Home Actualidade SABRA E CHATILA: UM HORROR QUE NÃO PODE SER ESQUECIDO
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

SABRA E CHATILA: UM HORROR QUE NÃO PODE SER ESQUECIDO

Na noite de 16 de Setembro de 1982, milícias falangistas libanesas invadiram os campos de refugiados de Sabra e Chatila, nos arredores de Beirute, com a conivência do exército israelita que, desde Junho, ocupava a capital do Líbano. Durante 40 horas levaram a cabo um hediondo massacre de que resultaram numerosas vítimas palestinas, em grande parte mulheres e crianças. Enquanto os falangistas executavam a sua macabra missão, o exército israelita bloqueava as saídas dos campos para evitar a fuga dos refugiados em pânico e, à noite, iluminava o terreno com foguetes luminosos.

O número exacto de vítimas é difícil de determinar pois, além do milhar de corpos enterrados em valas comuns pela Cruz Vermelha, muitas vítimas ficaram soterradas nas casas derrubadas a buldózer pelas milícias e centenas de palestinos foram por elas levados para destino desconhecido de onde nunca regressaram. Uma estimativa credível aponta para 3500 vítimas.

Quando os jornalistas entraram no campo de Chatila, foram confrontados com um cenário de horror. Robert Fisk descreve assim o que viu: “O que encontrámos no campo palestino de Chatila às 10 da manhã de 18 de Setembro, desafia qualquer descrição (…) Havia mulheres jazendo nas suas casas com as saias rasgadas até ao peito e as pernas todas abertas, crianças com as gargantas cortadas, filas de jovens baleados nas costas depois de alinhados numa parede de execução. Havia bebés (…) cujos corpos tinham sido lançados para pilhas de lixo, juntamente com latas vazias de rações do exército americano, equipamento médico do exército de Israel e garrafas vazias de whisky. (…). Havia uma pilha de corpos, mais de uma dúzia de jovens (…) mortos à queima-roupa (…) um tinha sido castrado (…) o mais novo teria só 12 ou 13 anos. (…). Encontrámos os corpos de cinco mulheres e várias crianças (…) Uma das mulheres tinha um bebé ao colo. A bala que lhe atravessou o peito matou também o bebé.”

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou este “massacre criminoso” pela Resolução 521 de 19 de Setembro de 1982 e, em 16 de Dezembro desse mesmo ano, a Assembleia Geral da ONU classificou os massacres (sem votos contrários) como um “acto de genocídio”. No entanto, todos os responsáveis pelo massacre permanecem impunes, incluindo Ariel Sharon, então Ministro da Defesa de Israel e supremo comandante militar da invasão do Líbano, e que viria mais tarde a tornar-se Primeiro-Ministro de Israel.

O massacre de Sabra e Chatila é um momento particularmente hediondo numa longa série de crimes que tem marcado a história do Estado de Israel, desde a sua criação até aos nossos dias.

Fontes:

https://occupiedpalestine.wordpress.com/2010/10/28/sabra-shatilla-massacre/

http://www.leninology.co.uk/2009/09/sabra-and-shatila.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Sabra_and_Shatila_massacre

[16.09.2016]

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing