Jerusalém

Em Ramala, Tul Karm e Nablus houve durante o dia de hoje manifestações contra reconhecimento pelos Estados Unidos de Jerusalém como a capital de Israel, que contaram com a participação de muitas centenas de pessoas, algumas das quais queimaram fotos de Donald Trump. Dezenas de palestinos também protestaram em vários locais do Norte e centro da Faixa de Gaza. Nas cidades de Hebron e Al-Bireh, na Margem Ocidental ocupada, milhares de manifestantes entoaram «Jerusalém é a capital do Estado da Palestina».
Ao mesmo tempo, a medida estado-unidense provocou uma onda de agitação e protestos em toda a região, que se prevê irem continuar nos próximos dias.

O presidente Donald Trump anunciou hoje, 6 de Dezembro, que os Estados Unidos da América reconhecem Jerusalém como capital de Israel e vão iniciar o processo de transferência para esta cidade da sua embaixada.

Esta decisão unilateral constitui uma violação gravíssima do direito internacional, consignado nomeadamente em numerosas resoluções da ONU, incluindo a recente resolução 2334 do Conselho de Segurança, de Dezembro de 2016, que explicitamente menciona Jerusalém Oriental como «território palestino ocupado».
Esta decisão, que aliás constitui uma alteração substancial da posição oficial estado-unidense até agora vigente, coloca assim os Estados Unidos fora da legalidade internacional.

O presidente dos EUA vai em breve declarar que Jerusalém é a capital de Israel, embora adie a mudança da embaixada estado-unidense de Tel Aviv para Jerusalém, noticiaram ontem, 1 de Dezembro, vários órgãos de comunicação.
Donald Trump deverá assinar na próxima segunda-feira uma dispensa presidencial atrasando a mudança da embaixada dos EUA em Israel para Jerusalém. A assinatura da dispensa, que contraria a promessa eleitoral de Trump sobre o assunto, seria acompanhada por um discurso no qual ele declararia o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. As notícias publicadas não incluem, no entanto, pormenores sobre o discurso, e a Casa Branca oficialmente não se pronunciou sobre o assunto.
Artigo publicado no sítio electrónico Middle East Eye em 23 de Novembro de 2017

Israel está a colocar as peças finais de uma Grande Jerusalém judaica que exigirá a «limpeza étnica» de dezenas de milhares de palestinos de uma cidade em que as suas famílias viveram e trabalharam durante gerações, advertem grupos de defesa dos direitos humanos.

O ritmo das mudanças físicas e demográficas na cidade acelerou-se consideravelmente desde que, há mais de década, Israel começou a construir uma barreira de aço e betão através dos bairros palestinos da cidade, indicam grupos de defesa dos direitos humanos e investigadores palestinos.
A comissão de pais do bairro de al-Issawiya, em Jerusalém Oriental ocupada por Israel, suspendeu hoje, 17 de Outubro, as aulas em todas as escolas para protestar contra a brutalidade da polícia israelita contra os alunos, informa a agência noticiosa palestina WAFA.
A comissão de pais decidiu numa reunião realizada ontem, segunda-feira, suspender as aulas em todas as escolas a partir de hoje e por prazo indeterminado, exigindo o fim das permanentes incursões militares de Israel, especialmente desde o início do novo ano lectivo.
Entre 200 e 300 colonos e outros israelitas de direita, escoltados por polícias israelitas, invadiram o complexo da Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém Oriental ocupada, no domingo de manhã, 8 de Outubro, por ocasião da festividade judaica do Sukkot.
Segundo a agência noticiosa palestina Ma'an, cerca de 7 horas da manhã começaram a entrar no recinto os grupos de israelitas, muitos dos quais realizaram rituais judaicos. As forças israelitas impuseram severas restrições à entrada de fiéis muçulmanos.
Após a anexação ilegal de Jerusalém Oriental por Israel em 1967, Israel tem mantido um compromisso com a Waqf (instituição islâmica que gere o complexo) para não permitir orações de não-muçulmanos no complexo de Al-Aqsa. No entanto, muitas vezes fiéis judeus violam o acordo, particularmente durante as festividades judaicas.
Uma família palestina foi expulsa da casa onde morava há 53 anos no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental ocupada, na passada terça-feira, 5 de Setembro, após uma prolongada batalha jurídica em que as autoridades israelitas afirmaram que a propriedade pertence a colonos judeus.
A família Shamasna é a primeira família palestina a ser expulsa de Sheikh Jarrah desde 2009. A família, incluindo o idoso Ayyub Shamasna, de 84 anos, que vivia na casa desde 1964 e se encontra numa cadeira de rodas, e a sua esposa de 75 anos, foi expulsa à força por um grande número de agentes das forças repressivas israelitas ainda antes de poder carregar os seus móveis e outros pertences para um camião.
Foi uma viagem de apenas 80 quilómetros, mas para o grupo de crianças palestinas da Faixa de Gaza que visitaram Jerusalém Oriental no passado domingo, 20 de Agosto, foi como viajar para um mundo distante. Foi a primeira vez que as 91 crianças, com idades entre os 8 e os 14 anos, puderam visitar Jerusalém.
Estando Gaza fisicamente desligada da Margem Ocidental, é a primeira vez que a maioria das crianças vê o resto dos territórios palestinos: só 7 é que já alguma vez tinham saído da Faixa de Gaza. No caso de algumas das crianças, será também a primeira vez que poderão encontrar-se com parentes que aí residem.
Organizada pela UNRWA (Agência de Obras Públicas e Socorro das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina no Próximo Oriente), a viagem faz parte de um programa de intercâmbio de Verão entre crianças palestinas de Gaza e da Margem Ocidental ocupada, «para cada grupo ver a outra parte da Palestina».
Um vídeo divulgado ontem, 13 de Agosto, pelo grupo israelita de direitos humanos B'Tselem mostra um grupo de polícias israelitas agredindo pessoal de saúde que tenta levar um palestino para a sala de operações. O incidente teve lugar no hospital al-Makassed, em Jerusalém Oriental ocupada, no passado dia 21 de Julho.
O ferido, Muhammad Abu Ghanam, de 19 anos, tinha sido atingido a tiro pouco antes no bairro palestino de Tur, durante o «Dia de Raiva» em protesto contra as medidas israelitas para restringir o acesso à Mesquita de al-Aqsa.
Embora o jovem esteja inconsciente e a sangrar, devido ao ferimento por bala, os polícias, envergando equipamento antimotim, empurram o pessoal hospitalar para tentar apoderar-se da maca em que ele está deitado, impedindo os médicos de a encaminhar para o elevador que dá acesso à sala de operações, no segundo andar.
No mês passado a repressão israelita aos protestos contra o encerramento da Mesquita de Al-Aqsa vitimou 20 palestinos, incluindo 5 crianças, informa um relatório do Centro Abdullah Al-Hourani de Estudos e Documentação, citado pela PressTV.
Esta instituição, ligada à Organização de Libertação da Palestina (OLP), diz ainda que ficaram feridos cerca de 1400 palestinos, incluindo crianças. As autoridades israelitas retiveram os corpos de 13 palestinos mortos, em violação do direito internacional humanitário.
No mês passado as forças israelitas prenderam mais de 600 palestinos, incluindo dezenas de crianças, prossegue ainda o relatório.
Por outro lado, as autoridades israelitas em Julho aprovaram a construção de 1935 unidades habitacionais em colonatos judaicos ilegais em Jerusalém Oriental ocupada.

Páginas

Subscreva Jerusalém