História da Palestina e do Médio Oriente

Em 5 de Junho de 1967, numa jogada de antecipação contra uma possível invasão árabe, Israel lançou uma fulminante ofensiva contra os estados vizinhos, o Egipto, a Síria e a Jordânia, apoderando-se não só dos territórios palestinos que eram administrados pelo Egipto (a Faixa de Gaza) e pela Jordânia (a Cisjordânia e Jerusalém Oriental), como de territórios próprios do Egipto (a Península do Sinai) e da Síria (os Montes Golan).
As tropas árabes, não só egípcias, jordanas e sírias, mas também marroquinas, argelinas, tunisinas, líbias, sudanesas, iraquianas e sauditas, pela falta de treino e de armamento e pelo efeito de surpresa do ataque israelita, foram rapidamente derrotadas e assinado um cessar-fogo no dia 10 de Junho.
Ataque com fósforo branco contra escola das Nações Unidas em Gaza
Mahmoud Abbas assume a liderança da Autoridade Palestina. A vitória do Hamas nas eleições de 2006 e subsequente tomada do poder em Gaza, expõem este território a boicotes e brutais agressões por Israel, provocando reais catástrofes humanitárias.
 
7. DE MAHMMOUD ABBAS À OPERAÇÃO "CHUMBO FUNDIDO"
2005
9 de Janeiro – Mahmoud Abbas é eleito Presidente da Autoridade Nacional Palestina, com cerca de 61% dos votos, em eleições bastante participadas, a despeito de dificuldades criadas pelos ocupantes israelitas e do boicote de grupos islâmicos.
O Muro do Apartheid
A década de 1995 a 2004 é balizada pela morte dos dois signatários dos Acordos de Oslo. Enquanto prosseguem as negoiaõss de paz, Israel consolida a ocupação e colonização de que é marco a construção do Muro de Separação, mais conhecido por Muro do Apartheid
 
6. DO ASSASSINATO DE RABIN À MORTE DE ARAFAT
1995
4 de Novembro - Assassinato de Yitzhak Rabin por um extremista judeu.
1996
20 de Janeiro - Eleições palestinas na Cisjordânia, Jerusalém-Leste e Faixa de Gaza. Arafat é eleito Presidente da Autoridade Palestina.
Fevereiro – O Likud vence as eleições em Israel e Benyamin Netanyahu torna-se primeiro-ministro.
Fevereiro e Março - Atentados-suicidas do Hamas e da Jihad Islâmica em Jerusalém e Telavive, como represália pelo assassinato de Yehia Ayache, o ideólogo do Hamas, pelos serviços secretos israelitas.
Yitzhak Rabin, Bill Clinton e Yasser Arafat na assinatura do Acordo de Oslo (1973)
Entre a proclamação da independência, em 1989, e a assinatura do Acordo interino de Oslo, em 1995, a Palestina participa em várias iniciativas de paz em que reconhece o Estado de Israel e faz concessões que muitos palestinos consideram ir além do aceitável. Mas nem assim consegue o reconhecimento pretendido, porque Israel viola, sistematicamente, os compromissos assumidos denotando a sua má-fé negocial.
 
5. DA PROCLAMAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA AOS ACORDOS DE OSLO
1988
12 a 15 de Novembro – A OLP proclama, em Argel, um Estado palestino com capital em Jerusalém e aceita as Resoluções 181 e 242 da ONU, reconhecendo implicitamente Israel. A Declaração de Independência foi redigida por Mahmud Darwich, o poeta naciona palestino.
Primeira Intifada: pedras contra tanques
Este é um período de grande conflitualidade nos países vizinhos com clara ingerência de Israel. A OLP ganha reconhecimento internacional sem que isso se traduza em qualquer pressão sobre Israel para que ponha termo à sua política de agressão e colonização. A primeira Intifada marca o início da resistência não-armada.
 
4. DO YOM KIPPUR À PRIMEIRA INTIFADA
1973
6 de Outubro - O Egipto, a Síria e a Jordânia surpreendem Israel com uma guerra no Yom Kippur, o dia da Expiação no calendário judaico.
21 de Outubro - O Conselho de Segurança da ONU aprova, por unanimidade, a Resolução 338 que exige "uma paz justa e duradoura" e o reconhecimento do direito de todos os Estados da região a viver em segurança.
26 a 28 de Novembro – Cimeira árabe de Argel em que a OLP é reconhecida como único representante do povo palestino.
1974
Yasser Arafat
A criação do Estado de Israel foi conseguida com a expulsão de centenas de milhares de palestinos das suas terras e casas, o massacre de milhares, a destruição de centenas de vilas e aldeias. Perante a inoperância da comunidade internacional, os palestinos organizam-se para lutar pela sua independência. Entretanto, Israel inicia a sua política de ocupação e colonização engrossando o contigente de refugiados palestinos.
 
3. DA «NAKBA» AO «SETEMBRO NEGRO»
1948
Atentado terrorista da Irgud contra o Hotel King David
O segundo quartel do século XX forja o destino trágico do povo palestino. Com a queda do Império Otomano, as potências coloniais apropriam-se do Médio Oriente e abrem as portas à ocupação judaica da Palestina, impulsionada pela retórica sionista. Pouco confiantes na força da sua razão, os sionistas recorrem à violência e ao terror para preparar o caminho para a proclamação do Estado de Israel.
 
2. DO MANDATO BRITÂNICO À PROCLAMAÇÃO DO ESTADO DE ISRAEL
1920
No rescaldo da 1ª Guerra Mundial, a Sociedade das Nações decide dividir a maior parte do Império Otomano em territórios mandatados. A Palestina fica submetida ao Mandato Britânico.
Maio - Confrontos em Jerusalém entre judeus e palestinos.
Família árabe de Ramala
Ao longo de milénios, desde a chegada dos “Povos do Mar”, o povo da Palestina assistiu à passagem, pelo seu território, de diferentes povos e civilizações. Aos Assírios e Babilónios, Persas, Gregos e Romanos, sucederam Árabes e Otomanos. Com todos coexistiu o povo da Palestina, de cada um drenando, em maior ou menor extensão, elementos que ajudaram a formatar a sua cultura sendo a influência muçulmana, porventura, a mais relevante. 
 
1. DA TERRA DE CANAÃ AO FIM DO IMPÉRIO OTOMANO
2000 A.C.
Amoritas, Cananeus e outros povos semitas, relacionados com os Fenícios, ocupam o território que ficará conhecido como Terra de Canaã.
1800-1500 A.C.
Comemora-se em 15 de Maio o aniversário da NAKBA, que em árabe quer dizer Catástrofe, e que marca o princípio da tragédia que se abateu sobre o Povo Palestino, perseguido, massacrado e expulso da sua terra pelos novos ocupantes judeus.
A independência do Estado de Israel, proclamada unilateralmente em 14 de Maio de 1948, significou para os palestinos o início da devastação da sua sociedade, a eclosão de um drama individual e colectivo que perdura até aos nossos dias. Repartido o seu território pelo novel Estado judaico (na parte consagrada pela Resolução 181 das Nações Unidas, de 29 de Novembro de 1947), pelo reino da Jordânia (a Cisjordânia) e pelo Egipto (a Faixa de Gaza), os palestinos tornaram-se exilados na sua própria pátria, com a maioria das terras confiscadas e os direitos cívicos reduzidos ou eliminados.

Páginas

Subscreva História da Palestina e do Médio Oriente