Home Actualidade O MURO DO APARTHEID DE ISRAEL PODE SER VISTO DO ESPAÇO, MAS NÃO NO GOOGLE
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

O MURO DO APARTHEID DE ISRAEL PODE SER VISTO DO ESPAÇO, MAS NÃO NO GOOGLE

Quando a Google foi acusada de suprimir a Palestina da app Maps, acabou por confessar, após um protesto mundial, que a Palestina nunca fora assim nomeada, apesar de 136 países membros da ONU reconhecerem a Palestina como um Estado independente.

O Google Maps está novamente envolvido em polémica, desta vez por causa do Muro do Apartheid — a que Israel chama eufemisticamente «barreira de separação» —, que serpenteia pelas terras palestinas da Margem Ocidental ocupada. O Muro pode ser visto do espaço, mas não pode ser visto no Google. Não é mostrado em nenhum dos mapas fornecidos pelo popular motor de busca.

A Grande Muralha da China e o Muro de Adriano aparecem no Google Maps, assim como o modesto «muro ocidental», de 500 metros, em Jerusalém. Mas não este muro de betão de 700 quilómetros de comprimento e oito metros de altura.

O deputado europeu escocês Alyn Smith (Partido Nacional Escocês) lançou uma petição que exorta o Google a mostrar a totalidade do Muro do Apartheid, incluindo postos de controlo, torres de vigia e outras características instaladas pelo Estado sionista.

O Muro foi iniciado em 2000, a pretexto de que protege os cidadãos de Israel de bombistas suicidas. Mas para os palestinos constitui uma violação do seu direito a deslocarem-se sem entraves na sua terra histórica. Além disso, o Muro é inteiramente construído bem dentro da terra palestina, para além da linha do armistício de 1949 («linha verde»). Trata-se de um roubo de terra em grande escala.

O Tribunal Internacional de Justiça classificou o Muro como ilegal e a Assembleia Geral da ONU, por 150 votos contra 6, instou Israel a respeitar a sentença. Mas, tal como aconteceu com cerca de outras 180 Resoluções da ONU, isto foi ignorado ou violado pelo governo israelita. Nunca nenhum outro Estado desprezou tantas Resoluções da ONU como Israel.

A Google, insiste Alyn Smith, deve ser forçada a mostrar o Muro e a entender que sua prática actual é inaceitável.

Ler na íntegra: https://www.middleeastmonitor.com/20160830-israels-apartheid-wall-can-be-seen-from-outer-space-but-not-by-google/

[30.08.2016]

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing