento Beduína, reclamando o seu encerramento, informa o jornal israelita Haaretz.
Os manifestantes exigiam o fim da política de sistemática demolição de edifícios nas comunidades beduínas do Negev/Naqab, no Sul de Israel, que classificaram de «crime contra cidadãos», e o reconhecimento das comunidades beduínas não autorizadas.
As relações entre a Agência e os residentes beduínos têm-se tornado cada vez mais tensas a propósito de questões como a reflorestação.
O Estado israelita começou a reflorestação a norte da localidade beduína de Tel Sheva, nos arredores de Be'er Sheva, que os beduínos dizem ser propriedade sua. O Estado estará a plantar florestas em vários locais do Negev/Naqab em terras que as comunidades beduínas «ilegais» reclamam como suas.
Após reabertura, mais de uma centena de feridos em ataque das forças israelitas
A situação em torno do complexo de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, conheceu hoje, quinta-feira, 27 de Julho, um desenlace provisório que constitui uma vitória dos palestinos.
O governo de Benjamin Netanyahu foi forçado pela firmeza dos protestos dos palestinos, sobretudo de Jerusalém Oriental mas também dos restantes territórios palestinos ocupados, a ceder: primeiro a retirar os pórticos detectores de metais à entrada do Haram al-Sharif (Nobre Santuário) / Esplanada das Mesquitas, depois a renunciar à instalação de câmaras «inteligentes», e finalmente a franquear aos fiéis muçulmanos a totalidade das entradas no santuário, contrariamente ao anunciado.

O MPPM condena a restrição por Israel do acesso ao complexo de Al-Aqsa e o agravamento da repressão em toda a Jerusalém Oriental, numa escalada de tensão que visa aprofundar a política israelita de anexação do território palestino.

Na sexta-feira, 14 de Julho, um tiroteio na Cidade Velha de Jerusalém que terminou no Haram al-Sharif/Esplanada das Mesquitas resultou na morte dos três atacantes e de dois polícias de fronteira israelitas, uns e outros palestinos com cidadania israelita.

Israel prendeu brevemente o Mufti de Jerusalém e impôs durante dois dias o encerramento total do local, pela primeira vez desde há muitos anos. Violando a liberdade de culto e pondo em causa o estatuto do local sagrado, de que é garante a Jordânia, o acesso a Haram al-Sharif só foi permitido por Israel depois da instalação nas suas entradas de pórticos detectores de metais.

Páginas

Subscreva Ocupação, Colonização e Apartheid Israelitas