Home Notícias Pelo fim das mortes no Mediterrâneo!
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

QUE SE PARE A TRAGÉDIA DO MEDITERRÂNEO, AGORA!

O MPPM associou-se à Jornada Mundial de Solidariedade para exigir o fim das mortes no Mediterrâneo promovida, em Portugal, pela CGTP-IN, com uma concentração, na Rua do Carmo, em Lisboa, no final da tarde de 19 de Julho de 2015, que teve ainda o apoio de outras organizações, como o Conselho Português para a Paz e Cooperação, o Movimento Democrático de Mulheres, a Liga Portuguesa dos Direitos Humanos-Civitas e o Movimento Erradicar a Pobreza. Usaram da palavra, pela CGTP-IN, Carlos Trindade, responsável de Migrações da Comissão Executiva, Libério Domingues, da Comissão Executiva e coordenador da União dos Sindicatos de Lisboa e Arménio Carlos, Secretário-Geral.

mediterrneo 1A tragédia dos refugiados que se tem vindo a verificar no Mediterrâneo tem causas profundas que se têm vindo a agravar nos últimos anos. Elas radicam na desenfreada espoliação das riquezas dos locais de origem dos refugiados e na miserável exploração da mão-de-obra das respectivas populações.

As guerras, impostas ou fomentadas, as ingerências de Estados, nomeadamente da Europa, as políticas neocolonialistas, e o expansionismo territorial, em mediterrneo 3contravenção ao Direito Internacional, tornaram a região sul e este do Mediterrâneo num inferno de fome e insegurança. É destas calamidades que os migrantes fogem, procurando refúgio na Europa.

O Mali, a Líbia, o Líbano, a Síria, o Egipto, o Iraque, a Palestina, etc., vivem sob ameaças, instabilidade e guerras constantes, vêem as suas habitações destruídas, os seus terrenos de lavoura e pasto inquinados pela mineração e ou usurpados pela actuação das multinacionais. O desemprego e a mediterrneo 4insalubridade, grassam nas populações atingidas pela ganância das empresas colonizadoras.

Os conflitos não resolvidos e as guerras produziram até à data, mais de 4 milhões de refugiados Palestinos, 200.000 refugiados Saharauis no deserto argelino, 9 milhões de Sírios deslocados e refugiados, 2 milhões de Iraquianos deslocados.

Só a paz e o respeito pela soberania dos povos pode proporcionar o desenvolvimento e a segurança que travarão naturalmente esta migração. Não é com mais armas, mais agressão, mais ameaças, que se impedirá a fugas das populações e o obsceno tráfico de seres humanos.

O MPPM considera que uma política de paz, solidária e de respeito pelo Direito Internacional e Humanitário é necessária para todo o mundo e urgente na Região Mediterrânica e no Médio Oriente.

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing