Home Liberdade para Gaza Iniciativa "Lembrar Gaza"
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

UM ANO APÓS A AGRESSÃO ISRAELITA O POVO DE GAZA CONTINUA A SOFRER

 

Vigília frente à Embaixada de Israel em 27 de DezembroA iniciativa "Lembrar Gaza", que congregou um número muito significativo de organizações, entre as quais o MPPM, e de subscrições de personalidades, teve como objectivo indeclinável relembrar a brutal intervenção militar de Israel à Faixa de Gaza, sugestiva e mordazmente denominada por operação "Chumbo Fundido", ocorrida de 27 de Dezembro de 2008 a 18 de Janeiro de 2009 e que provocou mais de 1.400 mortes entre a população indefesa (crianças, mulheres e idosos), bem como efeitos devastadores na Faixa de Gaza.

O programa delineado pela organização da iniciativa "Lembrar Gaza" contemplava quatro momentos significativos, dos quais o inicial e o final ocorreram no exterior, em espaços com sentido político e histórico, respectivamente, junto à embaixada de Israel e no Largo de S. Domingos. Os dois outros momentos do programa, ocorreramalt, respectivamente, em espaços da Livraria Ler Devagar, no dia 13 de Janeiro e da Voz do Operário, no dia 17 de Janeiro.

Com a vigília de dia 27 de Dezembro, em frente à embaixada de Israel e a concentração no Largo de S. Domingos, no dia 18 de Janeiro, pretendeu-se evidenciar a indignação pela monstruosa operação militar israelita "Chumbo Fundido" e apelar ao apuramento da responsabilidade pelos crimes de guerra e crimes contra a Humanidade e, ainda, exigir o levantamento do cerco ilegal a Gaza, apelo que foi retratado, expressivamente, nos discursos de Alan Stoleroff.

Na Livraria Ler Devagar, aconteceram três momentos culturais de dança, teatro e poesia, sentidos e concebidos, de uma forma muito expressiva, a partir da indignação e reprovação da tragédia que se abateu, ainda mais, sobre o povo palestino de Gaza, Leitura encenada da peça com a operação militar israelita "Chumbo Fundido".

A sessão iniciou-se com a interpretação pelo grupo Gestos - Dança Contemporânea da obra "Na queda do chumbo".

Seguiu-se a leitura encenada de "Sete Crianças Judias", texto de Caryl Churchill, com tradução e direcção de Bruno Mendes e interpretação de André Sobral, Bruno Mendes, Helena Miguel, Lígia Santos, Marta Jorge, Rita Caeiro e Rita Costa, que culminou com uma conversa / debate com o director e actores.

A sessão na Ler Devagar terminou com a leitura de "21 Haikus sobre Gaza" por David Rodrigues; "De Lisboa para Gaza" por Alan Stoleroff; e de poemas em árabe ditos por to shoot an elephantShahd Wadi.

Na Voz do Operário, foi exibido o documentário "To Shoot an Elephant", realizado por Alberto Arce e Mohammad Rujailah, e assim descrito pelos seus autores: "O dia 18 de Janeiro de 2010 representa o primeiro aniversário do fim do bombardeamento da Faixa de Gaza por Israel. Um ataque que começou a 27 de Dezembro de 2008 e durou até 18 de Janeiro de 2009, e no qual 1,412 Palestinos perderam as suas vidas. O documentário "To shoot an elephant" é um relato testemunhal a partir da Faixa de Gaza do que ocorreu durante esses dias. Esta narração directa e privilegiada torna-se num instrumento com o qual podemos confrontar a propaganda Israelita e o silêncio da comunidade internacional sobre o que realmente aconteceu. Pelo seuNo Largo de S. Domingos, em 18 de Janeiro, 313 balões pretos evocaram as crianças mortas na agressão a Gaza valor como testemunho da população civil, "To shoot an elephant" tornou-se um relato legítimo que conta o que realmente ali aconteceu. É um retrato insubstituível do que os meios de comunicação social tentam esconder, uma excepcional banda sonora a ser ouvida por aqueles que vivem sob o controle Sionista... fragmentos de realidade a mostrar como a vida é numa guerra onde não há possibilidade de escapar."

Seguiu-se um debate, significativamente participado, com o jornalista da Antena 1, José Manuel Rosendo.

Na concentração no Largo de S. Domingos foram lidos, um a um, e de uma forma solene, os nomes das 313 crianças, que morreram durante a intervenção militar israelita à Faixa de Gaza e, simbolicamente, foram deixados, pelos presentes, 313 balões pretos, cada um com um nome de uma dessas crianças.


Organizações e personalidades subscritoras da Iniciativa Lembrar Gaza:

SPGL; CGTP; USL; STML; CPPC; MPPM; Associação Abril; CIDAC; PCP; BE; Colectivo Múmia Abu Jamal; Comité de Solidariedade com a Palestina; Fórum pela Paz e Direitos Humanos; AE da FCSH; Tribunal Iraque; MDM; ATTAC; Alan Stoleroff; Alípio de Freitas; Ana Benavente; António Avelãs; Boaventura Sousa Santos; Carlos Carvalho; Fernando Ambrioso; Graciete Cruz; Guadalupe Magalhães; Hélder Costa; Helena Roseta; José Mário Branco; José Manuel Pureza; Libério Domingues; Manuel Carvalho da Silva; Manuel Duran Clemente; Maria do Céu Guerra; Miguel Graça; Paulo Sucena; Paula Cabeçadas; Rosa Perez

 

 

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing