Home Actualidade COLÓQUIO NA VOZ DO OPERÁRIO: “COMO É VIVER NA PALESTINA HOJE?”
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

COLÓQUIO NA VOZ DO OPERÁRIO: “COMO É VIVER NA PALESTINA HOJE?”

Como é viver na Palestina após 50 anos de colonização? Esta foi a pergunta a que procuraram responder os participantes no Colóquio realizado n’A Voz do Operário. E a resposta não podia ser mais devastadora. Nos cinquenta anos que se seguiram à ocupação da Margem Ocidental, de Jerusalém Oriental e de Gaza, na sequência da guerra dos Seis Dias, com a cumplicidade da comunidade internacional, Israel tem procedido à pilhagem de recursos naturais, apropriação ou destruição de casas e terras, e construção de colonatos, concretizando uma política de colonização, contrária ao Direito Internacional e inúmeras vezes condenada – inconsequentemente – em instâncias internacionais, de que o Muro do Apartheid é a face mais visível.

Vítor Agostinho, da Direcção da Voz do Operário, deu as boas-vindas aos presentes e destacou o compromisso da associação que dirige com a solidariedade para com as pessoas e os povos.

José Oliveira, da Direcção Nacional do MPPM, traçou um esboço histórico da intervenção externa que conduziu à ocupação da Palestina e à expulsão ou assassinato de muitos dos seus habitantes naturais.

Fernando Quaresma, estudante, participou como voluntário num campo de trabalho em Nablus e relatou a sua experiência das dificuldades da vida quotidiana, tanto em Nablus como nas outras cidades da Margem Ocidental que visitou, onde a presença militarizada do ocupante é permanentemente visível.

Adriana Mabília, jornalista brasileira, visitou demoradamente a Palestina e relatou a sua experiência no seu livro “Viagem à Palestina: Uma prisão a céu aberto”. Com base nas numerosas entrevistas que realizou, com dirigentes, activistas e pessoas comuns, e até com novos colonos agenciados pelo Fundo Judaico, traça um retrato vívido do dia-a-dia em casa, no trabalho, na escola, mas também na resistência pacífica ao invasor.

José Goulão destacou a inconsequência dos sucessivos “processos de paz” e a inoperância cúmplice da comunidade internacional, em relação a um processo que se iniciou há 130 anos, com o manifesto sionista, e que se tem agravado sucessivamente. Denunciou a incompetência das organizações internacionais, incapazes de fazer cumprir as resoluções que aprovam. Terminou com uma nota de actualidade sobre a nova situação no Médio Oriente, cujo desfecho é imprevisível.

No final, o único aspecto positivo a destacar é a inabalável capacidade de resistência do povo palestino e o nosso dever de solidariedade.

[06.06.2017]

 

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing