Home Actualidade GREVE GERAL NOS TERRITÓRIOS OCUPADOS APOIA PRESOS PALESTINOS NO 11.º DIA DE GREVE DA FOME
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

GREVE GERAL NOS TERRITÓRIOS OCUPADOS APOIA PRESOS PALESTINOS NO 11.º DIA DE GREVE DA FOME

Uma greve geral teve lugar hoje, 27 de Abril, em toda a Margem Ocidental e em Jerusalém Oriental ocupadas, informa a agência noticiosa palestina Ma'an. Milhares de palestinos fecharam as suas lojas e empresas em solidariedade com os cerca de 1500 presos palestinos em greve da fome — a greve «Liberdade e Dignidade».

Esta greve geral, no 11.º dia da greve da fome maciça dos presos, realiza-se na véspera do Dia de Raiva convocado pelo movimento Fatah para 28 de Abril, durante o qual é de prever que ocorram choques de palestinos com as forças israelitas para demonstrar a solidariedade com os presos.

As ruas normalmente movimentadas de cidades, vilas, aldeias e campos de refugiados da Margem Ocidental estavam quase vazias. Lojas, instituições, bancos e escolas estavam fechadas em apoio aos grevistas da fome.

Milhar e meio de palestinos presos por Israel têm estado a participar na greve de fome desde 17 de Abril, em protesto contra a tortura, os maus tratos e a negligência médica, e também contra o uso generalizado da detenção administrativa pelas autoridades israelitas.

Entretanto, continuaram a ser organizadas diariamente manifestações de solidariedade com os presos em greve da fome.

O dirigente do Comité Palestino de Assuntos dos Presos, Issa Qaraqe, divulgou ontem um comunicado segundo o qual o Serviço Prisional de Israel (IPS) «continuou a escalada de medidas punitivas» contra os presos. Logo a partir do primeiro dia da greve, forças dos IPS transferiram presos e dirigentes da greve para o isolamento e impediram os advogados de visitarem os presos, em particular presos doentes.

Nas prisões israelitas encontram-se actualmente cerca de 6300 presos palestinos, 300 dos quais menores. Cerca de 500 encontram-se em regime de detenção administrativa, ao abrigo do qual Israel pode manter os palestinos encarcerados por períodos de seis meses indefinidamente renováveis, sem julgamento nem culpa formada e sem sequer justificar os motivos da detenção.

As autoridades israelitas detiveram cerca de um milhão de palestinos desde a criação do Estado de Israel, em 1948, e da subsequente ocupação da Margem Ocidental, Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza em 1967.

[27.04.2017]

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing