Home Actualidade BILAL KAYED, HÁ 48 DIAS EM GREVE DA FOME, INTENSIFICA A LUTA. SECRETÁRIO-GERAL DA FPLP JUNTA-SE À GREVE
PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

BILAL KAYED, HÁ 48 DIAS EM GREVE DA FOME, INTENSIFICA A LUTA. SECRETÁRIO-GERAL DA FPLP JUNTA-SE À GREVE

O preso palestino Bilal Kayed, em greve da fome há 48 dias, anunciou numa carta datada de 1 de Agosto que decidiu intensificar a sua luta. Vai recusar todos os tratamentos ou exames médicos até que um tribunal israelita aceite apreciar o seu caso. Kayed exige também ser transferido outra vez para a prisão, para poder continuar a sua greve da fome ao lado de outros presos palestinos. A carta termina com as palavras: «Liberdade ou martírio. A vitória é inevitável».

Bilal Kayed, actualmente detido em regime de segurança máxima no centro médico de Barzilai, em Ashkelon (Israel), está em greve da fome desde 15 de Junho, em protesto contra o facto de as autoridades israelitas o terem condenado a seis meses de detenção administrativa — internamento sem julgamento nem culpa formada — no dia em que deveria ter sido libertado após cumprir uma pena de 14 anos e meio de prisão.

Desde que está detido no hospital de Barzilai, Kayed tem permanentemente a mão direita e o pé esquerdo algemados à cama. Além disso, tem sempre no quarto três guardas israelitas e uma câmara de vigilância, o que impede toda a privacidade, mesmo durante as visitas do seu advogado, que são limitadas a meia hora.

Kayed informou igualmente que os deputados da Lista Conjunta – coligação de partidos palestinos e da esquerda não sionista em Israel — foram proibidos de o visitar. Acrescentou que era molestado por extremistas israelitas que visitam o hospital e pelos seus guardas, que acusou de lhe tirar fotografias durante o sono e de baixar a temperatura do ar condicionado quando se queixava de frio.

Após mais de mês e meio de greve da fome, a saúde de Kayed deteriorou-se gravemente. Tem dificuldade em manter-se de pé ou caminhar, perde repetidamente a consciência, sofre de perda da visão e já perdeu mais de 32 quilos desde o início da greve da fome.

Farah Bayadsa, advogada da organização palestina de direitos dos presos Addameer, visitou Kayed no domingo e testemunhou as condições da sua detenção. A Addameer considera o aprisionamento de Kayed uma violação dos direitos humanos e exige a sua libertação imediata, assim como o fim de todas as medidas punitivas contra os presos que manifestam a sua solidariedade com Bilal Kayed.

O destacado dirigente palestino Ahmad Sa'adat, secretário-geral da Frente Popular para a Libertação de Palestina, é um dos 23 presos palestinos das prisões de Ofer e de Ramon que se somaram a dezenas de outros presos numa greve da fome colectiva e ilimitada para exigir a libertação de Bilal Kayed. Sa'adat, que está a cumprir uma pena de 30 anos de prisão a que foi condenado por um tribunal israelita em 2008, foi imediatamente transferido para reclusão solitária.

Neste momento há mais de 100 presos palestinos em greve da fome para exigir a libertação de Bilal Kayed.

A luta pela libertação de Bilal Kayed tem adquirido proporções crescentes, com manifestações tanto na Palestina como a nível internacional. Mais de 170 organizações palestinas e internacionais assinaram já um apelo pela sua imedita libertação.

O MPPM, em comunicado de 12 de Julho, recorda: «Mais de 7000 palestinos estão actualmente encarcerados em centros israelitas de presos e de detenção. Entre eles contam-se aproximadamente 715 detidos administrativos.» O MPPM sublinha: «A recusa da libertação de Bilal Kayed e a imposição da detenção administrativa constitui uma tentativa de criar um precedente, uma ameaça grave a todos os presos palestinos que é necessário contrariar desde já, antes que se transforme numa prática sistemática das forças de ocupação israelitas.» O comunicado termina exigindo «a liberdade de Bilal Kayed e dos outros detidos administrativos; o fim da prática da detenção administrativa; a liberdade de todos os presos palestinos; o fim da ocupação, o reconhecimento efectivo do direito do povo palestino a um Estado viável, dentro das fronteiras de 1967, com capital em Jerusalém Leste e uma solução justa para o problema dos refugiados.»

Ver mais:

http://www.maannews.com/Content.aspx?id=772473

http://english.pnn.ps/2016/08/01/saadat-joins-hunger-strike-gets-transferred-to-solitary-confinement/

http://samidoun.net/2016/08/bilal-kayeds-letter-from-prison-on-48th-day-of-strike-your-struggles-give-me-more-determination-for-victory/

http://pflp.ps/english/2016/07/31/statement-no-11-comrade-ahmad-saadat-joins-hunger-strike-for-freedom-in-occupation-prisons/

http://www.mppm-palestina.org/index.php/comunicados/466-comunicado-132016

[02.08.2016]

 
Desenvolvimento: Criações Digitais, Lda  |   Serviços:  Impressão digital  |  Webmarketing