Home Comunicados COMUNICADO 01/2008
COMUNICADO 01/2008 PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

TOMADA DE POSIÇÃO DO MPPM SOBRE O BLOQUEIO E A AGRESSÃO A GAZA  

O governo de Israel continua a desrespeitar as resoluções das Nações Unidas e a violar os direitos do homem, agindo de forma ostensiva contra a população civil da Palestina e prosseguindo, sob vários pretextos, a sua estratégia de criar o grande Israel pretendido pelos fundamentalistas.

As recentes incursões militares, acompanhadas de bombardeamentos indiscriminados e do bloqueio a Gaza, com gravíssimas consequências para a população, recordam as tragédias da última guerra mundial, ainda gravadas na nossa memória.

É claro que a capacidade de influenciar o Estado de Israel, no sentido de um comportamento compatível com o direito internacional, tem sido atenuada pela visível conivência da administração Bush e de Tony Blair, bem como pela constante hesitação e tolerância por parte da União Europeia.

Esta situação só pode agravar o já longo conflito na região, prolongar o sofrimento das populações dos dois lados e dificultar ainda mais o relançar efectivo de negociações eficazes. Prosseguir a agressão contra Gaza serve apenas estratégias e interesses contrários à estabilidade e à paz na região.

Perante esta situação, o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM) reitera o apelo para que o Governo português - cuja capacidade diplomática ficou demonstrada durante a recente presidência da UE - assuma uma posição activa, tendo em vista a adopção pela União Europeia de uma genuína estratégia em prol da paz no Próximo Oriente, enquanto é tempo.

A aventura militar de Israel no Líbano e o actual ataque e bloqueio a Gaza requerem, mais do que nunca, por parte da comunidade mundial, uma intervenção inequívoca e solidária, à semelhança do que aconteceu em relação à África do Sul do apartheid, a qual abriu caminho à democratização e ao primado dos direitos humanos naquele país.

É altura de accionar medidas susceptíveis de condicionar a política israelita, com vista ao cumprimento das resoluções das Nações Unidas e do direito internacional, designadamente através da adopção de sanções económicas e outras medidas, como um corte significativo das parcerias académicas e científicas com instituições europeias, de modo a apressar a genuína participação de Israel num processo de paz, que assegure a libertação dos territórios palestinianos ilegalmente ocupados e trave as acções agressivas em curso.

O apelo da comunidade internacional ao Hamas e a outros grupos para renunciarem à violência deve ser acompanhado de um apelo igualmente assertivo a Israel, para que cesse de cometer actos de agressão e crimes de guerra contra a população da Palestina.

O silêncio ou a aquiescência da comunidade internacional perante a reiterada política agressiva de Israel agrava a situação na região e radicaliza as tensões em todo o Médio Oriente, pondo em causa a paz mundial.

Lisboa, 28 de Janeiro de 2008

Pela Comissão instaladora do MPPM

Mário Ruivo
Isabel Allegro de Magalhães
 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing