Jornadas de Solidariedade

Uma iniciativa com tradição
Dando continuidade a uma iniciativa com tradição na sua atividade, o MPPM organizou um conjunto de eventos, integrados nas Jornadas de Solidariedade com a Palestina - 2012, em torno da data de 29 de Novembro proclamada pela Assembleia Geral da ONU como o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina, evocando a data em que, em 1947, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a resolução 181 (II) que preconizava a partilha da Palestina em dois Estados - um judaico e um árabe - com um estatuto especial para Jerusalém, mas que jamais foi cumprida no que respeita à criação do Estado Palestino.
As Jornadas de Solidariedade com a Palestina - 2012 adoptaram como lema: "Dignidade - Liberdade - Identidade".
Viver na Palestina Hoje

Em 29 de novembro de 1947, a Assembleia Geral da Nações Unidas adotou a resolução 181 (II) sobre a partilha da Palestina em dois estados, um árabe e um judaico, com um regime especial para Jerusalém. Destes, só o estado judaico foi constituído. Por isso, em 1977, volvidos 30 anos, "profundamente preocupada por não ter sido alcançada nenhuma solução para o problema da Palestina, e por este continuar a agravar o conflito no Médio Oriente, de que é o cerne, e a pôr em perigo a paz e a segurança internacionais", a Assembleia Geral da ONU adotou a resolução 32/40 B em que proclama 29 de novembro como o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina, convidando "todos os Governos e organizações a cooperar na implementação da presente resolução".

Uma iniciativa retomada
Em 2011, o MPPM retomou a iniciativa de organizar um conjunto de eventos, integrados nas Jornadas de Solidariedade com a Palestina - 2011, em torno da data de 29 de novembro proclamada pela Assembleia Geral da ONU como o Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina, evocando a data em que, em 1947, a Assembleia Geral das Nações Unidas adotou a resolução 181 (II) que preconizava a partilha da Palestina em dois Estados - um judaico e um árabe - com um estatuto especial para Jerusalém, mas que jamais foi cumprida no que respeita à criação do Estado Palestino.
As Jornadas de Solidariedade com a Palestina - 2011 adotaram como lema: "Liberdade - Independência - Soberania".
A Terra Fala Árabe - I

O MPPM - Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente - promoveu a realização, no dia 29 de Novembro de 2010, na Casa do Alentejo, em Lisboa, de uma sessão pública evocativa do Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina.
A sessão foi presidida por Júlio de Magalhães, Vice-Presidente do MPPM e intervieram:
- Carlos Almeida - membro da Direcção Nacional do MPPM
- Adel Sidarus - membro da Direcção Nacional do MPPM
- Embaixador Mufeed Shami - Delegado-Geral da Palestina em Portugal
Neste documento reunimos todas as intervenções apresentadas na Sessão.

O Embaixador Mufeed Shami, Carlos Almeida e Adel Sidarus foram os oradores de uma sessão, presidida por Júlio de Magalhães, realizada na Casa do Alentejo, em Lisboa, em que se evocou a luta e sofrimento do povo palestino e se acentuou a necessidade premente de uma intensificação da solidariedade internacional para com este povo mártir.

A segunda iniciativa integrada na 2.ª Semana da Palestina, que o MPPM organizou entre 21 e 28 de Novembro de 2009, em torno do Dia Internacional de Solidariedade com o Povo da Palestina, foi dedicada à "Poesia Palestina do Séc. XX".
Como destacou Júlio de Magalhães - responsável pela selecção e tradução dos poemas e ainda pelas notas biográficas dos seus autores - a poesia foi fundamental na construção da identidade árabe ao longo dos séculos. Esta identidade construiu-se em torno da língua árabe, a língua do Corão, e na expansão do mundo árabe a poesia teve um papel primordial.

A 2.ª Semana da Palestina encerrou com uma Sessão Pública de Solidariedade que teve lugar, no dia 28 de Novembro, na sede da Confederação Portuguesa das Colectividades de Cultura, Recreio e Desporto.
Com moderação de José Neves, Vice-Presidente o MPPM, intervieram: Frei Bento Domingues, também Vice-Presidente do MPPM; Luís Vicente, Vice-Presidente da Direcção Nacional do CPPC (Conselho Português para a Paz e Cooperação) e Embaixadora Randa Nabulsi, Delegada-Geral da Palestina.

A penúltima iniciativa integrada na 2ª Semana da Palestina reuniu mais de uma centena de pessoas numa jornada de descoberta da gastronomia palestina. Uma vez mais sob a orientação da Srª Embaixadora Randa Nabulsi, foi preparado e servido um jantar que abriu com Malfuf (arroz e legumes enrolados em folhas de couve coração), Falafel (grão-de-bico condimentado com salsa, aipo, coentros e especiarias), Hummus (grão-de-bico com molho de sésamo, alho e especiarias), Babaghannuj (beringelas com molho de sésamo, alho e especiarias) e Salada Árabe (tomate, pepino, salsa, cebola, limão, alface e temperos árabes). Seguiu-se o prato principal, Frango à Palestina (frango condimentado com tomilho e mistura de especiarias palestinas) acompanhado de Mujadara de Burghol (trigo, lentilhas e cebola frita), Fatta (pão frito, beringelas, carne picada e iogurte com alho) e Legumes (cenoura, ervilhas e batata cozida em molho de caril).

A 26 de Novembro, a 2.ª Semana da Palestina deslocou-se à Universidade.
Um colóquio sobre a "Vida, Pensamento e Obra de Edward Said", apresentado por Júlio de Magalhães, da Direcção Nacional do MPPM, atraiu a um anfiteatro do ISCTE-IUL uma interessada assistência do meio académico que seguiu atentamente as exposições dos Professores Rosa Maria Perez (ISCTE-IUL), Eva-Maria Von Kemnitz (Universidade Católica, Instituto de Estudos Orientais) e António Manuel Hespanha (Faculdade de Direito, Universidade Nova) no que terá sido a mais relevante iniciativa sobre Saïd realizada em Portugal nos últimos anos.

Poesia Palestina na Barraca

A segunda iniciativa integrada na 2ª Semana da Palestina foi dedicada à "Poesia Palestina do Séc. XX". Como destacou Júlio de Magalhães - responsável pela selecção e tradução dos poemas e ainda pelas notas biográficas dos seus autores - a poesia foi fundamental na construção da identidade árabe ao longo dos séculos. Esta identidade construiu-se em torno da língua árabe, a língua do Corão, e na expansão do mundo árabe a poesia teve um papel primordial. Quando, no século XX, há um movimento político de ressurgimento árabe na sequência da luta contra o Império Otomano, instigada pelas potências ocidentais, que resulta na criação de Estados com fronteiras artificialmente criadas, há também um renascimento cultural, que se inicia no Egipto e se alarga a todo o mundo árabe. Com a criação dos novos Estados, atenua-se o conceito de poesia árabe e começam a surgir as variantes nacionais. É nesse contexto que surge uma poesia de matriz palestina.

Páginas

Subscreva Jornadas de Solidariedade